Publicidade

domingo, 23 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 15:28

esportistas madrilenos!

Compartilhe: Twitter

O que os esportistas fazem nos seus momentos de lazer? Esportes, o que mais? Ou alguém pensou que eles se dedicavam a alguma aventura intelectual? Sendo assim, Rafael Nadal se juntou a seu amigo Iker Casilla, goleiro do Real Madrid, na última quinta-feira, em Madrid, para uma noite de — e aí eles abusaram da imaginação — tênis e futebol.

O objetivo era arrecadar fundo para uma promoção da Cruz Vermelha espanhola, e o jeito foi juntar amigos esportistas para passar momentos juntos — em quadra e no campo.

No campo, os dois conseguiram aquilo que até então era considerado impossível. Jogar tênis na grama do Santiago Bernabeu. Mas a causa era nobre e Nadal pôde matar as saudades da grama de Wimbledon. Ainda aproveitou para meter uma bola no meio do gol de Casillas e outra na arquibancada. Abaixo, o vídeo feito por uns malucos locais, provavelmente asseclas do pessoal do Pânico.

Mais tarde, os dois foram para a Arena de Madrid, onde jogaram um futebol society juntos com seis amigos de cada lado. E ainda bateram umas bolinhas de tênis com os colegas. Quem quiser ver o papelão de alguns boleiros, o gol de placa de Nadal e ainda a bola que tomou no meio das canetas do “amigo” Ramos, assista ao vídeo abaixo.

Na foto abaixo alguns dos presentes ao evento: à direita de Rafael está seu tio, não o seu treinador, mais Miguel Nadal, zagueirão do Real e da seleção espanhola. À esquerda de Rafa, David Ferrer. Moya de fita preta na cabeça. Casillas montado nas costas de Cannavaro, Bola de Ouro de 2006. Fernando Alonso é o primeiro agachado à esquerda. Ao lado de Cannavaro, o zagueiro Sergio Ramos e ao seu lado o atacante Raul, ambos do Real.

Ainda presente, entre outros, o golfista Sergio Garcia e o ex-zagueirão Fernando Hierro, Diarrá, Feliciano Lopez e o goleiro argentino Pato Abodanzieri. Ninguém de Barcelona convidado, afinal El Clasico é este fim de semana. No final, o elegante Cannavaro deixa claro quem é o craque.

alonso voa em quadra

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 15:28

esportistas madrilenos!

Compartilhe: Twitter

O que os esportistas fazem nos seus momentos de lazer? Esportes, o que mais? Ou alguém pensou que eles se dedicavam a alguma aventura intelectual? Sendo assim, Rafael Nadal se juntou a seu amigo Iker Casilla, goleiro do Real Madrid, na última quinta-feira, em Madrid, para uma noite de — e aí eles abusaram da imaginação — tênis e futebol.

O objetivo era arrecadar fundo para uma promoção da Cruz Vermelha espanhola, e o jeito foi juntar amigos esportistas para passar momentos juntos — em quadra e no campo.

No campo, os dois conseguiram aquilo que até então era considerado impossível. Jogar tênis na grama do Santiago Bernabeu. Mas a causa era nobre e Nadal pôde matar as saudades da grama de Wimbledon. Ainda aproveitou para meter uma bola no meio do gol de Casillas e outra na arquibancada. Abaixo, o vídeo feito por uns malucos locais, provavelmente asseclas do pessoal do Pânico.

Mais tarde, os dois foram para a Arena de Madrid, onde jogaram um futebol society juntos com seis amigos de cada lado. E ainda bateram umas bolinhas de tênis com os colegas. Quem quiser ver o papelão de alguns boleiros, o gol de placa de Nadal e ainda a bola que tomou no meio das canetas do “amigo” Ramos, assista ao vídeo abaixo.

Na foto abaixo alguns dos presentes ao evento: à direita de Rafael está seu tio, não o seu treinador, mais Miguel Nadal, zagueirão do Real e da seleção espanhola. À esquerda de Rafa, David Ferrer. Moya de fita preta na cabeça. Casillas montado nas costas de Cannavaro, Bola de Ouro de 2006. Fernando Alonso é o primeiro agachado à esquerda. Ao lado de Cannavaro, o zagueiro Sergio Ramos e ao seu lado o atacante Raul, ambos do Real.

Ainda presente, entre outros, o golfista Sergio Garcia e o ex-zagueirão Fernando Hierro, Diarrá, Feliciano Lopez e o goleiro argentino Pato Abodanzieri. Ninguém de Barcelona convidado, afinal El Clasico é este fim de semana. No final, o elegante Cannavaro deixa claro quem é o craque.

alonso voa em quadra

Autor: Tags:

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 15:57

o melhor e o pior do gênio em 2007

Compartilhe: Twitter

Estava olhando os meus posts e tenho certeza que ninguém vai reclamar de eu não dar atenção ao tênis feminino. Abaixo está repleto de fatos e fotos de jogadoras. Nada como umas moças bonitas e suas aventuras para manter a atenção dos fãs durante as férias tenísticas. Nada? Acho que o pessoal quer saber um pouco do que aconteceu de bom em 2007 e o que vai acontecer de melhor ainda em 2008.

O melhor de 2007 foi, mais uma vez, Roger Federer. Às vezes não tenho a certeza de que as pessoas têm clara a sorte envolvida em sermos contemporâneos desse tenista. Além de trazer para as quadras o melhor do tênis clássico, com um estilo plástico e eficiente, Federer é o esportista que qualquer esporte pediu a Deus. Excelente postura, dentro e fora das quadras, capacidade de jogar o seu melhor nos momentos cruciais, confiança e segurança em todos os momentos dos torneios e um cavalheirismo – com colegas, imprensa e público – que espelha o que esperamos de um tennis player.

O melhor de Federer em 2007 foi a sua capacidade em manter-se no topo do ranking pelo quarto ano seguido. Segundo ele, o melhor dia do ano foi o da final de Wimbledon, quando conquistou o título pela quinta vez consecutiva. Especialmente considerando a expectativa que existia para o confronto contra seu maior rival, Rafael Nadal, e a partidaça só sendo resolvida em cinco sets.

Foi esse mesmo rival que lhe trouxe também o momento mais frustrante da temporada; a final de Roland Garros. São duas derrotas seguidas na final de Paris para o mesmo adversário. E Federer sabe muito bem que, para não haver dúvidas de quem é o melhor tenista da história, ele terá que vencer no saibro de Paris. Enquanto não o fizer, o fantasma de Rod Laver – que conquistou o Grand Slam em duas ocasiões, sendo que foi obrigado a não jogar os quatro torneios durante seis temporadas – rondará suas ambições.

O pior resultado de 2007, um fato um tanto quanto esquecido pelos analistas, foi sua derrota para o italiano Volandri na segunda rodada de Roma. A conseqüência foi o término da parceria com o técnico Tony Roche, a mudança do planejamento para Roland Garros e Wimbledon e o abalo momentâneo na sua confiança. Mesmo assim, o suíço ganhou mais de U$10 milhões e oito títulos no ano. E com seu 12º título no G.Slam aproximou-se do recorde de Pete Sampras de 14. Um recorde que pode cair em 2008.

silêncio – um gênio em quadra

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 15:57

o melhor e o pior do gênio em 2007

Compartilhe: Twitter

Estava olhando os meus posts e tenho certeza que ninguém vai reclamar de eu não dar atenção ao tênis feminino. Abaixo está repleto de fatos e fotos de jogadoras. Nada como umas moças bonitas e suas aventuras para manter a atenção dos fãs durante as férias tenísticas. Nada? Acho que o pessoal quer saber um pouco do que aconteceu de bom em 2007 e o que vai acontecer de melhor ainda em 2008.

O melhor de 2007 foi, mais uma vez, Roger Federer. Às vezes não tenho a certeza de que as pessoas têm clara a sorte envolvida em sermos contemporâneos desse tenista. Além de trazer para as quadras o melhor do tênis clássico, com um estilo plástico e eficiente, Federer é o esportista que qualquer esporte pediu a Deus. Excelente postura, dentro e fora das quadras, capacidade de jogar o seu melhor nos momentos cruciais, confiança e segurança em todos os momentos dos torneios e um cavalheirismo – com colegas, imprensa e público – que espelha o que esperamos de um tennis player.

O melhor de Federer em 2007 foi a sua capacidade em manter-se no topo do ranking pelo quarto ano seguido. Segundo ele, o melhor dia do ano foi o da final de Wimbledon, quando conquistou o título pela quinta vez consecutiva. Especialmente considerando a expectativa que existia para o confronto contra seu maior rival, Rafael Nadal, e a partidaça só sendo resolvida em cinco sets.

Foi esse mesmo rival que lhe trouxe também o momento mais frustrante da temporada; a final de Roland Garros. São duas derrotas seguidas na final de Paris para o mesmo adversário. E Federer sabe muito bem que, para não haver dúvidas de quem é o melhor tenista da história, ele terá que vencer no saibro de Paris. Enquanto não o fizer, o fantasma de Rod Laver – que conquistou o Grand Slam em duas ocasiões, sendo que foi obrigado a não jogar os quatro torneios durante seis temporadas – rondará suas ambições.

O pior resultado de 2007, um fato um tanto quanto esquecido pelos analistas, foi sua derrota para o italiano Volandri na segunda rodada de Roma. A conseqüência foi o término da parceria com o técnico Tony Roche, a mudança do planejamento para Roland Garros e Wimbledon e o abalo momentâneo na sua confiança. Mesmo assim, o suíço ganhou mais de U$10 milhões e oito títulos no ano. E com seu 12º título no G.Slam aproximou-se do recorde de Pete Sampras de 14. Um recorde que pode cair em 2008.



silêncio – um gênio em quadra

Autor: Tags:

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 16:30

bandidagens

Compartilhe: Twitter

Não é só no Brasil que temos problemas bizarros com segurança. A Rússia, pós derrocada do comunismo, também tem severas questões nessa área. O problema da jogatina que vem perturbando o circuito, quase sempre envolvendo tenistas da antiga Cortina de Ferro, não é algo isolado. Atualmente, na Europa e começando nos EUA, a máfia russa já é mais aterrorizante do que a decadente máfia siciliana.

A mais recente vítima no tênis é Anna Chekvatadze, 20 anos, coisinha linda de ver jogar e atual 6ª do ranking. E não estou só me referindo aos dotes plásticos da moça. Na verdade, considero Anna seja um dos maiores talentos no circuito, batendo na bola com extrema facilidade, de ambos os lados, ao mesmo tempo em que é dona de uma personalidade semelhante a de Federer em quadra. Tranqüila, confiante, altiva, sem estrelismos e sem se perturbar nos momentos difíceis.

A má notícia é que a casa dos pais da tenista, nos arredores de Moscou, foi assaltada por bandidos encapuzados que aplicaram uns safanões no pai e amarraram o resto da família, incluindo a jogadora. Levaram cerca de U$200 mil em objetos e valores. Parece que os russos gostam de deixar um troco debaixo do colchão. No Brasil quem passou por problema semelhante foi Ricardo Mello, que viu sua namorada ser seqüestrada, de dentro de casa, por bandidos armados com metralhadora. Felizmente, após o susto e breve negociação com os bandidos, tudo terminou bem. Mas não comparem esses incidentes com, por exemplo, a caso da mãe do Robinho, que é bem uma outra história. E quem quiser que conta essa.

Abaixo uma foto de Anna, tenista que prefere deixar sua raquete falar por ela. A melhor das opções.


anna chakvetadze

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 16:30

bandidagens

Compartilhe: Twitter

Não é só no Brasil que temos problemas bizarros com segurança. A Rússia, pós derrocada do comunismo, também tem severas questões nessa área. O problema da jogatina que vem perturbando o circuito, quase sempre envolvendo tenistas da antiga Cortina de Ferro, não é algo isolado. Atualmente, na Europa e começando nos EUA, a máfia russa já é mais aterrorizante do que a decadente máfia siciliana.

A mais recente vítima no tênis é Anna Chekvatadze, 20 anos, coisinha linda de ver jogar e atual 6ª do ranking. E não estou só me referindo aos dotes plásticos da moça. Na verdade, considero Anna seja um dos maiores talentos no circuito, batendo na bola com extrema facilidade, de ambos os lados, ao mesmo tempo em que é dona de uma personalidade semelhante a de Federer em quadra. Tranqüila, confiante, altiva, sem estrelismos e sem se perturbar nos momentos difíceis.

A má notícia é que a casa dos pais da tenista, nos arredores de Moscou, foi assaltada por bandidos encapuzados que aplicaram uns safanões no pai e amarraram o resto da família, incluindo a jogadora. Levaram cerca de U$200 mil em objetos e valores. Parece que os russos gostam de deixar um troco debaixo do colchão. No Brasil quem passou por problema semelhante foi Ricardo Mello, que viu sua namorada ser seqüestrada, de dentro de casa, por bandidos armados com metralhadora. Felizmente, após o susto e breve negociação com os bandidos, tudo terminou bem. Mas não comparem esses incidentes com, por exemplo, a caso da mãe do Robinho, que é bem uma outra história. E quem quiser que conta essa.

Abaixo uma foto de Anna, tenista que prefere deixar sua raquete falar por ela. A melhor das opções.



anna chakvetadze

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 02:18

matando as saudades

Compartilhe: Twitter

Depois de muito viajar, cheguei. Estou em Delray Beach, a poucos quarteirões de onde Ricardo Mello venceu, em 2004, o seu único ATP Tour. Não deixa de ser um local histórico. É um parque, a poucos metros da praia, mantido pela prefeitura. Vale lembrar que isso aqui é uma cidadezinha, pelo menos em tamanho. O parque tem várias quadras de har-tru – uma quadra de terra verde – e um ótimo estádio permanente. Aliás, fica aqui, pela milionésima vez, a pergunta. Por que nós não temos um? Nem em São Paulo! É uma vergonha. Estádios de futebol tem mais do que chuchu na serra. E ainda vamos fazer outros. E destruir alguns, já que grana não falta para eles.

Esta área é realmente especial para os brasileiros. Foi a poucos kms daqui que Luiz Mattar conquistou o seu sétimo, e último, ATP Tour, em 1994, em Palm Springs. Foi o único título de Mattar no saibro vermelho, e um dos quais ele tem o maior orgulho. Foi jogado em condições adversas, incluindo dores no pulso que meses depois seriam a causa do término de sua carreira. Àquela altura, Mattar já sabia que sua carreira estava perto do fim e um título fora do Brasil, e no saibro, era uma questão de honra. Como caráter, personalidade, garra e coragem nunca faltaram a esse tenista, contra todas as apostas ele ficou com o título. Vou ver se dou um pulo lá para matar as saudades. E para as saudades do Nico Mattar, abaixo a foto oficial do homem que hoje é CEO de uma das maiores empresas de informática do Brasil.

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 02:18

matando as saudades

Compartilhe: Twitter

Depois de muito viajar, cheguei. Estou em Delray Beach, a poucos quarteirões de onde Ricardo Mello venceu, em 2004, o seu único ATP Tour. Não deixa de ser um local histórico. É um parque, a poucos metros da praia, mantido pela prefeitura. Vale lembrar que isso aqui é uma cidadezinha, pelo menos em tamanho. O parque tem várias quadras de har-tru – uma quadra de terra verde – e um ótimo estádio permanente. Aliás, fica aqui, pela milionésima vez, a pergunta. Por que nós não temos um? Nem em São Paulo! É uma vergonha. Estádios de futebol tem mais do que chuchu na serra. E ainda vamos fazer outros. E destruir alguns, já que grana não falta para eles.

Esta área é realmente especial para os brasileiros. Foi a poucos kms daqui que Luiz Mattar conquistou o seu sétimo, e último, ATP Tour, em 1994, em Palm Springs. Foi o único título de Mattar no saibro vermelho, e um dos quais ele tem o maior orgulho. Foi jogado em condições adversas, incluindo dores no pulso que meses depois seriam a causa do término de sua carreira. Àquela altura, Mattar já sabia que sua carreira estava perto do fim e um título fora do Brasil, e no saibro, era uma questão de honra. Como caráter, personalidade, garra e coragem nunca faltaram a esse tenista, contra todas as apostas ele ficou com o título. Vou ver se dou um pulo lá para matar as saudades. E para as saudades do Nico Mattar, abaixo a foto oficial do homem que hoje é CEO de uma das maiores empresas de informática do Brasil.

Autor: Tags:

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 Tênis Masculino | 15:30

por que do blog?

Compartilhe: Twitter

Antes que eu acabe ganhando a fama de fofoqueiro, adianto que aproveito o fato deste blog ter sido lançado durante as férias do circuito, para colocar alguns assuntos mais amenos para os meus novos leitores. É uma boa época também para me familiarizar com as ferramentas e o perfil que desejo dar ao blog. Mas, assim que o circo voltar a pegar fogo, estarei comentando o que acontece nas quadras, e perto delas, lá fora, assim como por aqui. Vou falar também sobre a parte técnica, o glamour, o pitoresco, as inside informations e a minha filosofia do esporte.

Não que eu vá abrir mão de postar coisas mais leves sobre o nobre esporte, assim como será possível o leitor acompanhar assuntos paralelos, do meu, do nosso dia a dia, como já fazia nas minhas colunas no O Estado de São Paulo e no Jornal da Tarde. Enfim, um pouco de tudo que sou estará por estas páginas. Só espero não torná-las um confessionário e sim algo que possa entreter, a mim e, especialmente, aos que me visitarem.

Adianto também que em breve estarei fazendo uma retrospectiva sobre 2007, quando a participação dos leitores será, mais uma vez, bem vinda. Na verdade, se não fosse pela oportunidade de interagir com os leitores dificilmente teria assumido esta tarefa a qual fui convidado pelo IG. Assim, a participação de vocês é sempre bem vinda.

Hoje embarco para os EUA, de onde estarei postando diariamente. Vocês só terão que me dar um tempo para chegar lá e me instalar. Coisa de um dia. Algumas dicas para a Florida?

Autor: Tags:

Tênis Masculino | 15:30

por que do blog?

Compartilhe: Twitter

Antes que eu acabe ganhando a fama de fofoqueiro, adianto que aproveito o fato deste blog ter sido lançado durante as férias do circuito, para colocar alguns assuntos mais amenos para os meus novos leitores. É uma boa época também para me familiarizar com as ferramentas e o perfil que desejo dar ao blog. Mas, assim que o circo voltar a pegar fogo, estarei comentando o que acontece nas quadras, e perto delas, lá fora, assim como por aqui. Vou falar também sobre a parte técnica, o glamour, o pitoresco, as inside informations e a minha filosofia do esporte.

Não que eu vá abrir mão de postar coisas mais leves sobre o nobre esporte, assim como será possível o leitor acompanhar assuntos paralelos, do meu, do nosso dia a dia, como já fazia nas minhas colunas no O Estado de São Paulo e no Jornal da Tarde. Enfim, um pouco de tudo que sou estará por estas páginas. Só espero não torná-las um confessionário e sim algo que possa entreter, a mim e, especialmente, aos que me visitarem.

Adianto também que em breve estarei fazendo uma retrospectiva sobre 2007, quando a participação dos leitores será, mais uma vez, bem vinda. Na verdade, se não fosse pela oportunidade de interagir com os leitores dificilmente teria assumido esta tarefa a qual fui convidado pelo IG. Assim, a participação de vocês é sempre bem vinda.

Hoje embarco para os EUA, de onde estarei postando diariamente. Vocês só terão que me dar um tempo para chegar lá e me instalar. Coisa de um dia. Algumas dicas para a Florida?

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 220
  3. 230
  4. 240
  5. 249
  6. 250
  7. 251
  8. 252
  9. 253
  10. Última