Publicidade

Posts com a Tag Roger Federer

quarta-feira, 28 de novembro de 2012 Light, Tênis Masculino | 10:39

Federer brasileiro

Compartilhe: Twitter

Dizem por aí que Roger Federer vai ganhar Euro 1.5 milhão por partida na sua tour da América do Sul. Só no Brasil serão uns R$8 milhões. Imaginem o quanto vai custar aquela festa com todas aquelas estrelas, que incluem Serena Williams, Maria Sharapova e Vic Azarenka (#1 do rankig). Será o maior evento tenistico do país por muito tempo, algo que vai agitar não só o mundo do tênis, mas a cidade como um todo.

Pelos 8 milhões o Federer tem que fazer muito – espero que tambem dentro da quadra, sem as frescuras que por vezes cercam as exibições – e com muita intensidade. Um espetáculo de técnica, plástica e qualidade, sua marca registrada e o que aprendemos a respeitar e amar. Até porque essa é a nossa grande e única chance de ver o Mestre ao vivo. A não ser que ele dure até o Rio olímpico.

Fora da quadra o comprometimento comercial com o evento, e o patrocinador, está sendo enorme, condizente com a grana envolvida, o tamanho do espetáculo e a expectativa brasileira. Chequem só o video abaixo realizado pela Gillete, patrocinador dele e do evento. Fizeram até o cara falar português. Com um sotaque estranhíssimo, misturando uma ginga brasileira, com a qual ele não tem problema, e uma sonoridade estranha, e um humor federesco. Melhor ainda foram as cortadas e os gols, tudo de voleio. Adorei a idéia e o conjunto da obra.

PS: para quem não sabe, David Ferrer não vem mais e no seu lugar entra Tommy Hass, uma opção interessante.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 22 de novembro de 2012 Tênis Masculino | 12:15

O surpreendente calendário do Mestre

Compartilhe: Twitter

Dizem que onde há fumaça há fogo. Esta semana Roger Federer divulgou em seu site o seu calendário para 2013. O calendário deve estar pronto desde Setembro, mas após o ultimo evento da temporada é a hora que os tenistas começam a divulgar seus planos, quando divulgam.

Um detalhe em seu calendário fez alguns dos meus amigos tenistas entrarem em depressão. Uma boa leva de fãs brasileiros invade Miami para o torneio em Março. Recentemente, os residentes da cidade votaram em que o torneio permaneça na cidade, o que foi uma excelente notícia para todos, especialmente os donos do evento. Mas não só de boas notícias vive o circuito.

Roger Federer deixou o Torneio de Miami fora de sua lista, o que entristeceu os fãs do suíço e do torneio, já que não se sabe até quando o rapaz jogará.

Por que ele fez isso? Isso, alguém terá que perguntar a ele e mesmo assim tenho cá minhas duvidas se ele será totalmente transparente a respeito. Antes, deixo aqui uma pitada de informação; pela primeira vez em cinco anos Roger Federer não foi convidado para o evento-exibição em Abu Dhabi, no fim do ano. Por que?

Este ano Federer não renovou seu antigo contrato com a IMG, maior firma de administração de esportes do mundo. A IMG é dona de inúmeras propriedades no mundo do tênis; torneios e exibições, academias e administrações carreiras, como de Nadal e Sharapova. São cerca de 20 eventos em que eles estão envolvidos de alguma forma, de Wimbledon a Aberto da Austrália, e outros onde são donos, como, adivinharam, Miami e Abu Dhabi.

Não sei o quanto aquele problemão do final de 2010, quando foi divulgado uma ação na justiça de Los Angeles contra Ted Forstmann, o dono da IMG, por apostas em esportes, especificamente uma final de Roland Garros envolvendo Roger Federer. Federer fez das tripas coração para explicar que suas conversas com Ted eram puramente sociais, o que eu acredito, até porque o cara apostou nele e não contra e o suíço não faz nem um pouco esse perfil. Mas o fato de ter levado Federer à justiça e aos jornais, talvez tenha algo a ver com ele não ter renovado o contrato com a IMG em Julho deste ano, quando terminou. Não renovou com a IMG, mas levou Toni Godsick, o homem de sua confiança dentro da IMG, com quem tem contato no dia a dia e está sempre presente em suas partidas. Desde então eles têm trabalhado juntos e, dizem por aí, abrirão uma empresa em sociedade.

Como essas conversas rolam nos bastidores há algum tempo, pode-se supor que não há grande amor perdido entre as partes. O fato de Federer não ser convidado para a festa caça níquel em Abu Dhabi, onde rola um grana fácil e ampla, e a surpreendente ausência do Mestre em um Masters 1000 em quadras duras, indicam essa possibilidade.

A partir de 2013, Federer não tem mais as mesmas obrigações contratuais com os eventos Masters 1000 que os outros tenistas mais jovens têm, e por isso pode escolher aonde quer levar o seu show.

Abaixo, a lista dos 13 eventos que ele lista atualmente. Os 4 Grand Slams, of course, Rotterdan, um dos torneios mais ricos do circuito, Dubai, praticamente sua segunda residência, Indian Wells, um tremendo torneio, Madrid, o único evento no saibro europeu jogado acima de 100m de altitude, Roma, tradicionalíssimo, Halle, na grama e onde ele é muito bem vindo e bem pago, os dois Masters na América do Norte, Xangai, o único na Ásia e Paris, o mais rápido dos Masters Series. Dos oito Masters 1000 mandatórios ele só não joga Miami. E, por enquanto, nada de Copa Davis.  Abaixo a lista de Federer para 2013.

Australian Open, Melbourne

ABN AMRO World Tennis Tournament, Rotterdam

Dubai Duty Free Tennis Championships, Dubai
BNP Paribas Open, Indian Wells
Mutua Madrid Open, Madrid
Internazionali BNL d’Italia, Rome
Roland Garros, Paris
Gerry Weber Open, Halle
Wimbledon
Rogers Cup, Montreal
Western & Southern Open, Cincinnati
US Open, New York
Shanghai Rolex Masters, Shanghai
BNP Masters , Paris

Autor: Tags: ,

terça-feira, 13 de novembro de 2012 Masters, Tênis Masculino | 00:58

Espetáculo

Compartilhe: Twitter

Será que o fato de não ser tão amado dá ainda mais forças à Novak Djokovic? Será que o fato de ser tão amado rouba aquele diferencial de determinação de Roger Federer? A final em Londres foi resolvida no detalhe, no detalhe de quem queria mais, exatamente a aresta que sempre importunou Federer quando enfrentava seu maior adversário, Rafa Nadal. Só ser o melhor não bastou, tem que ganhar.

Federer teve as oportunidades que precisava – todas elas criadas pelo seu próprio talento e vontade de ganhar o jogo. O suíço começou arrasador e no primeiro game, arrasador, nos fez acreditar, pelo menos à Maria Bueno, que sacaria e volearia e mataria. Djoko não estava na mesma sintonia. Manteve a postura e a confiança. Sacou para fecha no 5×4 só para ver a porta fechada para o delírio da torcida – deve ter doído. E ainda levou um contra pé no game seguinte que o estatelou no piso áspero. No TB Federer deixou escapar – da maneira mais bisonha e imediatamente após fazer o ponto mais espetacular da partida. Melhor ainda, Djoko soube fechar.

No fim do 2º set Federer foi ainda mais incompreensível, ao sacar em 5×4, 40×15 e deixar escapar novamente, o que acabou com a fé do suíço. Até tu, mestre?

Federer, sempre o teimoso tático, tentou ganhar do sérvio no jogo deste. Ele bem que tentou ser tático, para o desagrado de Maria Bueno, com bolas altas e centradas, algo que, aos poucos, começa a ser adotado pelos oponentes do sérvio. Mas não quis ser insistente, como nunca o é taticamente – e nas bolas abertas ele não ganha mais do sérvio, que tem muitas pernas e bolas ainda mais anguladas para contra atacar. Algo que fez, e bem, foi os ataque nos contra pé. Mas não no match point.

Mas não se iluda pelos erros cruciais de Federer ao entardecer de cada set que insisto em mencionar. Entre eles foram jogados pontos para qualquer um levantar do sofá e correr ao armário pegar a raquete. O jogo foi recheado de preciosidades para os amantes do tênis. O suíço estava em noite inspirada e deixou todos maravilhados ao fazer o que só ele sabe fazer. Mas não foi o bastante. Novak tem hoje mais físico e é mais forte mentalmente. Não foi ainda amaciado pelo amor das arquibancadas. E Federer, no crepúsculo de sua maravilhosa carreira, mesmo na derrota é amado incondicionalmente, a ponto de fazer valer a máxima do Coutinho, onde a vitória é só um detalhe. Com Federer em quadra o que vale é o espetáculo – e isso ele ainda garante melhor do que qualquer um.

Autor: Tags: ,

domingo, 11 de novembro de 2012 Masters, Tênis Masculino | 20:20

Não é…

Compartilhe: Twitter

Roger Federer não é Del Potro. Nem o Delpo é o Federer. Hoje, os dois se colocaram exatamente na mesma situação – 1 set acima e break logo no início do 2º set. Enquanto o argentino deixou a partida lhe escapar pelos dedos, Federer, que é um perigo, quando confiante e atento, aproveitou-se de ambas virtudes para acabar com as possíveis idéias de recuperação do hoje escocês Murray. O que também levanta a possibilidade de se dizer que Murray não é um Djokovic, nem o Djoko é o Murray. O escocês encolheu sob pressão, ao contrário do que fez mais cedo o sérvio. O resultado de tudo isso? Os dois melhores jogadores do torneio foram à final, que será disputada às 18h desta 2ª feira. 2ª feira?? É! Por que? Sei lá. Porque é na Inglaterra e lá eles não fazem jogos aos Domingos, às vezes, mas fazem finais no Domingo – porque são ingleses.

Autor: Tags: , , ,

Tênis Masculino | 16:57

Faltou acabar..

Compartilhe: Twitter

Antes da partida entre Del Potro e Djoko eu imaginava que o sérvio iria vencer. Dependendo da apresentação do argentino poderia ser até difícil, mas não via muitas chances de vitória argentina.

Na verdade, via duas chances: o argentino jogar muito, indo para a pancadaria, estilo que pode varrer qualquer um da quadra, ou o sérvio jogando abaixo de seu padrão.

O 1º set surpreendeu, com a vitória do Hermano, e a coisa ficou mais surpreendente com Djoko começando o 2º set ainda mais inseguro, tendo três break-points contra no primeiro game, só para ser quebrado de fato no segundo game.

Del Potro sacou em 2×1, para fazer 3×1 e “acabar” com o jogo. Mas vacilou. E numa quadra de tênis, até com minha madrecita, vacilou dançou. Com o Djoko então…

O homem vira bicho quando acuado. Primeiro se acua, coloca o rabo no meio das pernas e começa a choramingar enquanto perde a confiança. Depois, quando se vê sem saída parte para o pau e faz a vida do adversário um inferno.

Foi o que ele fez. Jogou muito bem o game seguinte, quebrou o argentino e daí para a frente foi um passeio pelo parque. O pior é que Delpo entrou no buraco e não encontrou forças para sair. Pensei que no set decisivo o jogo pudesse até pegar fogo, mas foi a hora do argentino colocar o rabo entre as pernas e não encontrar forças para sequer equilibrar a contenda.

Os dois tem estilos e arsenal perigosos, mas levou aquele que é mais “jogador” e um dos que deve comandar o circuito nas próximas temporadas. O outro? Entra em quadra daqui a pouco para enfrentar aquele que até MalaMcEnroe acaba de admitir ser o melhor da história. Se é, ou não é, ou talvez, se vai bater MalaMurray, pouco importa. Importa que enquanto ele estiver por aí o tênis será imensamente mais rico.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 8 de novembro de 2012 Tênis Feminino, Tênis Masculino | 11:47

Aumento não.

Compartilhe: Twitter

Ficar sem computador é uma experiência traumatizante nos dias de hoje. O meu laptop está mais institucionalizado em minha vida do que a TV e o jornal, que leio pela net. Mas o bichinho dá problemas e quando dá eu fico fora do ar.

Você declinaria um aumento de salário mantendo o mesmo serviço? Pois é, nem você nem ninguém. Só o Conselho a ATP. Eles rejeitaram um aumento de U$800.000 na premiação de Indian Wells, talvez o maior dos Masters Series atualmente. Os tenistas, quando descobriram, foram à loucura.

O Conselho da ATP reúnem três representantes dos tenistas e três reps dos torneios, que são os caras que trabalham para juntar dinheiro e distribuir para os tenistas etc. Esses dois grupos tão distintos quanto podem ser, convivem em um relacionamento sempre tenso e não tão amistoso, salvando-se na aparência e na necessidade mútua.

O tal milionário dono de Indian Wells queria colocar mais U$1.6M de premiação nas primeiras rodadas, nos eventos feminino e masculino. A ATP rejeitou, não sei ainda da resposta das mulheres. Sabendo como elas são com dinheiro posso imaginar

Os três reps dos torneios rejeitaram, enquanto os três dos tenistas aprovaram. O voto de minerva seria do Presidente da ATP, que se absteve, o que foi o mesmo que votar pela rejeição. Como é? Se absteve?! Isso vai pegar muuuito mal nos vestiários. Alôo Federer, o cara é sua indicação, como é que fica?

No início do ano Indian Wells já tinha aumentado em $1m a premiação, em uma distribuição que fugiu das regras da ATP. Agora queria aumentar, fugindo novamente, desta vez para equilibrar o que havia feito. Desta vez o aumento era focado nas primeiras rodadas – o que vai revoltar os carinhas que perdem nas três primeiras rodadas. E esse foi o argumento dos donos dos torneios – fora das regras. E por que não rejeitaram a primeira vez? Aí você já está querendo saber demais.

O fato é que um evento ficar aumentando a premiação dessa maneira coloca uma pressão nos outros eventos. E esse pessoal odeia esse tipo de pressão. Especialmente em tempos em que a conversa de uma greve por aumento de premiação ainda impregna o ar nos vestiários, um assunto longe de resolvido, que deve voltar à pauta com a decisão do Conselho. Até porque os Grand Slams aumentaram os prêmios para 2013, enquanto que os tenistas dizem que o problema a ser resolvido é na maioria dos eventos, ou seja, no ATP Tour.

O surpreendente, ou não, foi a abstenção do presidente na votação. Lembrando, Brad Drewit é um ex tenista, que perdia nas primeiras rodadas, mas que cresceu na ATP sendo Diretor do Masters Cup, o que exigiu uma boa dose de política. É um Federer Man, o que contrariou, entre outros, Rafa Nadal, que não o queria presidente. E o perfil suíço é a neutralidade, o “veja bem”, a manutenção dos status quo, enquanto o perfil espanhol seria mais para um Pizarro colocando suas renvidicações para Atahualpa.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 31 de outubro de 2012 Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 10:59

Mais um dia de Federer

Compartilhe: Twitter

Nada como todos tirarem proveito de uma coisa boa e que é boa para todos. Foi pensando assim que a Koch Tavares, responsável pela organização do Gillete Federer Tour, que acontece a partir de 6 de dezembro, decidiu apertar mais um pouco esse limão e aumentar a limonada.

Após vender todos os ingressos em tranches, e em minutos cada um deles, como não dá para expandir o Ibirapuera, pegaram no telefone e foram à luta. Conversaram aqui, convenceram ali e conseguiram acrescentar um dia a mais no evento. O que era de quinta a sábado agora será de quinta a domingo. Por isso, preparem suas carteiras, se for de fora de São Paulo liguem para a agencia de turismo e aproveitem a fim de semana na maior cidade do país. Bom tênis, ótimos restaurantes e muitos outros programas não faltarão.

Para o domingão os organizadores escalaram Thomaz Bellucci para enfrentar o espanhol Tommy Robredo como apetizer e como prato principal Roger Federer enfrentando o operário David Ferrer – é mané, Ferrer no Ibira também. Quero ver como o encardido vai encarar uma exibição – será que sabe jogar a brinca?

Abaixo a programação atual do evento. Sim, porque todos rezamos para que nenhum deles enfrente algum tipo de problema para vir à nossa festa. Os novos ingressos serão colocados a venda nos próximos dias. Já vi muito cara grande choramingando que não tinha comprado ingresso. Agora têm mais uma chance.

Data: 6 a 9 de Dezembro

Local: Ginásio do Ibirapuera, São Paulo
Piso: Indoor Hard (quadra rápida coberta)

Programação:

6 de dezembro-Quinta-Feira
19h30 Bob/Mike Bryan vs Bruno Soares/Marcelo Melo
Não antes das 21h30 Roger Federer vs Thomaz Bellucci

7 de dezembro-Sexta-Feira
19h30 Maria Sharapova vs Caroline Wozniacki
Não antes das 21h30 Thomaz Bellucci vs Jo-Wilfried Tsonga

8 de Dezembro-Sábado
19h Serena Williams vs Victoria Azarenka
Não antes das 21h Roger Federer vs Jo-Wilfried Tsonga

9 de Dezembro-Domingão
16h Thomaz Bellucci vs Tommy Robredo
Não antes das 18h Roger Federer vs David Ferrer

Ferrer – “o que, a brinca!??!”

Autor: Tags: , ,

domingo, 28 de outubro de 2012 Olimpíadas, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 20:33

Basiléia, Istambul e Valencia

Compartilhe: Twitter

Ninguém gosta de perder. Muito menos jogando em casa. Minha mulher fica com vontade de largar a raquete. Roger Federer desiste de ir a Paris. Minha mulher fica louca da vida com as japas baloneiras. Federer detesta encontrar pela frente alguém que dê mais pancada na bola do que ele. Ela começou a competir faz pouco e ainda tem que aprender a lidar com as viadas que fazem das quadras de tênis uma filial de Cabo Canaveral. O suíço deveria lembrar que o argentino não tem nenhuma consideração e adooora alguém que fique lhe dando pancadas à altura da cintura. Aliás, o hermano estava tão com vontade de machucar que quase acaba com a felicidade da Mirka – veja o vídeo abaixo.

A final entre Federer e Del Potro na Basiléia foi tudo o que o publico queria. Em termos de emoção, porque o resultado esperado, lógico, não era a vitória argentina. Mas uma partida decidida no TB da negra, após um TB no 2º, quando Federer escapou de perder em dois sets, teve um tênis de primeiríssima em um estádio que se não é novo, garanto que é de primeiríssima qualidade – padrão suíço.

Logo após a derrota, Federer, que é presidente da ATP, declarou que não jogaria o Masters 1000 de Paris, mesmo sabendo que a decisão vai lhe custar a liderança do ranking no fim da temporada para el djoko. “É a única alternativa para mim!”, alegando que quer preservar o físico para as finais de Londres, e também suas apresentações na América do Sul! Os franceses devem ter adorado a notícia.

Não tem contusão, nem nada que o impeça – simplesmente magoou. Roger já tem 600 partidas, mais de 12 anos de carreira, mas em Janeiro de 2012 ainda não tinha 31 anos, o que o isentaria totalmente das responsabilidades de jogar qualquer Masters 1000 – o que vale dizer que, teoricamente, a partir do ano que vem pode até cobrar para jogar os Masters 1000.

David Ferrer mostrou, mais uma vez, que é “o casca de ferida”. É na Espanha, é na quadra dura lenta, o Nadal não vem, é meu! É a 3ª vez que o casca vence por lá. E desta vez dedicou a vitória a Ferrero, que é um dos donos do evento e encerrou a carreira por lá esta semana.

Para nós, a boa notícia foi mais uma conquista de Bruno Soares, e seu parceiro Peya, batendo na final os ibéricos Verdasco/Marrero em três sets. É o terceiro título com Peya, o seu quinto esta temporada e o seu décimo na carreira. Eue temporada, e que parceria. Essa parceria deve dificultar a possível decisão voltar a jogar com Melo, com quem emparceirou na Davis e com quem ganhou Estocolmo. Com quem ele jogara em 2013?

Maria Sharapova chama Serena Williams de minha rainha do ébano. Não vou tentar adivinhar do que a gringa chama a russa/americana. Eu sei que suas cadelinhas ela chama de Jackie e Lorelei! São oito anos que Maria não vence Serena. Oito anos e nove partidas – uma média legal. O resultado de hoje, em Istambul, na final do Masters, 6/4 6/3, foi melhor do que o ultimo, nas Olimpíadas, 6/1 6/1. Pior do que isso a russa teria que sumir do circuito ou se trocar no carro; sua vida nos vestiários ficaria impossível. Para sempre vai se perguntar: Serena deixou ela fazer um??

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 25 de outubro de 2012 Tênis Brasileiro, Tênis Feminino | 13:24

Um dia após o outro…

Compartilhe: Twitter

Roger Federer derrotou Thomaz Bellucci, na sua quadra favorita, no seu torneio favorito, o qual já venceu cinco vezes, somente na bacia das almas. Por quê? Por que o brasileiro consegue fazer uma partida tão intensa e disputada com o melhor do mundo, especialmente nesse piso, que não é o seu favorito e dá umas patinadas ainda surpreendentes com alguns digníssimos cabeças-de-bagre, se comparados ao suíço e mesmo a ele?

Está certo que a final em condições semelhantes em Moscou, na semana passada, lhe deu uma confiança extra para entrar em quadra e desafiar o suíço no seu quintal e na frente de seus amigos. Mas não é só isso. E o resultado mostra. Sem a expectativa de vencer, Bellucci pode jogar o seu melhor, no seu limite, o que o resultado apertado espelha qual é. A derrota – 6/3 6/7 7/5 – espelha algo mais. Lá no fundo de sua alma Thomaz não carregava a expectativa da vitória, nem de sua parte nem do resto do mundo, algo que possibilita que se vá para certas bolas com um determinado desprendimento impossível de ser registrado. Chegar na hora da onça beber água, no terceiro set, acende uma luzinha alertando para a possibilidade de vencer tal partida, tal adversário. E quando essa luzinha acende…

Bellucci tem uma questão perene e ainda em andamento com seu emocional. A própria final em Moscou a atesta. Deixou escapar a vitória na final, na hora da onça beber água, algo que voltou a acontecer na Basiléia. A diferença é que em Moscou era contra Seppi, a quem acreditava piamente, e com razões, que poderia vencer. Na Basiléia a ficha só deve ter caído quando foi sacar no 5/6 da negra.

Thomaz completa 25 anos no final deste ano. Ainda é um tenista em formação, especialmente na área emocional, não muito distante do padrão sul americano e do que foi o padrão mundial durante décadas. O tenista chegava – chega? –  a sua maturidade lá pelos 27 anos. Lógico que existem as exceções, que só provam a regra, assim como existe também alguns poucos que, quando muito jovens, jogam surfando na inconsequência que batiza e avalia a juventude, abençoados por Perséfone, a deusa da intuição. Thomas não é um deles.

É um tenista talentoso, com um arsenal poderosíssimo, algo que os sofasistas gostam de menosprezar, porque, afinal são sofasistas e mais entendidos em torcer por alguém ou por algo, do que no jogo em si. Equilibrando esse arsenal e impedindo que seja um tenista ainda melhor está seu emocional que ainda não cozinhou por inteiro.

Thomaz ainda é um tenista em certas ocasiões e outro em ocasiões diversas. É um tenista quando tem a “obrigação” de vencer e outro quando essa “obrigação” está do outro lado da rede. Quando, e se conseguir, administrar essa questão e atingir esse equilíbrio, poderá entrar entre os 10 melhores do mundo, algo que muito almeja e que por almejar poderá conseguir.

Eu diria que se mantiver a disciplina e o trabalho, algo que acredito, pela disciplina de trabalho que mostrou até hoje, não ficar mais trocando de técnico, e assumir a difícil tarefa de encarar e modificar o perfil psicológico, imagino que chegar aos 27 será uma benção para o tenista paulista.

Thomaz esteve trabalhando com uma psicóloga que pode ajudar a encurtar o caminho. Não sei se continua, espero que sim. Mesmo que Tio Nadal não se importe muito com eles, afinal se eu treinasse o Rafa também acharia desnecessário, a não ser para curar algumas manias, que, no entanto, não lhe fazem perder jogos.

Mas é só um dia após o outro, uma partida atrás da outra, a avaliação correta e sincera de vitórias e derrotas, entre ele e seu staff, e as consequentes decisões, no caso corretas, que o levarão a dominar essa questão e atingir seu potencial e suas ambições.

Perséfon com seus narcissus, antes de ser levada para as profundezas.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 4 de outubro de 2012 Curtinhas, Light | 11:55

Bolinho estragado

Compartilhe: Twitter

Os rumores de ameaças à vida de Roger Federer em Xangai parecem ser mais uma bobagem decorrente de uma idiotice na internet. Começou quando em um fórum de tênis um dos participantes escreveu que iria matar o suíço durante o evento que começa no Domingo.

A mim me parece mais um fã do Nadal de mau humor com a ausência do ídolo, e sem a devida sensibilidade pelo talento do  Mestre ou, na pior das hipóteses, um chinês que comeu um bolinha primavera estragado e ficou danado com alguma provocação. Os frequentadores do fórum entraram em contato com os organizadores do torneio e o efeito dominó tomou conta. Por conta disso Roger estará cercado de seguranças na sua estadia chinesa. Mas duvido, e espero, que não passe disso.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. 10
  8. 20
  9. Última