Publicidade

Arquivo da Categoria Tênis Feminino

quinta-feira, 3 de junho de 2010 Tênis Feminino | 23:01

Doeu.

Compartilhe: Twitter

Já vi muita estória mal contada, mas esse abandono da Elena Dementieva é uma uva. A moça jogou um set inteiro sem mostrar um sinal de dor. Não chamou fisioterapeuta em quadra uma única vez. Nas entrevistas, explicou que as dores eram na panturrilha e que não dava para sequer andar!?? Correu atrás de tudo até o fim do set! Uma jornalista a interpelou na entrevista, dizendo que falara com sua mãe/técnica momentos antes e que esta dissera que o problema é no tornozelo. Elena retrucou “não quero entrar em detalhes, vamos deixar pela panturrilha.” Dois dias atrás ela usou uma faixa na coxa – hoje usou um emplastro na panturrilha. Está certo que a panturrilha é perto do tornozelo, mas não é a mesma coisa, nem de longe. Para mim a “contusão” é mais para cima. O problema não é meu, nem a perna é minha, e não posso fazer suposições. Mas posso escrever algo, afinal, era a semifinal de um Grand Slam, com um estádio lotado e TV para o mundo inteiro e não deveria ser assim como foi.

Elena – não dava para andar?!

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010 Light, Tênis Feminino | 14:58

Votos

Compartilhe: Twitter

Aninha Ivanovic está mais perdidinha do que cego em tiroteio. Não sabe se treina ou posa para algum fotografo famoso. Não sabe se seu futuro é o de uma Graf ou o de uma Kournikova. Faz as contas no fim do dia e descobre que ganha mais com contratos do que com jogos – o pior é que quem faz as contas dela deve ser algum manager que só ganha porcentagem de contratos e não de prêmios.

Seguindo a tradição futebolista, e não tão rara também no tênis, Aninha vai trocando de técnico, porque a culpa só pode mesmo estar em alguém mais, porque todo tenista é perfeito – a Aninha um pouco mais. Mas está chegando a hora de dar um jeito na vida, porque senão o pessoal vai começar a escolher outras para fotografar e pagar. Uma coisa é a primeira do mundo bonitinha e gostosinha. Outra é a #23. Dessas tem várias.

Depois de inúmeras tentativas, algumas verdadeiras piadas, a sérvia elegeu o suíço Heinz Gunthardt, que foi um bom tenista, especialmente nas duplas, para lhe dizer qual é o seu problema. O rapaz treinou Steffi e Jennifer Capriati. A primeira deixaria qualquer técnico com fama de bom, a segunda, quando tentou enquadrá-la não funcionou.

Já ficam os meus votos que a parceria possa salvar a carreira dessa excelente e jovem tenista que já foi #1 do mundo e agora, em poucos meses, perdeu o foco e a confiança e viu seu ranking despencar para para #23. O tênis, como um todo, agradeceria.

ana-ivanovic-relaxAninha treinando.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

gunta                                                                                                                                      Gunthardt e sua Kneissl, o salvador??

Autor: Tags:

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010 Light, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 20:55

Mordomia

Compartilhe: Twitter

Enquanto a israelense Sharar Peer volta aos Emirados Árabes para competir e fazer uma declaração política a sua moda – aceitando com isso ficar restrita ao seu quarto e ao clube, assim mesmo sob proteção policial, sendo que ninguém mais pode entrar no andar de sua habitação, o que deve estar custando uma bela grana a alguém, e ela é que não está morrendo com essa conta – Jelena Jankovic passa a fazer parte de um seleto grupo, entre eles Roger Federer e Tiger Woods, que recebem todo o tipo de facilidade para fazer de Dubai a sua base. (Ufa, este deve ser uma das mais longas frases deste Blog).

jelena dubaiJelena – agora em Dubai.

 

Há anos Federer treina por lá, pelas mesmas razões que Jelena aceitou o convite. Clima excelente o ano inteiro, hospitalidade gratuita, não duvidaria se as passagens fizessem parte do pacote, além do “tapete vermelho” oficial que deve incluir coisas que eu não sei. Mordomia é bom e todo mundo gosta. Só não sei se a mordomia forçada, tipo a da israelense, é absolutamente bem vinda e a melhor das idéias.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010 Tênis Feminino, Tênis Masculino | 19:22

Iscas

Compartilhe: Twitter
As chinesas Zheng Zie e Li Na

As chinesas Zheng Zie e Li Na

Fugir da madrugada e fazer os comentários na TV logo cedo tem lá suas vantagens e desvantagens. Hoje perco as semifinais femininas e faço, às 6:30, a primeira semifinal masculina; Marin Cilic x Andy Murray. Vocês decidam se foi para o bem ou para o mal.

O Federer, que é cabeça de chave 1 vai ter um dia a menos de descanso para a final. Os dois jovens, que ainda buscam seu 1º título de GS vão brigar para ver quem vai à final. Murray já esteve lá, no U.S. Open 08 e perdeu. Cilic nunca jogou uma semifinal.

Tênis por tênis Murray está mais adiantado e tem mais recursos. Mas como todos devem ter percebido por agora, só isso não basta na hora da onça beber água em um GS.

Murray tem muito mais a perder e mais pressão. Não sei quantos jornais tem na Croácia, mas sei quantos jornalistas ingleses viajam o circuito em tempo integral. E eles não alisam nem um pouco nas expectativas.

Cilic tem o salutar hábito de jogar em cima da linha e apurando o adversário. Isso pode ou não atrapalhar Murray. Depende da tática escocesa. Provavelmente vamos ver Murray variando a altura da bola e balões não estão descartados. Será que ele vai ficar jogando iscas ou vai atacar?

Dos quatro confrontos entre eles Murray venceu três. Um em Copa Davis, na grama, um em Roland Garros e outro em Madrid, na dura. Perdeu a ultima, no U.S. Open. Avaliem como quiserem.

Um dia os apressados fãs do Davydenko, ou seriam os secadores do Federer?, vão aprender uma ou duas coisas sobre a hora da onça beber água no circuito. Doha é uma coisa, Grand Slam é outra. Três sets é uma realidade, cinco é outra. Por isso, e por outras, nunca vou concordar com a mudança, pedidas por alguns poucos, de três sets em GS.

A cada torneio jogado eu fico pensando com meus botões se o Djoko vai conseguir ganhar outra GS. Sei não. Agora ele deixou em casa o ex-técnico Vajda e trouxe o Todd Martin. Não vi nenhuma melhora que explicasse a decisão. Ele disse que vai variar de técnico, o que é inédito. Pelo o que a cabeça dele aprontou hoje eu não sei se é a melhor opção. Djoko, que abandonou a quadra no ano passado contra Rodick, também nas quartas, quando defendia o título, disse que teve diarréia antes do jogo e vomitou no vestiário no meio da partida. Mas disse que só comeu pasta?? Se desculpa ganhasse jogo conheço um caminhão de gente lá no clube que seriam campeões de Wimbledon.

Essa Azarenka é uma casca de ferida de primeira grandeza. A moça só tem uma coisa na cabeça – e não é o que alguns marmanjos estão a pensar – é atacar toda e qualquer bolinha que passe na frente dela. Ainda vai ganhar o seu GS. Só quero ver quantos.

O Google que se cuide por que a ESPN vai rocknroll na China esta noite. Duas chinesas nas semifinais. É certo que nenhuma das duas é a favorita, mas acabaram com a festa da Venus, Wozniacki, Hantuchova, Szavai, Kirilenko, Bondarenko, Bartoli etc. Qual será a audiência da TV chinesa?

Autor: Tags: , , , , ,

domingo, 24 de janeiro de 2010 Tênis Feminino | 13:13

Travada

Compartilhe: Twitter

Infelizmente me parece que terei problemas com minhas costas para o resto dos meus dias. Jogar sem dores é uma experiência quase Nirvânica, tamanho o incômodo que é jogar com dores, o que resulta sempre em um travamento das costas e regiões periféricas. Por isso estendo meus sentimentos à Dinara Safina, #2 do mundo vice-campeã do AA de 2008, que por conta disso defendia um caminhão de pontos que agora vê ir para o ozônio.

Dinara enfrentava, pelas oitavas de final, Maria Kirilenko, outra russa, que já havia derrotado Maria Sharapova, quando as dores se tornaram insuportáveis e limitadoras, já que um tenista “travado”, mal pode bater na bola ou sacar e nem pensar em abaixar.

Dinara estava jogando bem e me pareceu mais em forma do que qualquer outro momento da carreira. Mas fez bem em parar, porque dores nas costas são as mais delicadas e, infelizmente, um prenuncio de mais dores no futuro.

TENNIS-OPEN/

Dinara, em forma, porém com dores.

Autor: Tags: ,

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010 Tênis Feminino | 18:27

Explica?

Compartilhe: Twitter

O que é pior, perder jogando bem ou perder jogando mal? Perder conseguindo colocar em prática tudo para o qual se preparou e trabalhou e ver seus esforços naufragarem na praia por conta da superioridade do oponente, ou ser derrotado por adversário quiçá mais fraco que saiba aproveitar a oportunidade em função de um daqueles seus dias onde nada dá certo, onde o coração simplesmente não bate, por mais esforço que se faça, onde todas as tentativas se mostrem infrutíferas por algum desígnio superior? Está é a questão colocada por Kim Clijsters em entrevista após a sua estranha e inesperada derrota para Nadja Petrova.

Já ouvi variantes dessa mesma colocação em conversas de tenistas. Assim como já ouvi um dos meus tenistas afirmar que preferia perder na 1ª rodada que numa final.

Não sei, assim como ela não sabe, assim como ela afirma que seu técnico não sabe, e o maridão menos ainda, a razão da incrível derrota por 6/0 6/1 em jogo que era a favorita, assim como era uma das favoritas ao título após vencer o Aberto dos EUA.

O que posso escrever, correndo os riscos de quem faz suposições, são nada mais do que idéias.

O Aberto da Austrália é o evento do circuito mais emocional para a belga, que desde menina é adorada pelo povo de lá, pela sua simpatia e por ter sido namorada/noiva de Lleyton Hewitt, o maior ídolo do tênis australiano na década.

Era também um torneio emocional por ser o torneio seguinte a inesperada conquista no U.S. Open. A expectativa agora era infinitamente maior na mesma proporção de que em N. York era inexistente. Só que em N. York ela jogou como se não tivesse se afastado uma semana sequer do circuito e hoje ela jogou como se tivesse ficado dois anos longe das competições, casado, tido uma filha e com 1000 coisas em sua mente.

Como um grande incêndio pode começar com uma pequena faísca, chamo a atenção para o fato que Petrova sacou e fez 1 x 0, normal; Clijsters sacou, fez 40×0, perdeu cinco pontos seguidos, anormal; e aí ficou nove games sem vencer, bota anormal nisso e, no final, perdeu para a Petrova por 6/0 6/1, totalmente inesperado. O tênis, assim como a mente humana, é uma ciência menos exata do que se imagina.

TENNIS-OPEN/

Kim Clijsters – sem poder explicar.

Autor: Tags:

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010 Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 15:32

Nada Real

Compartilhe: Twitter

Nada de muito interessante aconteceu no Aberto no dia de hoje. A não ser que considerem a visita do príncipe britânico digno de nota. O rapaz parecia mais encabulado do que Federer, que foi escolhido por Jim Courier para fazer as honras da casa e apresentar o Principe William ao mundo do tênis. Já vi o Federer mais a vontade em quadra. E o Principe também.

Apesar de não ser lá grande coisa, com certeza melhor do que a nota acima, a derrota mais uma vez prematura de Ana Ivanovic, desta vez para a argentina Dulko. A moça tem sérias decisões a fazer na carreira e na vida. Um terapeuta, please..

O incidente com Marcos Daniel foi esclarecido e nenhuma surpresa aqui. Um colombiano encheu o saco do tenista, que sempre foi um cara educado dentro e fora das quadras, durante toda a partida. Houve bate boca no final da partida, mas Marco sequer chegou perto do idiota, pois foi impedido. A organização deu o caso como encerrado, após o próprio tenista colombiano depor a seu favor. Mais de 60 pessoas já foram expulsas do recinto nesta edição do AA por má conduta. É de longe o evento que mais tem problemas nesse departamento.

O Tipsarevic é um mágico, mas não conseguiu tirar a vitória da cartola contra o Haas. O sérvio não tem tamanho, nem talento, nem bolas. Mas tem coração e está entre os 40 melhores há anos.

Davydenko 6/3 6/3 6/0 no ucraniano Marchenko. Até onde irá essa avalanche do rapaz? O Youzhni, após os 5 sets com o Gasquet, enfiou 2,1,1 no Hajek. O Federer estava esperto, após as dificuldades com Andreev – fazia seis anos que ele não perdia um set na 1ª rodada de um GS – e não deixou a emoção passar perto de sua quadra.

Como eu disse acima, nada digno de nota, especialmente após as partidaças de ontem.

Amanhã, com Cljisters x Petrova, Henin x Kleibanova, Monfils x Isner, Cilic x Wawrinka as emoções devem melhorar, pelo menos um pouco. Em compensação, sou capaz de ter de encarar Safina x Baltacha, Zeng x Bartoli, Murray x Serra e Karlovic x Ljiubicic (clássico!). É na rodada seguinte que o bicho deve começar a pegar.

TENNIS-OPEN

Principe William – envergonhado ao ser apresentado por Federer ao público e nos bastidores.

TENNIS-OPEN

 

 TENNIS-OPEN

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 19 de janeiro de 2010 Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 17:25

Austrália na TV ESPN

Compartilhe: Twitter

Os canais ESPN (ESPN E ESPN-HD e ESPN-BRASIL) confirmam que devem mostrar a partida entre o paulista Thomaz Bellucci e Andy Roddick. A partida deve começar perto da meia noite. Tambem deve ser mostrada as partidas entre Delpo e Blake e Nadal e Lacko, entre outras.

Amanhã, às 6hs a ESPN mostra Henin x Dementieva, um partidaço logo na 2a rodada. Tambem devemos ver, entre outras, Murray x Gicquel e Cilic x Tomic, a nova sensação australiana.

Autor: Tags:

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010 Tênis Feminino | 10:17

Zebrinha?

Compartilhe: Twitter

Pode ser que a maioria dos fãs veja a derrota da Maria Sharapova como uma grande zebra. Acontece que a Maria Kirilenko sempre foi uma das tenistas mais talentosas e com um dos arsenais mais completos do circuito. Faltou-lhe sempre a motivação e o foco necessário na carreira e nas partidas para se manter entre as melhores, algo que sobra na Sharapova.

Mas jogar na quadra central de um Grand Slam, contra uma tenista da estatura e fama de uma Sharapova é sempre o bastante para motivar e inflamar qualquer que pense ser um tenista profissional. E quando essa tenista tem o gabarito técnico da Kirilenko uma zebra pode cruzar a linha.

Foi o que aconteceu. Para quem acompanhou a partida, pode ter percebido o momento que definiu a partida. Com 4×2 no tie-break do primeiro set, Sharapova, seguindo uma nova orientação em seu estilo, tentou uma ida à rede, local onde sempre teve dificuldades, e acabou se confundindo e perdendo o ponto. Deu para ver que ela ficou, por alguns pontos, fora de si, perdeu a confiança que vinha mostrando, perdeu cinco pontos seguidos e colocou a adversária no jogo.

Interessante foi a postura de Sharapova na entrevista à imprensa, com quem ela nunca teve o melhor dos relacionamentos, mostrada pela ESPN logo após a derrota. Ela disse que não vai ser uma derrota que vai impedi-la de fazer o que gosta (jogar tênis). E até aí ninguém duvida, até porque ninguém abdica de uma carreira por conta de uma derrota. Mas então, levantando o narizinho e lançando a cabeça para cima enquanto lançava um sorriso sarcástico, soltou com um uma ênfase inconfundível de desafio: vocês vão ver! Bem ninguém duvida, até porque nunca me passou pela cabeça que ela iria agora querer ser dentista ou bióloga; mas precisava aquele tipo de postura que beira a arrogância como se o mundo fosse seu inimigo? E venham os fãs da moça.

nike-sharapova

Sharapova – prematuramente fora.

Autor: Tags:

terça-feira, 12 de janeiro de 2010 Tênis Feminino, Tênis Masculino | 22:00

Curtas

Compartilhe: Twitter

Depois de oito meses longe das competições, David Nalbandian volta a jogar e na sua primeira partida sente uma contusão no abdômen. Certas coisas, e pessoas, não mudam. Depois de tanto tempo seria de se esperar que o rapaz voltasse protegido fisicamente, mas…

Se a final de Brisbane, entre as belgas Henin e Clijsters for um sinal do que vem por aí, as tenistas da Europa Oriental vão ter que contratar psicólogos ambulantes para acertarem suas cabecinhas. Está certo que as belgas são ótimas e fizeram uma final emocionante e tecnicamente elevada, mas ficarem fora do circuito um tempão. Voltam dominantes e colocando as adversárias para correr. Essa realidade diagnostica algo errado com o tênis feminino.

Só para comparar os dois comentários acima, Henin sentiu o glúteo após uma chegar a uma final que só foi decidida no tie-break do terceiro set. Ou seja, se preparou fisicamente para voltar.

E os Politicamente Corretos atacam novamente. O Comitê Ético do Tênis suspendeu a russa Ekaterina Bychkova por 30 dias, vai perder o Aberto da Austrália, e aplicou-lhe multa de U$5 mil dólares. A razão? Ela teria recebido algum tipo de proposta para entregar uma partida e não reportou oficialmente o fato.

Imediatamente pessoas como John McEnroe – que é o Caetano Veloso do tênis, e tem uma opinião sobre tudo – e Svetelana Kuznetsova caíram de pau. Svetlana disse que nunca foi informada sobre a obrigação de dedurar quando assediada para entregar partidas. E adiantou que nos vestiários outras tenistas afirmam o mesmo. Perguntada se já foi assediada respondeu: “e vou falar alguma coisa para ser suspensa?!”

A WTA e a FIT insistem que elas todas foram informadas sim senhora, tanto que suspenderam a russa para servir de exemplo. Pau na Ekaterina, enquanto isso a Serena, que ameaçou engasgar uma juíza, não foi suspensa um dia sequer.

O fato é que não é nenhum segredo que quem faz esse tipo de proposta é criminoso e criminoso não vê com bons olhos ser dedado. Por isso, os tenistas ficam com o pé atrás. Vocês têm idéia do que é a Máfia Russa? A Ekaterina deve ter. Estamos sempre lendo sobre o assunto e nunca ninguém foi preso por assediar. Lembro que até o Flávio Saretta falou, sem papas na língua, ter sido assediado.

No caso, concordo com McEnroe. O assunto está sendo focado nos tenistas. O assunto deveria ser focado tanto nessa vergonha ser permitida sem nenhum problema mundo afora, como, principalmente, os criminosos que assediam tenistas.

TENNIS-WOMEN/THAILANDEkaterina – sobrou para ela.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 10
  3. 20
  4. 28
  5. 29
  6. 30
  7. 31
  8. 32
  9. Última