Publicidade

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 01:40

tamira e os recordes

Compartilhe: Twitter

Tamira Paszek provavelmente acaba de bater o recorde mundial da tenista que chegou mais cedo para um torneio. A moça, que até pouco tempo era treinada por Larri Passos, chegou a Auckland 20 dias antes do início do torneio e vai passar o Natal e Ano Novo longe de casa.

Como não dava para treinar outdoors na Áustria, onde faz muito frio nesta época, decidiu chegar mais cedo para treinar na Nova Zelândia. Vinte dias? Nunca se ouviu alguém fazer tal coisa. Com certeza, não sabe o inferno que é jogar tênis em Auckland, onde venta mais do que em Fortaleza. E não há coisa pior do que jogar no vento forte. Mas talvez por isso a moça já está fazendo um estrago no circuito e é uma grande promessa.

Aos 17 anos, completados a semana passada, a austríaca é filha de uma chilena criada na Áustria, enquanto seu pai nasceu na Tanzânia, cresceu no Kenia, sendo filhos de indianos, e foi morar no Canadá antes de chegar à Áustria. Não é a toa que olhando para a moça é difícil de adivinhar sua origem.

Em 2005 tornou-se a mais jovem tenista a vencer uma partida na WTA Tour. Em 2006, aos 15 anos e 9 meses venceu seu 1º torneio, na Eslovênia. Hoje ela já é 41ª do ranking. Dona de uma bela direita e uma perigosa esquerda com as duas mãos, tem boa postura em quadra e muita disciplina dentro e fora dela.

Porém, terá que enfrentar dificuldades como os limitados 1.65m de altura, além de uma aparente luta com o peso. Talvez, até por esta razão enfia a mão na bola como se não existisse amanhã. É dona também de uma boa mentalidade e sabe elevar seu jogo nas horas importantes, uma qualidade rara e necessária para se dar bem entre os profissionais


o olhar 48 de tamira paszek

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 01:40

tamira e os recordes

Compartilhe: Twitter

Tamira Paszek provavelmente acaba de bater o recorde mundial da tenista que chegou mais cedo para um torneio. A moça, que até pouco tempo era treinada por Larri Passos, chegou a Auckland 20 dias antes do início do torneio e vai passar o Natal e Ano Novo longe de casa.

Como não dava para treinar outdoors na Áustria, onde faz muito frio nesta época, decidiu chegar mais cedo para treinar na Nova Zelândia. Vinte dias? Nunca se ouviu alguém fazer tal coisa. Com certeza, não sabe o inferno que é jogar tênis em Auckland, onde venta mais do que em Fortaleza. E não há coisa pior do que jogar no vento forte. Mas talvez por isso a moça já está fazendo um estrago no circuito e é uma grande promessa.

Aos 17 anos, completados a semana passada, a austríaca é filha de uma chilena criada na Áustria, enquanto seu pai nasceu na Tanzânia, cresceu no Kenia, sendo filhos de indianos, e foi morar no Canadá antes de chegar à Áustria. Não é a toa que olhando para a moça é difícil de adivinhar sua origem.

Em 2005 tornou-se a mais jovem tenista a vencer uma partida na WTA Tour. Em 2006, aos 15 anos e 9 meses venceu seu 1º torneio, na Eslovênia. Hoje ela já é 41ª do ranking. Dona de uma bela direita e uma perigosa esquerda com as duas mãos, tem boa postura em quadra e muita disciplina dentro e fora dela.

Porém, terá que enfrentar dificuldades como os limitados 1.65m de altura, além de uma aparente luta com o peso. Talvez, até por esta razão enfia a mão na bola como se não existisse amanhã. É dona também de uma boa mentalidade e sabe elevar seu jogo nas horas importantes, uma qualidade rara e necessária para se dar bem entre os profissionais



o olhar 48 de tamira paszek

Autor: Tags:

sábado, 15 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 19:16

inferno astral

Compartilhe: Twitter

Após a suíça Martina Hingis ser pega no antidoping em Julho, sendo obrigada a desistir da carreira aos 27 anos, e abandonada pelo noivo Radek Stepanek em Agosto, Hingis acaba de saber que o ex vai casar com outra tenista – o que, para alguém competitiva como ela, deve ser de cortar os pulsos. Só pode ser o inferno astral da suíça. A notícia saiu no jornal da cidade de Bradenton, Florida, afirmando que o casal pediu a licença de casamento no cartório da cidade.

A rival é Nicole Vaidisova, tenista de 18 anos, 1.83cm e 12ª do ranking mundial. A moça é grandona e bonitona, bem diferente de Hingis, de 1.68cm, que sempre se esforçou para passar por sensual e mulher fatal, sem tanto sucesso. Até por isso, jogava duplas com Anna Kournikova, para ver se pegava um pouco de glamour da russa.

Quanto a mim, tenho que colocar a mão à palmatória, já que insinuei que o rapaz é feio demais. Está aí, comprovado, de homem não entendo muito. Só posso dizer que Vaidisova, apesar de ainda ser um tanto desengonçada – até pela idade e o tamanho – faz o maior sucesso com as arquibancadas masculinas. Além se ser uma das tenistas mais promissoras do circuito. Aos 18 aninhos já tem 6 títulos no Circuito WTA e mais de U$2 milhões em prêmios. Tá batendo um bolão, o Stepanek.


nicole – a outra

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 19:16

inferno astral

Compartilhe: Twitter

Após a suíça Martina Hingis ser pega no antidoping em Julho, sendo obrigada a desistir da carreira aos 27 anos, e abandonada pelo noivo Radek Stepanek em Agosto, Hingis acaba de saber que o ex vai casar com outra tenista – o que, para alguém competitiva como ela, deve ser de cortar os pulsos. Só pode ser o inferno astral da suíça. A notícia saiu no jornal da cidade de Bradenton, Florida, afirmando que o casal pediu a licença de casamento no cartório da cidade.

A rival é Nicole Vaidisova, tenista de 18 anos, 1.83cm e 12ª do ranking mundial. A moça é grandona e bonitona, bem diferente de Hingis, de 1.68cm, que sempre se esforçou para passar por sensual e mulher fatal, sem tanto sucesso. Até por isso, jogava duplas com Anna Kournikova, para ver se pegava um pouco de glamour da russa.

Quanto a mim, tenho que colocar a mão à palmatória, já que insinuei que o rapaz é feio demais. Está aí, comprovado, de homem não entendo muito. Só posso dizer que Vaidisova, apesar de ainda ser um tanto desengonçada – até pela idade e o tamanho – faz o maior sucesso com as arquibancadas masculinas. Além se ser uma das tenistas mais promissoras do circuito. Aos 18 aninhos já tem 6 títulos no Circuito WTA e mais de U$2 milhões em prêmios. Tá batendo um bolão, o Stepanek.



nicole – a outra

Autor: Tags:

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 20:41

o melhor golpe do baú

Compartilhe: Twitter

Com a possível volta às quadras de Lindsay Davemport, afastada das quadras por gravidez, a corrida para o Melhor Golpe do Baú entre as mulheres está aberta. A tenista que até hoje mais faturou em quadra, ou seja, em prêmios, foi a alemã Steffi Graf com U$21.895.277,00. Fora o que a moça conseguiu fora das quadras, incluindo aí os anos em que o pai dela administrava suas contas. Graf deixou de pagar um bocado de impostos, mas quem foi preso foi o pai. É bom lembrar que o melhor país do mundo para patrocínios de atletas como Graf é a Alemanha. Se você pensou os EUA, pense de novo. Lá existem muitos ídolos e o atleta tem que ser excepcional, em várias maneiras, especialmente em marqueting, para conquistar grandes contratos. Perguntem ao Pete Sampras. Na Alemanha Graf era única. Mas a Steffi está fora do MGB, já que o careca Agassi levou a moça para casa. Logo ele, que foi o tenista que mais ganhou, de longe, fora das quadras. Como dizem, dinheiro atrai dinheiro.

A segunda tenista da lista é exatamente Davemport – por essa vocês não esperavam! Já vou avisando que a moça é comprometida. Muita gente pensou que ela não casaria tão cedo. Eu sei que ela não é das mais estonteantes e nem muito sensual (nem muito!?), mas, como diria minha mãe, é uma moça bem preparada, simpática e ótima pessoa. Fora os U$21,763.653,00 em prêmios. Com mais U$131.626,00, o que consegue vencendo um bom torneio, ela passará Graf.

A terceira é a recém aposentada de 51 anos, Martina Navratilova. A senhora colocou no banco U$21.629.089,00 só em prêmios. Mas ela não concorre ao meu MGB, e nem ao seu, a não ser que seu nome seja Maria, Gisele, ou por aí, tenha um rostinho bonito e faça parte da letra certa do GLS. Martina também ganhou bastante com exibições, contratos, patrocínios etc, em 34 anos de carreira. E por tudo que conquistou, merece cada centavo que tem.

A quarta é a xará da acima, cuja mãe a nomeou Martina Hingis em homenagem à Navratilova. Mas, ao contrário da outra, a moça é chegada aos rapazes, como mostra a longa lista de jogadores com quem ela ficou. O último deles, Radek Stepanek, com quem até anunciou um noivado?? – o mais inexplicável de todos. Não sou nenhum expert no assunto, mas o cara é muito feio. Martina, que sempre passou a imagem de certinha – como dizem, imagem é tudo – foi pega no exame antidoping no último torneio de Wimbledon. A moça ficou tão indignada que anunciou a aposentadoria e perdeu a chance de chegar ao topo da lista. Com U$20.063.873,00 e somente 27 anos de idade – uma belíssima idade para as mulheres, tenistas ou não – passaria fácil as outras concorrentes. Mas foi gastar seu dinheirinho com a coisa errada e encerrou a carreira acusada de usar cocaína. Uma droga muito mais para quem quer se divertir do que para quem está pensando em ter vantagem nas quadras, mas proibida igual. De todas acima, Hingis é a única que está disponível para o MGB. E a moça é bem disponível.


hingis e stepanek – este já era

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 20:41

o melhor golpe do baú

Compartilhe: Twitter

Com a possível volta às quadras de Lindsay Davemport, afastada das quadras por gravidez, a corrida para o Melhor Golpe do Baú entre as mulheres está aberta. A tenista que até hoje mais faturou em quadra, ou seja, em prêmios, foi a alemã Steffi Graf com U$21.895.277,00. Fora o que a moça conseguiu fora das quadras, incluindo aí os anos em que o pai dela administrava suas contas. Graf deixou de pagar um bocado de impostos, mas quem foi preso foi o pai. É bom lembrar que o melhor país do mundo para patrocínios de atletas como Graf é a Alemanha. Se você pensou os EUA, pense de novo. Lá existem muitos ídolos e o atleta tem que ser excepcional, em várias maneiras, especialmente em marqueting, para conquistar grandes contratos. Perguntem ao Pete Sampras. Na Alemanha Graf era única. Mas a Steffi está fora do MGB, já que o careca Agassi levou a moça para casa. Logo ele, que foi o tenista que mais ganhou, de longe, fora das quadras. Como dizem, dinheiro atrai dinheiro.

A segunda tenista da lista é exatamente Davemport – por essa vocês não esperavam! Já vou avisando que a moça é comprometida. Muita gente pensou que ela não casaria tão cedo. Eu sei que ela não é das mais estonteantes e nem muito sensual (nem muito!?), mas, como diria minha mãe, é uma moça bem preparada, simpática e ótima pessoa. Fora os U$21,763.653,00 em prêmios. Com mais U$131.626,00, o que consegue vencendo um bom torneio, ela passará Graf.

A terceira é a recém aposentada de 51 anos, Martina Navratilova. A senhora colocou no banco U$21.629.089,00 só em prêmios. Mas ela não concorre ao meu MGB, e nem ao seu, a não ser que seu nome seja Maria, Gisele, ou por aí, tenha um rostinho bonito e faça parte da letra certa do GLS. Martina também ganhou bastante com exibições, contratos, patrocínios etc, em 34 anos de carreira. E por tudo que conquistou, merece cada centavo que tem.

A quarta é a xará da acima, cuja mãe a nomeou Martina Hingis em homenagem à Navratilova. Mas, ao contrário da outra, a moça é chegada aos rapazes, como mostra a longa lista de jogadores com quem ela ficou. O último deles, Radek Stepanek, com quem até anunciou um noivado?? – o mais inexplicável de todos. Não sou nenhum expert no assunto, mas o cara é muito feio. Martina, que sempre passou a imagem de certinha – como dizem, imagem é tudo – foi pega no exame antidoping no último torneio de Wimbledon. A moça ficou tão indignada que anunciou a aposentadoria e perdeu a chance de chegar ao topo da lista. Com U$20.063.873,00 e somente 27 anos de idade – uma belíssima idade para as mulheres, tenistas ou não – passaria fácil as outras concorrentes. Mas foi gastar seu dinheirinho com a coisa errada e encerrou a carreira acusada de usar cocaína. Uma droga muito mais para quem quer se divertir do que para quem está pensando em ter vantagem nas quadras, mas proibida igual. De todas acima, Hingis é a única que está disponível para o MGB. E a moça é bem disponível.



hingis e stepanek – este já era

Autor: Tags:

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 16:14

a volta de monica

Compartilhe: Twitter

Foi-se Martina Hingis, mas podemos ter novamente Monica Seles! Rumores sempre aparecem…e desaparecem. Mas existe a possibilidade de Monica voltar às competições na próxima temporada. E quem dá credito a esse rumor é a própria balzaquiana Seles que, aos 34 anos, ainda sonha com algumas vitórias no circuito WTA.

A moça cedeu entrevista ao LA Times, onde diz que o Aberto da Austrália não é uma possibilidade, mas o Aberto de Miami, em Março, sim. Não pensa em jogar muitos torneios, mas os Grand Slams e alguns preparatórios. Não informou como entraria nesses eventos, já que não joga desde 2003, não tem mais ranking e dependerá da boa vontade, que não deve faltar – mas nunca se sabe – dos organizadores. Seles tem 53 títulos em simples, sendo 9 nos Grand Slams.

Seles afirmou que só fará uma decisão no início do ano. Porem, aos 34 anos, a sérvia-americana, que foi uma das maiores sensações do tênis, vai sofrer para fazer um impacto positivo. No tênis atual, a movimentação, que nunca foi uma de suas qualidades, é tão importante quanto a força e o preparo físico, que também nunca foi o seu forte, para sermos caridosos. A mim, parece mais um caso de uma tenista que não consegue fazer um “closure” satisfatório na carreira. Para quem não lembra, a moça foi esfaqueada, no auge da carreira, por um maluco, fã de Steffi Graf. Será que o leitor também teria prazer rever aqueles golpes com as duas mãos de ambos os lados, acompanhados dos famosos gritinhos, que poderiam fazer Maria Sharapova se sentir envergonhada?

Monica e sua primeira raquete – de madeira!

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 16:14

a volta de monica

Compartilhe: Twitter

Foi-se Martina Hingis, mas podemos ter novamente Monica Seles! Rumores sempre aparecem…e desaparecem. Mas existe a possibilidade de Monica voltar às competições na próxima temporada. E quem dá credito a esse rumor é a própria balzaquiana Seles que, aos 34 anos, ainda sonha com algumas vitórias no circuito WTA.

A moça cedeu entrevista ao LA Times, onde diz que o Aberto da Austrália não é uma possibilidade, mas o Aberto de Miami, em Março, sim. Não pensa em jogar muitos torneios, mas os Grand Slams e alguns preparatórios. Não informou como entraria nesses eventos, já que não joga desde 2003, não tem mais ranking e dependerá da boa vontade, que não deve faltar – mas nunca se sabe – dos organizadores. Seles tem 53 títulos em simples, sendo 9 nos Grand Slams.

Seles afirmou que só fará uma decisão no início do ano. Porem, aos 34 anos, a sérvia-americana, que foi uma das maiores sensações do tênis, vai sofrer para fazer um impacto positivo. No tênis atual, a movimentação, que nunca foi uma de suas qualidades, é tão importante quanto a força e o preparo físico, que também nunca foi o seu forte, para sermos caridosos. A mim, parece mais um caso de uma tenista que não consegue fazer um “closure” satisfatório na carreira. Para quem não lembra, a moça foi esfaqueada, no auge da carreira, por um maluco, fã de Steffi Graf. Será que o leitor também teria prazer rever aqueles golpes com as duas mãos de ambos os lados, acompanhados dos famosos gritinhos, que poderiam fazer Maria Sharapova se sentir envergonhada?

Monica e sua primeira raquete – de madeira!

Autor: Tags:

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 16:42

Aberto de são paulo

Compartilhe: Twitter

Foi divulgada a lista do 8º Aberto de São Paulo, torneio jogado no Parque Villa-Lobos. A marca registrada do evento, que começa dia 31 de Dezembro, é a de abrir a temporada. Para os brasileiros é uma ótima oportunidade de começar bem o ano, jogando na frente da torcida paulistana, que adora participar, de ganhar uma boa grana e pontos no ranking e, principalmente, adquirir confiança, o bem mais importante do tenista, para o resto da temporada.

Quem vê uma oportunidade no torneio também são os argentinos, nove inscritos, e sempre brigando pelo título. Este ano, os três melhores inscritos são hermanos, o quarto uruguaio. Entre os brasileiros – seis estão diretos na chave – as maiores ausências são Flávio Saretta, contundido, e Ricardo Mello, atual #253, o que ainda o colocaria na chave, mas que não sei por que não se inscreveu.

Entre os nossos será interessante acompanhar os jovens Thomas Bellucci, a atual bola da vez no quesito esperança, Caio Zampieri e Franco Ferreiro, que voltou a se interessar pelo tênis após desapontamentos com seus treinamentos no Rio de Janeiro.

Abaixo a lista completa de quem está direto na chave:

Carlos Berlocq (85, ARG), Mariano Zabaleta (104, ARG), Juan Pablo Brzezicki (107, ARG), Pablo Cuevas (113, URU), Marcos Daniel (118, BRA), Brian Dabul (159, ARG), Eduardo Schwank (175, ARG), Júlio Silva (193, BRA), Thomaz Bellucci (202, BRA), Ramon Delgado (208, PAR), Franco Ferreiro (237, BRA), Horacio Zeballos (261, ARG), Vasilis Mazarakis (265, GRE), Juan-Martin Aranguren (271, ARG), Miguel Angel Jean Lopez (282, ESP), Sebastian Decoud (290, ARG), Caio Zampieri (293, BRA), Gustavo Marcaccio (303, ARG), Rogério Dutra e Silva (307, BRA), Phillip King (311, EUA), Ryler De Heart (319, EUA), Dieter Kindlmann (322, ALE), Alberto Francis (326, EUA), Andrea Stoppini (332, ITA)


Heitor villa-lobos era mais chegado a uma sinuca

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 16:42

Aberto de são paulo

Compartilhe: Twitter

Foi divulgada a lista do 8º Aberto de São Paulo, torneio jogado no Parque Villa-Lobos. A marca registrada do evento, que começa dia 31 de Dezembro, é a de abrir a temporada. Para os brasileiros é uma ótima oportunidade de começar bem o ano, jogando na frente da torcida paulistana, que adora participar, de ganhar uma boa grana e pontos no ranking e, principalmente, adquirir confiança, o bem mais importante do tenista, para o resto da temporada.

Quem vê uma oportunidade no torneio também são os argentinos, nove inscritos, e sempre brigando pelo título. Este ano, os três melhores inscritos são hermanos, o quarto uruguaio. Entre os brasileiros – seis estão diretos na chave – as maiores ausências são Flávio Saretta, contundido, e Ricardo Mello, atual #253, o que ainda o colocaria na chave, mas que não sei por que não se inscreveu.

Entre os nossos será interessante acompanhar os jovens Thomas Bellucci, a atual bola da vez no quesito esperança, Caio Zampieri e Franco Ferreiro, que voltou a se interessar pelo tênis após desapontamentos com seus treinamentos no Rio de Janeiro.

Abaixo a lista completa de quem está direto na chave:

Carlos Berlocq (85, ARG), Mariano Zabaleta (104, ARG), Juan Pablo Brzezicki (107, ARG), Pablo Cuevas (113, URU), Marcos Daniel (118, BRA), Brian Dabul (159, ARG), Eduardo Schwank (175, ARG), Júlio Silva (193, BRA), Thomaz Bellucci (202, BRA), Ramon Delgado (208, PAR), Franco Ferreiro (237, BRA), Horacio Zeballos (261, ARG), Vasilis Mazarakis (265, GRE), Juan-Martin Aranguren (271, ARG), Miguel Angel Jean Lopez (282, ESP), Sebastian Decoud (290, ARG), Caio Zampieri (293, BRA), Gustavo Marcaccio (303, ARG), Rogério Dutra e Silva (307, BRA), Phillip King (311, EUA), Ryler De Heart (319, EUA), Dieter Kindlmann (322, ALE), Alberto Francis (326, EUA), Andrea Stoppini (332, ITA)



Heitor villa-lobos era mais chegado a uma sinuca

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 220
  3. 230
  4. 240
  5. 250
  6. 251
  7. 252
  8. 253
  9. 254
  10. Última