Publicidade

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016 Aberto da Austrália, Novak Djokovic, Roger Federer, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 15:03

Melange do 1o dia

Compartilhe: Twitter

Pelo menos a Wozniacki merece um Post, algo que a ridícula Hantuchova, que perdeu 0 e 2 da Kuznetsova, que foi uma bela tenista e ainda se mantém, nao leva de jeito algum. A anoréxica da Eslovaquia decidiu, a muito tempo, que preferia sair com as pernas de fora na internet e revistas do que usar seu talento para jogar tenis. É tão fora da real que tentou trabalhar com o Larry Passos! Ela ia desistir no primeiro treino – isso se ele não decidisse antes.

 

Federer e Djokovic nem precisaram suar para ganhar. Foi um bom treino para ambos.

 

A Serena passou com alguma dificuldade pela argentina/italiana Giorgi. As duas estão peladinhas na internet, o que prova que na internet tem para todos os gostos e o tênis feminino mudou muuuito nos últimos anos.

 

Kristina Pliskova passou por uma decadente Stosur. As gêmeas Pliskova sempre me derrubam. São vitelinas e idênticas. A irmã Karolina tem melhor ranking e mais resultados e é mais bagaceira. Krystina é mais introvertida, mas tem mais tênis do que acredita. Porém, imagino, deve achar a irmã, com quem joga duplas, bem melhor e não consegue sair da sombra desta. Karolyna usa duas enormes tatuagens – uma no braço e outra na coxa. Provavelmente para se diferenciar da irmã. Além disso, uma foi ser destra e a outra, Krystina, canhota. As minas tem quase 1.90 e pernas sem dó.

 

A Errani, que era cabeça 17 também rodou na 1a rodada. Mas para essa eu tiro o chapéu. Só de pensar que a baixinha italiana chegou à final de Roland Garros eu já penso em rever meus conceitos sobre papai noel.

 

O Paire, o maior fantasmaço do circuito, que também era #17 (alooou papai noel!) também perdeu em três sets na 1a rodada. O adversário, Noah Rubin, é #328 do ranking!! Deve ter jogado tudo na inexistente direita do fantasma.

 

A Bensic, que um dia foi uma equilibrada adversária da Bia Maia, hoje é #12 do mundo já foi pra 2a rodada.

 

O Almagro, um talentoso doidinho, bateu o Bennetteau em 4 sets, no que deve ter sido um bom jogo. O espanhol, que esteve para abandonar as quadras, vai estar no Brasil Open.

 

O Coric, que muitos acreditam vá ser um cachorrao de 1a linha, perdeu rapidinho para o espanhol Ramos-Vinolas.

 

O Dodig perdeu na 1a rodada das simples – desejo inconfessável de Marcelo Melo em um GS. O ruim é que o cara, do jeito que vai, terá que jogar qualy em alguns torneios, o que pode mexer na dupla do Marcelo.

 

A Mladenovic bateu a Cibulkova. E eu nao vi o jogo…

 

O Sam Querry ainda joga tênis. Mas também perdeu.

 

A Teliana perdeu em dois sets para a Niculescu. Será que ela jogou na direita ou na esquerda da romena?

 

Autor: Tags:

Aberto da Austrália, Tênis Feminino | 14:02

De mal a pior

Compartilhe: Twitter

“Você pode enganar todas as pessoas por algum tempo e algumas pessoas todo o tempo. Mas nao pode enganar todos o tempo todo”. É claro que a célebre frase de Lincoln tinha a ver com a política de seus tempos e nada a ver com o tênis e Caroline Wozniack, que perdeu na 1a rodada do AO para a cazaque Putintseva.

 

A simpática e sorridente dinamarquesa já foi #1 do ranking, assim como a Safina, e isso diz algo a respeito do ranking feminino. Só que uma hora a realidade chutou a porta e aí o bode sentou na sala. Ou foi o pai dela??

 

Quando se tornou #1 do ranking fazia duas coisas na vida: batia todas as bolas cruzadas e tirava fotos rindo à toa. O joguinho dela sempre foi limitado e medroso, algo que eu dizia do início e me criticavam por conta. Sei! Bem, a minha mulher gosta dela, então vou parar por aqui.

 

Ela tentou algumas mudanças, alguns novos técnicos, mas nunca abriu mão da presença do pai que, segundo todos os técnicos, era quem impedia o progresso. O fato é que perdeu a confiança; as adversárias progrediram e ela estacionou.

 

Uma estatística explica bem o que Lincoln dizia: Desde 2011 sua participação no Aberto da Austrália foi: semifinal, quartas, oitavas, terceira rodada, segunda e primeira! Só espero que não chegue em 2017 perdendo na última do qualy.

 

Autor: Tags:

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016 Brasil Open | 20:25

Brasil Open

Compartilhe: Twitter

Este ano, mais uma vez, o Brasil Open muda de casa. Ainda bem que o nome é Brasil e não algo como Rio Open, o que deixaria os organizadores bem mais engessados. Eu diria que encontraram uma boa casa desta vez – o Esporte Clube Pinheiros.

 

O clube é o maior e mais importante do país e tem localização privilegiada, em uma das principais avenidas de São Paulo, com um de seus estacionamento, o que será usado pelo público do torneio, para mais de 800 carros, do outro lado da rua do Shopping Iguatemi, o principal da cidade, que também tem um ótimo estacionamento. Essa proximidade possibilita que o público assista os jogos e vá comer em um dos restaurantes do shopping, algo que demora cinco minutos.

 

O Pinheiros têm 24 quadras de tênis, sendo duas cobertas, já hospedou diversas edições da Copa Davis, eu era o capitão da ultima, contra a India, inúmeros Banana Bowl, alguns Challengers e um ATP Tour, nos anos 90, anteriormente. Tradição de torneios é o que não falta, sem mencionar a tradição na formação de tenistas e atletas de diversos outros esportes.

 

O Brasil Open já foi jogado na Costa do Sauípe, que deu o que tinha que dar e foi legal enquanto durou, e no Ginásio do Ibirapuera, que servia na ausência de coisa melhor, um absurdo que os paulistanos devem a todos os incompetentes que já sentaram na cadeira de prefeitos da cidade, mas que pelo menos serviu para trazer o torneio para a cidade.

 

O Pinheiros era um namoro antigo dos organizadores que se tornou ainda mais urgente depois que o estacionamento e área das novas quadras ficou pronta no fim do ano retrasado. O local ficou muito bonito e conveniente.

 

Mesmo com as ótimas instalações do clube, os organizadores terão que investir e realizar várias intervenções. Aliás, ótima palavra, que me lembra da música do Nick Cave, Into my Arms, uma coisa maravilhosa de simples que começa com “I don´t believe in an interventionist God” só para dizer que, se sim, que seja para trazer sua amada para seus braços.

 

Eles irão transformar quatro quadras adjacentes em uma quadra principal e usarão outras duas para jogos secundários. Para tal, terão que mexer em várias quadras do clube, além de modificar e criar espaços que atendam as exigências de um ATP Tour. Posso garantir que o torneio terá mais ambiente e charme do que no Ibirapuera.

 

Os tenistas associados terão que sofrer com a restrição das quadras, pois o uso das destas não se restringe aos dias do evento, sendo necessário mais de um mês só para a montagem, depois os jogos e depois a desmontagem. Mas, imagino, os associados serão plenamente recompensados assistindo de perto as feras que estarão presentes. Não existe jantar gratuito.

 

Hoje os organizadores divulgaram a lista dos tenistas que estarão presentes. Ela é composta na sua maioria por latinosamericano e espanhóis, com uma pitada de italianos, of course. Não têm as estrelas do Rio Open, que acontece na semana anterior, como Nadal, Ferrer, Tsonga e Isner, mas têm, para a alegria de muitos, o bagaceiro Fabio Fognini. Veja a lista completa abaixo. O torneio acontece de 22 a 28 de Fevereiro:

 

 

Fabio Fognini (ITA) – 21o.
Thomaz Bellucci (BRA) – 37o.
Pablo Cuevas (URU) – 41o.
Federico Delbonis (ARG) – 52o.
Albert Ramos-Vinolas (ESP) – 55o.
Pablo Andujar (ESP) – 59o.
Pablo Carreno Busta (ESP) – 67o.
Paolo Lorenzi (ITA) – 69o.
Santiago Giraldo (COL) – 70o.
Inigo Cervantes (ESP) – 72o.
Nicolas Almagro (ESP) – 74o.
Guido Pella (ARG) – 76o.
Daniel Munoz de la Nava (ESP) – 77o.
Dusan Lajovic (SRB) – 79o.
Marcel Granollers (ESP) – 84o.
Diego Schwartzman (ARG) – 89o.
Marco Cecchinato (ITA) – 91o.
Paul-Henri Mathieu (FRA) – 96o.
Daniel Taro (JPN) – 97o.

Autor: Tags:

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016 História, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 14:46

2016 começou

Compartilhe: Twitter

O ano começou. Abri meu ipad – não se abre mais o jornal – e descobri que o David Bowie morreu. Eu não era um fã dele, mas reconheço que foi um cara que ajudou a revolucionar a musica pop com sua inquietude, talento e arrojo em diversas áreas como música, filmes, moda e cultura pop. E fez muita musica boa que ainda toca por aí – nao dá mais para dizer que toca no rádio – e que me ajuda a me localizar no meu calendário de vida.

Escrevo que foi um começo do ano também porque aproveitei para me isolar do mundo e viver um pouco um Crusoe sem o estresse de estar perdido, o que foi ótimo para a cabeça e o coração. Escrevo que foi um começo de ano, a não ser que você considere as palhaçadas que o nosso governo insiste em fazer nao importa o dia ou época do ano e começou desde logo em 2016, e se tenista, considera que Chenai e Doha, ou mais grave, a Hopman Cup, foram para valer.

Na verdade, concedo, para alguns valeu mesmo. Wawrinka desce no aeroporto da cidade hindu e diz para o motorista; “me leve para casa”, que é como se sente no torneio que já ganhou quatro vezes, três seguidas. Ao fundo ouço o som de milhares de rupias se transformando em francos suíços. A vida é linda para quem recebe, e sabe usar dos benefício, do dinheiro de garantias. “O meu adversário me ataca, mas eu abro braço, lembro das centenas de dólares que já coloquei no bolso só pra vir aqui, e enfio a mão na bola sem nenhum receio.” Pressão é para os fracos, ou os que não recebem garantias.  Ou pode se acreditar que, uma vez na quadra, nada disso importa e o cara só pensa na competição. É, o mundo é cheio de ambiguidades e 2016 não será diferente.

Em Doha, Nadal, que diz que 2016 será diferente, achou tudo muito bom até a final, quando teve arremessado à sua cara o fato que 2016 será mais um inferno djokoviano. Teve a singularidade de afirmar que nunca viu alguém jogar no padrão do servio – com quem até pouco tempo tinha uma equilibrada rivalidade. Roger deve ter se mordido de inveja.

Quanto a Hopman´s Cup entendo a homenagem australiana ao primeiro dos “coaches”. Só fico na dúvida se ele, um grande competidor, escolheria a homenagem de ter seu nome associado a um torneio onde o fator competitividade é coadjuvante ao fator “vamos dar uma treinadinha de início de temporada e ganhar um montão de dólares na maciota”. Pelo que conheci do “Coach” isso é – como diria o Caetano, que pode ser um chato no resto mas sabe escrever uma música – é o avesso, do avesso, do avesso da cartilha hopmaniana. Sim, de um jeito ou de outro 2016 começou.

Autor: Tags:

domingo, 20 de dezembro de 2015 Copa Davis, História, Juvenis, Masters 1000, Novak Djokovic, Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino, US Open | 19:21

Os melhores do ano

Compartilhe: Twitter

Com o fim do ano e da temporada surgem as pesquisas dos “melhores do ano” para a apreciação dos fas. Interessante que nem sempre os votos dos “experts” coincidem com o dos fas. Qual vale mais? O que vale mesmo é o que você pensa, até porque se nao for o caso é melhor só usar pra pentear. Pode ser também o que você sente, já que em termos de escolhas esportivas o emocional fala alto. Nao é futebol, mas o Tênis também cria suas paixões.

Recebi dois ou três pedidos de enviar meus votos e o fato me inspirou em deixar aqui no Blog os meus pensamentos a respeito dos “melhores do ano”. Divirtam-se divirjam se forem capazes!

Os fatos marcantes mais mencionados foram: Os 3 Slams do Djoko e da Serena, a vitória da Penetta em Nova York, a conquista da Davis pelos britânicos.

Se Djoko ou Serena, os dois melhores tenistas do ano, tivessem ganho os quatro seria difícil ter outro fato mais marcante, o que nao tira o imenso mérito de ambos em conquistar algo dificílimo e merecedor de muitos aplausos. Mas a Serena foi, em um jogo, do Fato do Ano para a Afinada do Ano, ao perder para a Roberta Vinci nas semis e deixar escapar o Grand Slam que a colocaria como candidata a maior da história.

A vitória de Penetta, no apagar das luzes de sua carreira, foi a maior surpresa da temporada e uma conquista maravilhosa para uma tenista maravilhosa. E eu adoro surpresas em quadra, além de pernas bem torneadas. Alias, o fato é ampliado pela presença de duas italianas na final – na Itália elas vao ganhar todos os votos.

Mas Murray, o tripolar das quadras, liderar uma conquista da maneira como foi feita, e aí o diferencial, para o país que tem Wimbledon e Murray e nada mais em termos de tênis, apesar dos milhões investidos, foi um fato marcante. Eu fico com a vitória na Davis, pelo impacto que terá no país que inventou o tênis e as emoções que causou mundo afora.

As decepções? A Bouchard no feminino. Mais uma tenista que tropeçou na fama e na máscara, achou que era maior e melhor do que realmente é. Além de ainda nao ter conquistado lhufas ainda. Agora perdeu a confiança, perde jogos que nao deveria perder e ainda tem que enfrentar as consequências do tombo que levou – figurativamente e de fato.
Entre os homens, temos o Dimitri que pensou que era o rei da cocada preta, enquanto só foi o plebeu que pegava a rainha. Tem tênis pra ser mais do que apresentou. Eu nao vou falar do Gulbis porque ele nao é mais uma decepção e sim uma certeza.

As esperanças? Temos aí o Zverev que tem golpes e serviço pra incomodar, o Kyrgios que tem o serviço, um pouco de golpes e a personalidade pra incomodar, o Thiem que tem uma bela direita mas precisa achar uma esquerda, o Coric que tem uma bela esquerda mas precisa melhorar a direita, o Kokkinakis que é um fantasmao com um belo serviço e se acertar os golpes vai ser bem perigoso.

Os que mais melhoraram fora dos radares. O Anderson aprendeu tirar o melhor de seu tênis limitado, provavelmente ouvindo sua mulher que é bem mais do que uma digitadora de texto ou uma fazedora de biquinhos. Outra melhora surpreendente, que me pegou de calças curtas, foi o Benoit Paire. O cara tem, de longe, a pior direita do circuito, pior do que os 3a classes lá no clube, além de tropeçar na própria mascara. Mas tem uma tremenda esquerda! Milagres acontecem, amigos. Entre as mulheres, a suíça Bencic, que ano e meio atrás jogava no mesmo nível da Bia Maia – as duas eram rivais no juvenil – e hoje é 12a do mundo.

O idiota do ano? O Kyrgios leva fácil. O cara investe no quesito com frequencia e sem medo, além de ter uma família que aplaude seu esforço. Alias, poderiam dar uma dica para narradores e comentaristas de TV. O nome do cara se pronuncia Kirios e nao Kirgios – meu, é só ouvir o juiz de cadeira falar. O interessante é que a Austrália, que sempre foi celeiro de tenistas extremamente educados e divertidos deu de exportar tenistas idiotas. Harry Hopmann deve estar tendo surtos na cova.

Entre os brasileiros tivemos bons sucessos. Marcelo Melo virou o Tenista do Ano no Brasil por se tornar #1 do mundo em duplas. Tenho minhas reservas em eleger um duplista à frente de um singlista. Mas ser #1 do mundo nao é mole nao. Marcelo soube aproveitar as oportunidades e administrar a temporada lindamente e colocou o tênis nacional na mídia de maneira positiva – parabéns! Bellucci nao foi grandes notícias, mas teve seus momentos – na Davis no Ibirapuera foi um deles. Permanece o 1o de nosso ranking e 30 do mundo, o que nao é nadinha mal. Parabéns também para Teliana Pereira, que soube fazer o necessária para sair das sombras e ir para as luzes do circuito principal. Fecha como 54a do ranking mundial e conseguiu dar seu salto à frente aos 27 anos, idade em que a maioria das tenistas já mostrou o seu melhor. Vale lembrar Orlando Luz, que aos 17 anos se tornou um dos melhores juvenis do mundo e, suponho, encerrou sua carreira entre a garotada, apesar de só completar 18 em 2016. Agora vai buscar o caminho do sucesso naa transição para o profissional, momento que separa os garotos dos homens.

Se vocês tiverem outras categorias que queira explorar, sejam meus convidados. E aproveito para desejar boas festas a todos que com sua leitura, e comentários, fazem deste Blog um local de amor ao tênis.

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 13 de dezembro de 2015 Aberto da Austrália, Copa Davis, História, Olimpíadas, Porque o Tênis., Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino, US Open, Wimbledon | 22:03

O Tênis brasileiro no Jornal Nacional

Compartilhe: Twitter

Semana agitada no tênis brasileiro, especialmente fora dos torneios. Em uma semana o Jornal Nacional apresentou duas matérias sobre o tênis no Brasil, ambas bem positivas e sem ter Gustavo Kuerten como tema.

A primeira falou sobre o sucesso de Marcelo Melo, que fechou a temporada como o primeiro da ranking mundial, um feito extremamente positivo para nosso tênis. Marcelo soube aproveitar o declínio natural dos irmaos Brian, que dominaram o circuito nos últimos anos, mas nao venceram nenhum GS na temporada, para se instalar no topo do ranking. Para isso, teve que se preparar ainda melhor do que nas outras temporadas, negociar bem com seu parceiro titular, que teve um ano bem ruim nas simples, o que deve ter lhe causado algum estresse, manter a qualidade quando longe do mesmo e aproveitar as oportunidades que soube criar. Sim, porque uma coisa é criar as oportunidades, outra é ter a confiança e o gabarito de cacifa-las na hora da onça beber água que é quando os games, os sets, as partidas, os títulos e uma temporada sao definidas. Ter esse sucesso reconhecido em rede nacional para todos o Brasil ver deve ter sido bem gratificante para o Girafa.

A segunda, isso sem minha memória nao está a falhar, foi sobre a inauguração do Centro Olímpico de Tênis no Rio de Janeiro, novamente por uma luz positiva. Especialmente quando colocaram lá o caco de que a CBT herdará o complexo, após as Olimpíadas, uma das principais reivindicações da entidade e que faz todo o sentido. Aliás, deveriam, nao só colocar nas maos da entidade, que é quem tem o know-how para tal, como também desponibilizar uma verba para fazer o Centro – que deve, entre outras coisas abrigar o principal centro de treinamento do país – funcionar em seu dia a dia. Com um complexo igual ao de poucos eventos no planeta, a CBT terá a tarefa de nao só formar tenistas, como encontrar o melhor uso para tal local de outras formas, inclusive abrigar torneios, a Fed Cup e Copa Davis. O que me deixou um tanto encanado foi ter lido hoje que a CBT está negociando para se desfazer de seu torneio da WTA – nao sei a razao para tal passo.

O curioso na entrevista do JN, veio por conta da nossa tenista #1, Teliana Pereira, lamentar que o piso duro, o do Centro Olímpico, nao é o que mais lhe convém – ela quase que só joga no saibro. Até aí ela defendia o seu estilo e suas limitações. O que me trouxe um sorriso ao rosto foi a sua afirmação que o piso duro seria positivo aos duplistas Melo e Soares, que nao escolhem piso e, quase caí para trás, à Thomas Bellucci. Que torneios do Belo a nossa melhor tenista tem acompanhado?

Nao pode deixar de ser mencionado, e aplaudido, a decisão de escolherem o nome de Maria Esther Bueno para a Quadra Central do complexo. Afinal a tenista tem vários títulos de Grand Slam a mais do que Gustavo Kuerten ou qualquer outro brasileiro. Mas a minha cabecinha ficou pensando: porque nao fizeram como os americanos, que deram o nome de Billie Jean King ao complexo onde é jogado o Aberto dos EUA e à Quadra Central o de Arthur Ashe? Por aqui poderiam entao dar à Central o nome de Gustavo Kuerten, também um grande ídolo nacional. Ou será que pensam em fazer o inverso dos americanos em algum momento futuro? Vale lembrar que na Austrália nao deram o nome de um tenista ao complexo, e sim às duas quadras principais – Rod Laver e Margareth Court – em Roland Garros deram o nome de um aviador ao complexo e o de um cartola à Quadra Central e em Wimbledon eles nem pensam em uma ou outra idéia – e sendo como sao, dariam a Fred Perry antes de dar a Murray.

Autor: Tags:

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015 Olimpíadas, Rafael Nadal, Rio Open, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 17:10

O Rio Open vem aí!

Compartilhe: Twitter

O Brasil Open manda avisar que o ano que vem o evento irá bombar. Além de Rafa Nadal, que se tornou um símbolo do evento, os organizadores anunciam a presença de outras estrelas Top10 como Ferrer, Tsonga e Isner. Eles nao mencionam o italiano Fognini, mas pra muitos il cattivo ragazzo também se tornou peça indispensável para o evento. É bem capaz que eles também o anunciem mais à frente.

Sobre Rafa nao preciso gastar os dedos digitando. Todo mundo adora assistir o cara. Especialmente porque com ele nao tem corpo mole – mesmo debaixo da linha do equador. Tsonga é um show man, um cachorrao e um grande nome; mas uma incógnita. Será que estará em forma? Dará o seu melhor? Se jogar o que sabe as semis do torneio prometem.

Ferrer é outro que nao dá chabu. O cara come o pão que o diabo amassou passado no saibro de qualquer quadra. Já Isner chamará a atenção pela curiosidade. O cara tem 2.08m, saca barbaridades e nunca esteve por aqui. Lógico que o saibro e a altura do mar nao sao suas praias, mas acrescenta ao elenco e pode testar a qualidade do tie breaker de qualquer um presente.

É lógico que todo o elenco de brasileiros, de Bellucci a Teliana, passando pelo nosso #1 Marcelo Mello, estará presente – diretos, por qualy ou convites, o que é ótimo para eles, o público e o tenis nacional.

Uma ótima notícia para os fas é que os organizadores confirmaram o Jockey Club como o anfitrião. Havia a possibilidade de realizarem o evento lá para os lados da Barra, onde serão os Jogos Olímpicos. Eu adoro aquele cenário e o local. Se fosse na Barra eu pensaria duas vezes (e provavelmente iria, anyway), mas ali na Gávea nao dá para hesitar.

Outra novidade dos organizadores diz respeito aos horários. Nao haverá mais jogos pela manha – eles começam às 14:15h. A razão deles é facilitar a vida dos tenistas e nao os colocar para jogar debaixo do sol do meio dia do Rio de Janeiro. Eu acho ótimo porque poderei curtir uma praia de manha e só depois ir para o clube.

Além disso, fizeram um bem bolado. Continuam tendo duas seções distintas, mas o público pode acessar o local a qualquer hora, com qualquer ingresso. A Seção Noite é a partir das 17h. Mas o publico que compra-la poderá acompanhar os jogos de todas as quadras, menos a Central, desde as 14h. E pelo encurtamento dos horários, as quadras secundárias devem bombar – nao sei se eles vao incrementar o local e arquibancadas dessas quadras. Eles prometem incrementar o Leblon Boulevard, com suas comidas e lojas, que no ano passado já estava melhor do que no ano retrasado. O lugar faz o maior sucesso.

Os ingressos começam a ser vendidos a partir de 11/12/2015 exclusivamente pelo site www.tudus.com.br. e nao haverá taxa de conveniência. Os clientes da Claro, Net e os sócios do Jockey Club Brasileiro poderão comprar a partir do dia 01/12 até o dia 10/12. Os dois primeiros terão 20% de desconto e podem comprar até 2 ingressos por seção. O site é o www.tudus.com.br/rioopenclaro.

Agora que vocês sabem as infos, fiquem espertos para nao cair naquele nóia que já vi alguns caírem quando chega a hora do evento e o ingresso nao está na mao.

Autor: Tags:

domingo, 29 de novembro de 2015 Copa Davis, História, Olimpíadas, Porque o Tênis., Tênis Masculino, Wimbledon | 22:48

Sir Murray

Compartilhe: Twitter

E a profecia se realizou. Anos atrás eu escrevia no Blog que Andy Murray era um dos maiores talentos do circuito e que um dia suas habilidades iram se materializar. Lembro que uma legião escrevia que eu nao sabia do que estava falando e outras barbaridades – eram épocas que o tênis estava dominado pelo FeDal e o blog um tanto mais infestado de sofasistas delirantes do que eu gostaria. Os que acreditavam em Murray eram tao poucos que cabiam em uma Romi Isetta, segundo o Barao, um dos nossos fiéis leitores. Ça va!

Sendo quem é – Murray adora fazer o fácil, pelo menos para ele, ficar difícil, o escocês tem tido uma carreira aquém da que poderia ter. Falta aquela serenidade que o grande tenista tem face as agruras do circuito e do jogo de tênis em si. Mas, devidamente motivado o rapaz é um perigo e tem tenis para bater qualquer um . O duro nao é convencer a todos nós, seus fas, nem mesmo os incrédulos, de suas capacidades. O duro é ele mesmo se convencer.

Imagino, porque adivinho nao sou, que após os britânicos bateram os americanos na 1a rodada, com uma surpreendente participação do fantasmao James Ward, que na ocasião bateu o Isner na quadra dura coberta, Andy deu uma bela olhada na chave e viu ali a chance de uma vida. Considerou a inspiração de Ward e a ascendência de seu irmão nas duplas. Mesmo assim, a conta só fechava mesmo se ele ganhasse todos os jogos. Para isso se tornar realidade teria que deixar a viadagem de lado, as reclamações nos vestiários e concentrar em uma única coisa: ganhar jogos. E assim foi.

Fez algumas mágicas pelo caminho, especialmente nas duplas, com o irmão que nao é nenhuma brastemp, mas se vira, mas na final esteve bem pesadinho – O Bruno Soares vai suar na sua nova parceria! Nas simples, pelos resultados e pelo o que vi neste fim semana, impecável

No seu caminho ao título, algo que os britânicos nao saboreavam a 79 anos, Andy perdeu somente dois sets nas simples e venceu 24. E teve pela frente adversários como Tsonga, Simon, Isner, Tomic e o viajante Kokinnakis. Traçou todos com facilidade. E aos sábados tinha que carregar o irmão. Algumas dessas vitória pode-se chamar de heróicas, como sobre os australianos Hewitt e Groth, no 5o set, Mahut e Tsonga em 4 sets. Interessante que Andy nao jogou contra os irmaos Bryan, após Ward sacramentar os 2×0 no 1o dia. Os irmaos fecharam a temporada invictos, assim como Andy nas simples.

Vencer a Copa Davis praticamente sozinho é tarefas para poucos. Alguns conseguiam faze-lo em um ou outro confronto. É algo que sobrou para Gustavo Kuerten muitas vezes, já que nunca teve um singlista a sua altura. Pelo menos nas duplas, ele tinha Jaime Oncins, que na maioria das vezes era quem carregava tecnicamente a dupla, com Gustavo contribuindo com seu fortíssimo emocional, bons saques, boas devoluções e sua confiança, o que já é de ótimo tamanho.

Hoje Murray cravou seu nome na história do esporte britânico. O cara agora venceu o torneio de Wimbledon, a medalha de ouro olímpica, conquistada em Londres e a Copa Davis. Se nao é já deveria ser Sir. Se deram o nome do morrinho de grama para o Henman (Hill), aquele estádio sem nome no All England ficaria melhor com seu nome.

Infelizmente nao vi outras partidas dos britânicos na temporada – adoraria ter visto a dupla contra os australianos. Tudo entre australianos e britânicos é pessoal. Groth é um tremendo sacador e bom voleador e Hewitt um ótimo duplista (excelentes devoluçoes e bons voleios). Além de que era a derradeira chance de Hewitt vencer a Davis. 6/4 no 5o set também em Glasgow.

Talvez Andy se de ao trabalho de rever algumas de suas partidas na Copa Davis. Poderia se inspirar em seu um tenista melhor, algo que necessariamente passaria por ser uma pessoa melhor resolvida, mais focada em suas qualidades do que em seus possíveis erros, algo a que todos tenistas estão expostos. No fim do dia, o grande tenista é um grande administrado de dificuldades e crises, que aparecem a cada game e devem ser lidadas e solucionadas da melhor e menos dolorida maneira, algo que o rapaz tem dificuldades em fazer. Murray tem todas as ferramentas para ser o melhor, basta entrar na viagem certa, algo que Djoko, Nadale Federer sao mestres. A temporada da Davis mostrou que tal tarefa está à seu alcance, mesmo mentalmente, seu calcanhar de aquiles. Ele queria muito vencer Wimbledon, as Olimpíadas e a Copa Davis, de longe os mais importantes títulos que um tenista britânico pode almejar. Agora tem que decidir se quer algo mais. Especialmente ser Grande.

Autor: Tags:

sexta-feira, 27 de novembro de 2015 Sem categoria | 10:51

Começou a Davis

Compartilhe: Twitter

Respondendo às dúvidas sobre o porque o Darcis nao está jogando. Uma possibilidade seria o seguinte: o Darcis nao joga hoje e descansa. Joga a duplas, que nao é cansativo fisicamente, só mentalmente. E entra para jogar, como #2 em um possível e decisivo quinto jogo. Nesse cenário, menos cansado do que se jogasse três dias seguidos.

No entanto, durante a cerimônia de abertura deram um close up no rosto do Darvis e o cara estava congelado. Vai saber, se eles nao sabem algo que nós nao sabemos.

Aliás, muito bem bolado, e ficou muito legal, a maneira como “desceram as cortinas” para iniciarem a cerimônia e mostrarem todos em quadra. Começou bem.

Primeiro jogo: Gofin x Edmund. E o primeiro game durou 11 minutos!

Segundo jogo: Murray x Bemelmans

Autor: Tags:

quinta-feira, 26 de novembro de 2015 Copa Davis, Tênis Masculino | 13:10

Quem joga a final da Davis

Compartilhe: Twitter

Surpresas na escolha dos tenista de ambos os times na final da Copa Davis? Os belgas deixaram Steve Darcis, 31 anos, experiencia em Davis e 84 do ranking, de fora e escolheram Ruben Bemelmans, 27 anos, 108 no ranking a quem nunca vi jogar – o cara joga mais Challengers.

Os ingleses nao tinham lá muitas opções, mas tinham que fazer uma escolha. Escolheram Kyle Edmund, 20 anos e 100 do mundo. O penúltimo evento do rapaz foi em um Challenger no saibro de Buenos Aires, quando bateu, entre outros, o brasileiro Ghem e os argentinos Zebbalos e Berlocq, na final. Deve ter dado uma confiança no rapaz, especialmente se tiver que jogar a quinta e decisiva partida contra o Bemelmans ou o Darcis para decidir quem fica com o caneco.

Os numero 1 dos países, sao, of course, Andy Murray, numero 2 e David “baby face” Goffin, numero 16. Esses só se encontram na 1a partida de domingo. Antes disso muita água vai rolar em Ghent.

O primeiro dia, amanha, deve terminar empatado com a vitória dos favoritos. O segundo dia, deve, a princípio, ter a vitória dos irmaos Murray. Sendo assim a partida Murray x Goffin seria de vida ou morte para os belgas. E os coadjuvantes decidiriam – isso sim seria uma final empolgante.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última