Publicidade

Arquivo da Categoria Tênis Brasileiro

quinta-feira, 28 de maio de 2015 Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino | 10:00

O uniforme e a nova Teliana

Compartilhe: Twitter

Eu estava me divertindo na quadra 1, acompanhando o clássico entre Berdich e Stepanek, que alias estava um jogao, quando, ao final do 3o set, me pareceu hora de ir para a quadra 2 assistir o jogo da Teliana Pereira. Quando chegamos estava no intervalo e o publico se instalando. Ali sempre existe uma fila danada e nessa hora a credencial ajuda bastante. O pessoal da manutenção terminava de regar a quadra vermelha, os juízes chegavam e os pegadores de bola faziam, na lateral da quadra, suas acrobacias de aquecimento.

De repente, entra na quadra, toda de preto, como se fosse a amante do Darth Vader, a Aninha Ivanovic. A moça fica bem de qualquer angulo e em qualquer cor. Mas, convenhamos, jogar tênis na primavera de Paris de preto é um tanto estranho.

O preto é a cor que a Adidas escolheu para vestir seus tenistas em Roland Garros, algo um tanto incompreensível, a nao ser para os gênios que ficam dentro de alguma sala ditando a moda global. O torneio em Paris é jogado exatamente quando o tempo começa a esquentar em Paris e o preto em esportes só faz sentido quando usado indoors ou no frio – nenhum dos casos em Roland Garros. Para quem nunca pensou no assunto, roupa escura segura o calor e é algo que atletas evitam usar durante longos períodos debaixo do sol como é o caso dos jogos de tênis.

Somos todos escravos da moda? De um jeito ou de outro, conscientes ou nao, a resposta é sim. É uma industria poderosíssima, que gira bilhões de dólares anualmente, inclusive dentro dos esportes, onde é a maior patrocinadora dos atletas. Por isso eles se sujeitam ao que vem de cima, gostem ou nao. Alguns poucos tem um pequeno input ou alguma musculatura para dizer, querer ou vetar algo. A esmagadora maioria se curva ao peso do checao. Entre os que já vi que estao de preto total estao Aninha, Tsonga e Murray. O interessante é que a Wozniack, também patrocinada pela Adidas, nao estava de preto, por conta de usar a linha da Stella Mcartney que, como filha de um Beatle, nao entrou nessa fria.

Mas o uniforme que causou mais tititi do que o dos atletas foi o das pegadoras de bola. O dos meninos pegadores é só uma questao de cor e o mesmo problema acima. O das meninas é algo distinto. Ele tem sido o mais comentado, ainda mais pelo corte do que pela cor. Elas estao usando uma regata preta, que deixa ombros e costas expostas, uma saia preta com pregas largas e meias 3/4 pretas com listas brancas, o que deixam, junto com as costas expostas, as meninas fortes e, de alguma maneira, sexys – mas estranhas. A conversa é que o uniforme ficou no mínimo estranho, mas há quem goste, depende do gosto. Mas se uma das metas era chamar atençao, fazer um statement, o objetivo foi conquistado.

Apesar do meu fraco pela a Aninha, mesmo de preto, logo tratei de acessar o aplicativo de RG no telefone e descobrir onde tinham colocado a partida de Teliana. Quadra 17! Exatamente a ultima quadra no extremo oposto do complexo de Roland Garros. Após longa caminhada, quando cheguei o jogo já rolava e as arquibancadas quase cheias, um padrao no atual Roland Garros.

O que vi por lá? Uma Teliana que cresceu barbaridades. A moça me lembrou a árvore dos feijões mágicos do Joaozinho. No ano passado Teliana era uma passadora de bola sem grandes perspectivas e, parecia, sem maiores ambiçoes de crescer tecnicamente. Seu jogo e estilo tinha algumas deficiencias de formaçao técnica, especialmente no saque. Sua esquerda sempre foi sólida, mas a direita era instável, soft e nao machucava.

O feijao cresceu. Primeiro, a moça está forte e veloz, o que suas costas e pernas evidenciam. A maneira como está chegando nas bolas é o trampolim para o que vem conquistando em termos de resultados. Além disso, tenta melhorar o serviço, acelerando mais, mesmo enfrentando a dificuldade técnica de origem. Sua direita progrediu barbaridades e é o que a está levando a outro patamar. Deixa de ser uma passadora de bola, para fugir da esquerda, entrar na quadra, subir nas bolas e atacar, como deve ser feito. Ontem fez isso com determinação e coragem, consequência da confiança adquirida por conta dos inúmeros resultados positivos que vem conquistando. Entrou em outra dimensão tenistica.

Se faltou algo ontem foi quilometragem, especialmente a que se adquire enfrentando tenistas top 10 como Makarova. Com certeza ela saiu da quadra com gostinho de quero mais e de que podia mais. Abraçando a nova fase, de coragem e agressividade, ela abre as portas do possível dentro do circuito. Os tempos no tênis sao de Serenas e nao de Wozniacks.

Autor: Tags:

domingo, 24 de maio de 2015 Juvenis, Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 19:51

Rendez-Vous a Roland Garros

Compartilhe: Twitter

Vir a Paris e cobrir Roland Garros começa pela boa surpresa de encontrar um bom tempo com sol brilhando. É quase uma tradição que a 1a semana é de tempo ainda incerto e um Q de frio e a segunda o sol já abrindo desavergonhadamente. Mas este domingo o sol bombou. No entanto, nao fui a Porte de Auteuil e sim à Champs de Mars, ao lado da Torre Eiffel. Lá aconteceu as finais do “Roland Garros around the World”, evento organizado pela FFT que começou em Sao Paulo, Xangai e Nova Deli. Em cada uma dessas cidades foi escolhido um garoto e uma garota através de um torneio para tenistas até 18 anos. Os vencedores vieram à Paris para um round robin com seus dois adversários. Os vencedores receberam um convite na chave juvenil de RG.

Para a alegria dos brasileiros, Gabriel Decamps passou como um trator pelos oponentes. Perdeu só 8 games nos dois jogos e agora vai pra chave principal juvenil. Como o torneio só começa no fim de semana que vem, vai se juntar à outros brasileiros já na chave que estao treinando em um dos centros de treinamento da FFT. O acerto faz parte de uma das várias parcerias que a CBT fez, e está fazendo, com a FFT.

Decamps, tem 15 anos e 1.90m de altura, porte de tenista atual. É treinado desde os 7 anos de idade por William Kiryakos, um ex tenista que treinei quando juvenil, deve estar todo feliz com as vitórias em Sao Paulo e Paris. Um detalhe interessante é que os pais de Gabriel sao franceses e assim ele e a família, que compareceu em peso, nao se sentiu nem um pouco fora de casa.

A carioca Maria Clara Silva nao teve a mesma sorte e foi eliminada no saldo de sets, já que perdeu para a chinesa e bateu a hindu.

Ao lado da quadra montada no Champs de Mars, a FFT montou um enorme telao, com a torre ao fundo, onde as pessoas pode deitar no gramado, tomar um vinho local, um lanchinho básico e acompanhar os jogos. Fora o cenário.

 

TENNIS - INTERNATIONAUX DE FRANCE 2015

 

Autor: Tags:

sexta-feira, 22 de maio de 2015 Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino | 18:34

Belo e Teliana em Paris

Compartilhe: Twitter

Bellucci chega a Roland Garros nas pontas dos cascos e confiante por conta de seus feitos recentes. O mais recente ir à final em Genebra – o cara gosta mesmo da Suíça – onde vocês saberão o resultado antes de mim que estarei em um avião rumo a Paris.

O quanto isso é bom? É uma faca de dois gumes. O cara vai chegar acreditando ser o rei da cocada preta, o que é ótimo para a confiança e melhor ainda em um Grand Slam. Por outro lado, é uma tradição que nenhum finalista de torneio jogado na semana anterior a RG vai longe neste evento. O cara joga cinco partidas nessa semana e chega um pouco chumbado para jogar cinco sets dia sim, dia nao. Mas duvido que os plano de Bellucci dizem respeito à 2a semana de Paris, quando começam as 4as de finais. Se ele ganhar três rodadas estará em um bom lucro. Mas, como o Belo é um cara imprevisível dentro de sua previsibilidade, nós vamos ficar na torcida para desta vez ele quebrar barreiras e limites em Paris.

Teliana entrou no evento pela próprias pernas, passando pelo qualy, e como bonus pegou uma baba de moça no 1o jogo. Uma francesinha, de 18 aninhos, #326 do ranking que só entrou na chave por convite da FFT. Nao poderia pedir estréia melhor. É só nao se embananar com o fato de jogar contra uma juvenil, que pode fazer qualquer coisa e pressionar alguem que acha que tem mais uma obrigação de ganhar além do fato da estréia. Mas a brasileira anda bem confiante, também por conta de seus recentes resultado, motivada e nunca precisou de ninguém lhe dizer que precisa brigar por cada ponto.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 19 de maio de 2015 Copa Davis, Roland Garros, Tênis Brasileiro | 21:20

That’s life

Compartilhe: Twitter

Os números nao mentem, mas, de vez em quando, surpreendem. Thomaz Bellucci venceu 13 e perdeu 7 partidas desde sua participação, aquém das expectativas, na Copa Davis em Buenos Aires. Já o quase herói entao, Joao Feijao Souza, caminhou na direção oposta a de Bellucci e a esperada por muitos. Nao ganhou nenhum jogo desde entao.

Logo após a derrota em BA as conversas nos clubes giravam em torno de que o Belo nao tinha jeito e o Feijao tinha tomado jeito. Minha mae já dizia que as expectativas matam. E se nao matam machucam.

E porque essas surpresas? Isso eu nao sei dizer. Talvez a Copa Davis mexa mesmo com a cabeça dos tenistas de maneiras que nao podemos sequer imaginar.Talvez possamos imaginar que Feijao goste e se encaixe bem na Davis. Talvez o mesmo nao seja verdade quanto ao Thomas. Se é para adivinhar, os leitores fiquem à vontade e devem ser melhores do que eu.

O que fica claro, mais uma vez, pelo menos pra mim, é o quanto Thomaz Bellucci tem de jogo. Mesmo nao sendo um grande “jogador”, aquele que “sabe” ganhar, tem muitos golpes e poderio para intimidar oponentes. Ele ganha jogo porque dá mais na bolinha do que muito cachorrao por aí. Se tem “deficiências”, elas sao mais emocionais e mentais do que técnicas. Quando está à vontade emocionalmente em uma partida faz os adversários comerem o pao que o diabo amassou.

Feijao, e nao me perguntem porque, tem tido mais dificuldades ainda com seu emocional e mental do que o Belo. Seu jogo é perigoso, saca bem, nao tanto quanto o Belo(tem mais força e menos alternativas, que Belo sub usa). Tem uma direita pesada, nao tanto quanto a do Belo ( e erra mais), e um revés talvez mais vulnerável do que seu colega (que erra bolas inimagináveis desse lado para alguem de seu padrao). Mas a verdade é que continua, no geral, em um patamar inferior a Thomaz. E inferior o bastante o bastante para as tais vitórias de Bellucci e as tais derrotas de Feijao.

Por isso, afirmo: existe muito mais que faz um tenista do que está na frente de nossos olhos. Por mais que o Belo nos faça sofrer, por mais que gostaríamos que fizesse as coisas diferentes quando o vemos na TV, continua sendo nosso melhor tenista, fazendo uma bela carreira, ganhando de muito cara bom, fazendo outros ainda melhores suarem e faturando alto. E fazendo besteiras incompreensíveis. Thats life!

Penso que Joao Szwetsch está fazendo bem ao nosso tenista. Aliás, penso que o Thomaz nunca deveria ter dispensado o rapaz. Mas o tempo passou e pode ser que recuperem pelo menos uma parte do tempo perdido. A partir da semana que vem veremos o que ele, e Feijao, farao em Roland Garros, seu Grand Slam favorito

Quanto ao Feijao, algo poderia/deveria ser feito quanto ao seu mental. E talvez a respeito dos detalhes (nao sao mais do que detalhes-mas é ai que deus e o diabo vivem) de suas carências técnicas. Suas qualidades, e deficiências, técnicas nao mudaram desde a Davis, mas algo nessa competição o inspirou a encontrar o seu melhor. A chave de seu futuro talvez esteja nessa inspiração.

Autor: Tags: ,

domingo, 3 de maio de 2015 Tênis Brasileiro | 14:53

Oswaldo

Compartilhe: Twitter

Durante meus anos de treinador existia uma característica que ao mesmo tempo que me intrigava me dava uma disfarçada ponta de orgulho. Eu sempre tive um bom relacionamento com os pais dos atletas com quem eu trabalhava. Especialmente considerando que pai de atleta é personagem difícil; nao por características de suas personalidades e sim pelo simples fato de serem “pais de tenistas”. De qualquer maneira, me entendia bem com todos eles, sem exceção – uns mais outros menos – a maioria mais. E quase todos – e isso acho importante, para encontrar detalhes em comum entre os caras que conseguem se distinguir em uma carreira, e a carreira do tenista é muito mais difícil e complicada do que imagina a vã filosofia – eram pessoas inteligentes, cativantes, cada um a sua maneira.

Todos eles, sem exceção, tinham uma pauta muito clara o quanto queriam ajudar os filhos. E quase todos sabiam o que podiam ou nao fazer para ajudar, inclusive na árdua decisão de deixar assuntos tenisticos nas maos dos técnicos e nao quererem ter a palavra final aí também.

Nunca treinei Fernando Meligeni. Nosso relacionamento de treinador/jogador se resumiram ao trabalho em competições de Copa Davis e uma Olimpíada, Atlanta, justamente a que ele teve seu melhor resultado, ficando a um set de uma medalha. Se, o início desse relacionamento foi bom, logo desandou e ficou de ruim para pior.

Mas este nao é o assunto aqui. Durante todo esse tempo desenvolvemos, seu pai, Oswaldo, e eu, um relacionamento interessante e cativante. Conversávamos bastante. Mais sobre filosofia de vida do que sobre tênis. Aliás, nossas conversas sobre tênis, no fundo sobre seu filho, eram breves.  Nunca me censurou. Até porque em grande parte concordava; só me pedia paciência. Mas, enquanto eu tinha que administrar um relacionamento de “técnico de Davis/jogador”, ele tinha que administrar o de pai/filho; muito mais importante, prazeiroso e difícil. Mas, como já disse, essas conversas eram breves. Nosso prazer eram em conversar sobre a vida, onde víamos tantas coisas pelo mesmo prisma.

Era uma viagem conversar com ele. Além de ser interessado na vida, era interessado nela pelas coisas que valem a pena, pelo menos em nosso mutuo ponto de vista. Eu achava seus valores afinados com os meus e isso facilitava o dialogo. Oswaldo foi um fotografo de renome e a profissão ao Brasil, em um daqueles momentos de depressão na economia argentina. E por aqui ele ficou. Era um cara com os pés no chão, apesar de ser um apaixonado pelo mar. Ainda cedo na carreira profissional decidiu abandonar a vida-loca de Sao Paulo e mudou-se de mala e cuia para um condomínio próximo a Angra dos Reis. Lá levava a vida tranquilamente, acompanhado de sua mulher Concepcion. Adorava pegar seu veleiro e sair, às vezes por dias, pelo mar protegido e fascinante da baia de Angra. Levava seus livros e ficava no mar com seus pensamentos e leituras. Sempre me pareceu estar em harmonia consigo mesmo.

Infelizmente, com o tempo, minhas diferenças com Fernando minaram as possibilidades de nossa contínua amizade. Pouco tempo atrás encontrei com ele em Sao Paulo e conversamos durante um tempinho como se tivéssemos nos visto na semana anterior.

Ontem foi uma tarde gostosa, com céu azul e sol delícia. Eu havia jogado tênis com dois amigos, dois dos melhores tenistas que o Brasil já teve – ou seja, eu estava no paraíso emocional. Um deles me contou, “en passant”, que Oswaldo havia falecido na semana anterior. A notícia me abateu. Na hora foi uma violência que abala por instantes e do qual logo nos recompomos. À noite os pensamentos assentaram e fiquei mais circunspecto por conta. Hoje de manha, bateu de vez e o bicho pegou.

A demora de minha infeliz descoberta demonstra o meu afastamento da família Meligeni. Fiquei entre ligar, enviar uma mensagem e escrever. Mas já faz mais de uma semana e ficar ligando ou enviando mensagem sobre uma morte, que com certeza abala e precisa de tempo para ser digerida, nao me pareceu boa idéia. Nao costumo escrever sobre a morte por aqui. Entao escolhi escrever sobre a vida e a falta.

Acima escrevi sobre a paixão de Oswaldo pela vida e seu impacto em mim. Agora nao me resta nada a fazer além de derramar estas palavras por aqui. Ele foi uma daquelas pessoas que eu nao mudaria uma virgula, uma ruga. E após anos de afastamento sou relembrado, da pior maneira, da falta que ele me fez. Ficam aqui meus sentimentos à toda sua família, que ele amava com cada fibra de seu corpo e alma, até porque um homem como o Oswaldo nao se acha a cada esquina.

Autor: Tags:

quarta-feira, 22 de abril de 2015 Tênis Brasileiro, Tênis Feminino | 14:29

Um marco

Compartilhe: Twitter

Apesar da consagradora vitória de Novak Djokovic em Monte Carlo, vencendo assim os três primeiros títulos de Masters 1000, sendo o 1o tenista a faze-lo, a figura da semana foi Teliana Pereira, conquistando o primeiro título para o tênis feminino brasileiro no circuito WTA em 27 anos – o ultimo fora de Niege Dias. Teliana vem crescendo tenisticamente com o tempo, ao contrário de outras que param no tempo e se acomodam. A moça é guerreira e, aos poucos, vem conseguindo com que suas carências diminuam e suas qualidades se ampliem, uma virtude para qualquer atleta. Ela nunca foi uma tenista para quem as coisas vieram fácil. Nem pela sua origem social, nem pela ausência de grandes habilidades. É um claro exemplo daquilo que prego há anos. As tenistas brasileiras teriam maior sucesso vindo das classes menos abastadas – da periferia mesmo. O tênis é extremamente punitivo emocionalmente, para nao se falar nada da parte física, e nossas meninas parecem nao estar equipadas com a necessária força interior, muitas vezes oriunda da necessidade, para derrotar meninas de outras áreas do mundo que hesitam menos em pagar o amargo preço para o sucesso nesse esporte. A vitória de Teliana passa a ser um marco, uma inspiração e um exemplo para todas.

Colocado tudo acima, nao deixa de ser interessante o caso de amor que a cidade de Bogota tem com o tênis brasileiro. Lembro que Carlos Kirmayr e Marcos Hocevar tiveram bons resultados por lá. Marcos Daniel foi à final e/ou conquistou nao sei quantos títulos por lá que é considerado o Rei de Bogota. A curiosidade fica mais interessante considerando que a cidade está a 2.600m, o que altera drasticamente a maneira de se jogar. Teliana soube tirar proveito da pequena tradição e das condições. Mais uma razão para parabeniza-la.

Autor: Tags:

terça-feira, 10 de março de 2015 Brasil Open, Copa Davis, Rafael Nadal, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 20:42

Fico com isto

Compartilhe: Twitter

Esse negócio de procurar culpados quando de derrotas é papo furado. Até porque cada um procura o que pode e conhece e a maioria nao sabe o que procurar e nem conhece o bastante para enxergar quando aparece. Quando tomamos sete dos alemaes teve gente que ficou azucrinando por conta do Fred enquanto os maior culpado daquela xaropada, o mega marketeiro David Luiz, ainda anda por aí achando que é o melhor do mundo e as pessoas comprando esse gato por lebre.

Sendo assim, nao vou apontar dedos até porque certas horas a coisa toda fica óbvia.

Joao Feijao é a melhor coisa que aconteceu para nosso tênis desde que Thomaz Bellucci entrou entre os trinta do mundo e nos convenceu que tudo iria ficar azul. Sei, nao ficou. Sim, eu sei dos nossos duplistas, mas aí é outra história.

Nao sei até onde Feijao vai com sua nova fase. O que imagino é que ele, após Sao Paulo e Buenos Aires, encontrou uma maneira de jogar que dá certo para ele, e nos encanta, e vai agarrar isso como se fosse a ultima tábua da salvaçao. O cara descobriu, finalmente, que o Jogo de Tênis nao é uma competiçao de quem bate mais forte na bola. Bater forte e colocado sao dois predicados, mas o maior, de longe, é saber como ganhar uma partida, que é o que conta no final. Saber arrancar a vitória do adversário, que está ali para fazer a mesma coisa, é a diferença. Se, em tempos de Rafael Nadal, o maior gênio da história do tênis nesse quesito, o pessoal ainda nao aprendeu é melhor desistir.

Feijao nos convence até quando perde – eu senti, entre outras coisas, orgulho torcendo pra ele. Bellucci nao nos convence nem quando ganha. A nao ser em uma mega vitória como contra a Espanha, quando pensei que ele tivesse, finalmente, aprendido o valor de mais uma bola na quadra. Isso, sem contar com a dosagem correta da vibraçao em quadra e, mais importante, da sensibilidade para avaliar corretamente o momento do jogo, no set, no game, no ponto! O rapaz tem zero dessa vital sensibilidade. Ele joga um 15×15 como um 30×40. O primeiro e o último game, a bola fácil e a difícil, a cruzada e a paralela tudo igual.

Estou tentando apagar sua derrota para o Delbonis de minha mente, e por isso nao senti nem vontade de escrever. Mas teve um momento da partida, no início do 3o set, que exemplifica claramente isso. O Delbonis voltou na 2a feira totalmente borrado – alias o time brasileiro tinha que ter feito o diabo para aquele jogo nao começar no domingo, mas isso é outra história.

O Delbonis perde o 2o set, errando barbaridades e rezando para cada ponto acabar logo, e vai sacar no 1o game e fica 15×40! A compreensao do momento é tudo neste raciocínio. Se o Bellucci joga a bola para o outro lado com a mao o Delbonis enfiava no meio da rede tal o travamento de seu cérebro e braço. E o que o Belo faz? Aquilo que gosta de fazer; mete uma mega porrada de forehand down the line e a bola sai um tiquinho – e na Davis tiquinho também é fora.

Faltou o entendimento básico que o protagonista do momento era o argentino borrado pela pressao e nao ele. Pior, bem pior. O que era 15×40 em instantes virou game do argentino, que saiu vibrando como uma criança que o pai tirara do castigo. E nao ficou por aí. De doze pontos jogados após aquele direita, Bellucci perdeu 11! Três zero Delbonis! E o que era o seu momento foi pro ralo. Ali, naquele 1o game, era a vitória brasileira. Ali sacramentou-se a vitória argentina.

Nao posso e nao quero acabar o Post nessa nota. Tanta coisa certa foi feita em BA no fim de semana. A dupla brasileira, mais uma vez, mostrou seriedade, qualidade e confiabilidade. Nao vou nem me alongar em Joao Feijao Sousa, que foi o que mais ganhou com o evento; graças ao seu próprio mérito. Sacar atrás durante todo o quinto set, após mais de 6hrs de jogo, manter a placidez mental que sempre transpareceu e defender 10 match points é tarefa de Macho. A postura do capitao Joao Zwetsch durante essa batalha foi ótima. “Jogou” com seu pupilo, incentivou, conversou – deu pra ver que os jogadores confiam nele só pelo olhar. A equipe de apoio esteve presente, “consertando” o Feijao e tenho a certeza, vendo o resultado em quadra, que muitas outras coisas certa foram feitas pelo nosso time no fim de semana. Eu fico com isso.

Autor: Tags: ,

sábado, 7 de março de 2015 Brasil Open, Copa Davis, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 21:14

A um passo

Compartilhe: Twitter

Poucas coisas deixam um atleta, ou qualquer um, tao motivado quanto ficar “mordido”. Joao Feijao ficar fora do time brasileiro na ultima ediçao da Davis foi um tapa nas suas fuças, algo que qualquer um com vergonha na cara nao aceita de bom grado. Se o capitao do time brasileiro tinha, ou nao, suas razoes sao outros quinhentos. O fato é que desde entao Joao Feijao mudou sua atitude, seu perfil, sua carreira. E para sorte de todos, especialmente dele, para melhor.

Hoje  Joao Feijao é o tenista #1 do Brasil por méritos. E, melhor, soube assumir seu novo status e responsabilidades ao entrar em quadra para abrir o confronto contra los hermanos. Se nao jogou bem do começo ao fim, soube, e isso é o mais importante, jogar bem na hora da onça beber água. Porque esse negócio de “jogar como nunca e perder como sempre” nao ajuda o time e mina a confiança coletiva. Por isso ficam os parabéns ao Feijao pela postura e o resultado. Jogou como gente grande e do jeito que eu sempre gostei quando era o técnico do time da Davis. E adorei sua declaração de que entrou em quadra para focar no positivo e nao deixar o negativo entrar. Com certeza lhe assopraram isso – e muito bem assoprado. Mas falar é fácil, eu que o diga, o difícil e executar.

Seu jogo nao está ainda todo formatado, e por mais tempo do que deveria jogou com a estratégia equivocada, o que quase lhe custou a partida. Mas soube encontrar dentro de si aquela chama que queima o coraçao do campeao, jogar a parte final da partida como macho e brindar o time com a importante vitória inicial.

Nem a tremenda apresentaçao do rapaz, e sua nova funçao de #1 do time conseguiram motivar Thomaz Bellucci. Pensei, por instantes, que, ao lhe tirarem esse peso dos ombros, Thomaz poderia nos brindar com seu melhor, como fez contra os espanhóis. Mas, creio, que ali uma parte do crédito vai para a maravilhosa torcida que lotou o Ibirapuera. Ontem ele nao mostrou a garra esperada, e necessária, para se vencer uma partida na Copa Davis. Tem jogos que você ganha porque joga mais do que o oponente – muitos porque você tem mais coraçao do que ele. Alooouuu Nadal!

A dinâmica do confronto foi apresentada logo no primeiro set, quando Thomaz, graças ao poderio de seu golpes e a insegurança inicial de Mayer, quebrou e sacou no 4×3 – um game determinante. Uma vantagem dessas nao se vende barato. Ele a jogou pela janela. Se leva aquele set pressionaria o argentino que estava contra a parede. Seu companheiro havia perdido, a dupla argentina nunca veria o sorriso da vitória – estava tudo em suas maos. E Bellucci jogou o game mais casual do baralho. Dali pra frente o argentino mandou no jogo e Thomaz só mostrou serviço, e vontade, de vencer no 3o set quando já estava com os pés no brejo. Mas logo voltou ao marasmo. E eu imaginei que após o o confronto em Sao Paulo ele teria entendido o valor da luta e da determinaçao em uma vitória.

———————————————– ————————————————– ———————————–

Eu sei lá a razao de os mineiros nao jogarem mais duplas no circuito. Afinal ele sao a nossa melhor, se nao única, chance de uma medalha nas Olimpíadas 2016. Os caras falam grosso nas duplas e se completam legal. Nos últimos tempos Marcelo melhorou seu jogo – técnica e mental, assim como tempos atrás Bruno já havia feito. De lá para cá só jogaram juntos na Davis – onde sempre jogaram muito. Na minha opiniao, que é de quem está dando palpite, os dois estariam mais bem servidos um com o outro do que com seus atuais parceiros. Peya é bom, mas nao tao bom, e dificilmente vai segurar a peteca quando Bruno jogar mal, o que acontece com qualquer um. Dodig é bom, mas é um jogador de simples e nem sempre está tao a fins de jogar as duplas, o que, as vezes, deve ser difícil para a cabeça do Marcelo, que deve ficar no maior conflito quando assiste o companheiro jogar simples.

Marcelo tem a envergadura que cobre a quadra e intimida os adversários. Bruno tem habilidades que geralmente duplistas carecem. Ambos melhoraram suas devoluçoes – determinantes nas duplas. Bruno melhorou muito seu serviço, o que fez enorme diferença no seu jogo, e sua técnica nos voleios está cada vez mais sólida ( a ponto de se se tornar, às vezes, um tanto relaxado).

Marcelo, pela altura, tem espaço para melhorar seu saque. Mas aprimorou seu posicionamento, o que faz muita diferença nas duplas, e usa e abusa do tamanho, assim como as devoluçoes, voleios e constância. Em Sao Paulo, Melo foi melhor em quadra, no geral. Em BA repetiu a dose, nos detalhes. Bruno vacilou um pouco em certos momentos, algo que as duplas, pela sua dinâmica, nao costumam perdoar. Mas, mostrando seu perfil e personalidade, além de ter jogado bem no geral, nas horas da onça mostrou seu talento, sua vontade de vencer e categoria. É uma questao de momento. Assim como Marcelo está surfando na confiança dos bons resultados recentes, Bruno parece estar incomodado pela minguada dos títulos de sua parceria e, óbvioa a consequente afetada confiança. No padrao que está, entre os melhores do mundo, atitude e confiança sao determinantes e fazem “A Diferença”. Mas é um prazer assistir a coreografia e qualidade do tênis que apresentam. E a alta chance de ganhar o ouro em casa é uma oportunidade única em uma carreira e vida, algo que nao deve ser substimado. Mas, talvez, o nao jogarem junto no circuito, e assim mesmo jogarem bem quando se encontram, seja uma estratégia para chegar “frescos” às Olimpíadas.

———————————————-                                                                      ————————————–

Estamos a um passo – uma vitória – de bater os hermanos na casa deles. Se eles apresentaram um time bem abaixo da qualidade do que esperamos do tênis argentino é um problema deles.

Amanha, o quarto jogo será entre os cachorroes. Normalmente o favorito seria Mayer, #29 do mundo e jogando em casa, o que, pra ele, pode ser uma faca de dois legumes (ele recém declarou que, apesar de ser o #1 da equipe nao é o líder do time, o que deixa para o capitao – sei, conheço o perfil). E vale lembrar que no ultimo e recém confronto, no Brasil Open, The Bean Man ganhou, em partida inesquecível. A coisa está de bom tamanho pra nós.

Bellucci terá, se necessário for, a oportunidade de se redemir, como tantas já teve, e muitas mais do que a maioria das pessoas têm. Mas quem pensa que ele terá o esforçado e limitado Berlocq pode ter uma surpresa. Tenho a suspeita de que Orsanic, o capitao argentino, colocará em quadra o Delbonis, que é mais tenista do que o Berlocq. Este tem mais experiencia e é um tremendo guerreiro, o que deve ter feito a diferença na decisao de começar com ele. O Delbonis é mais verde e tem um saque – nunca vi alguém jogar a bola tao alta quanto ele pra sacar – que mia nas horas importantes. Mas é guerreiro, tem bons golpes – um forehand que anda bastante e um back que é uma certa loteria e que ele adora arriscar (pensando bem, tirando o saque, seu jogo lembra o do Bellucci) e, importante, terá na cadeira o ex-técnico de Bellucci.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 Rafael Nadal, Rio Open, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 17:20

Imagino

Compartilhe: Twitter

Fico imaginando qual será o impacto em Rafael Nadal por conta de sua derrota, prematura, na semifinal e justamente pelas maos do MalaFognini. O espanhol voltou às quadras capengando, ao contrário de seus outros retornos, sempre por conta de suas múltiplas contusoes, sempre resultado direto do estilo Nadal de jogar. Imagino que seu foco agora seja, para variar, o circuito europeu sobre a terra, porque pelo tênis que está jogando nao será nas quadras duras da Califórnia ou da Florida que irá se dar bem. Só espero que sua derrota nao tenha nenhum impacto em sua aparente decisao de voltar ao Rio Open em 2016. Se tudo der certo ele vira ao Brasil duas vezes no ano que vem; a segunda na Olimpíada. Lembrando, esta jogada em quadra dura. A respeito, o piso foi escolhido pela FIT e nao pela CBT ou COB. A FIT alegou, para a decisao, o calendário internacional – os Jogos terminam imediatamente antes do US Open. Sendo assim, Rafa deverá jogar novamente, imagino, o Rio Open no saibro e as Olimpiadas no piso duro.

Atentaram ao “imagino”? Isso porque existe uma grande duvida sobre o Rio Open para 2016. É a velha questao de ter mais de uma opçao. Ele seguirá sendo jogado no Jockey Club ou passara para a Barra, onde está sendo erguido o complexo do tênis dos Jogos Olímpicos?

Ao contrário do que vem sendo dito, nao há uma decisao feita sobre o assunto. Pelo menos oficial. Rumores dizem que seria na Barra porque o COI exige que seja feito um evento no local para o tal “soft opening”, para testar tudo. Sim, essa exigência existe, mas ela nao exige que o evento seja o Brasil Open.

A decisao é uma faca de dois gumes. A continuaçao do evento no Jockey Club tem que ser a favorita de praticamente todos. O clube quer o evento, porque só tem a ganhar, especialmente pelos benefícios de infra estrutura e o privilégio de receber tal evento em casa. Falando por mim, como fa do tênis, difícil imaginar um local mais aprazível para o torneio. O cenário é maravilhoso, já o descrevi anteriormente, e localizaçao privilegiada; ao lado de Ipanema, Leblon, Lagoa e Jardim Botânico. Eu adoro, e a cada ediçao o pessoal vai afinando a máquina, deixando o evento mais gostoso e aprimorando a hospitalidade ao publico. Só ouço boas coisas a respeito.

Por outro lado temos o tal conflito que aflige a organizaçao. Eles sabem que o local atual é um diferencial enorme, sempre para o positivo, com o público e os jogadores. No entanto, a montagem custa uma bela grana – e isso mexe no balanço financeiro. Na Barra, eles terao à disposiçao toda a infra que será utilizada nos Jogos Olímpicos e, provavelmente, depois dos Jogos. Imagino que só o custo de montar a Quadra Central atual seja maior do que o de cacifar os melhores do mundo. Fora todos os custos de levantar uma estrutura tal qual a disponibilizada no Jockey. Na Barra esses custos seriam cortados fortemente.

Há muitas outras consideraçoes, que já deviam estar tirando o sono da organizaçao antes mesmo desta ediçao. Se o torneio for para a Barra, a organizaçao terá que negociar uma nova data, já que a atual está inserida no circuito latino-americano, necessariamente jogado sobre o saibro. Talvez logo após o tal circuito e logo antes de Indian Wells. Com isso talvez percam Nadal e o bando de saibristas que por aqui tem aparecido. Mas devem ganhar outros que queiram se preparar para o breve circuito de quadras duras de Indian Wells e Miami. Mas isso é longe de ser simples e fácil, até porque nao existe muito espaço no tempo.

Tao importante, e determinante nas decisoes, será o destino da IMX. Até 2016 é possível que água corra debaixo dessa ponte. O Rio Open é um ativo forte de seu portfólio e imagino que seu futuro esteja assegurado, de uma maneira ou de outra, em um local ou outro. De qualquer maneira, a imagem do Cristo Redentor, no topo do Corcovado, se elevando por detrás das arquibancadas é algo que está fotografado da melhor maneira na minha memória emocional.

Autor: Tags:

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015 Rafael Nadal, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 12:21

Falso equilíbrio

Compartilhe: Twitter

Tenho visto o Marco “Bocao” Barbosa, atual técnico da Bia Maia, que está conseguindo, sem mágias e invencionices, melhorar o tênis da Bia Maia, que é nossa maior esperança de bons resultados no tênis feminino. A hipotese nao é de hoje, mas ainda está para se tornar uma firme realidade. Os bons resultados no Rio Open sao bons indicadores. A moça tem talentos, habilidades e um bom tamanho; agora tem um ótimo técnico ao seu lado, algo que faz enorme diferença na balança das possibilidades.

Os caras continuam sem o sorvete para meu milk-shake, o que é uma tremenda sacanagem e desapontamento. O garçon me sugere substituir por uma tigela de açaí. Açaí eu comia, tirando do pé, na verdade catando do chao, lá no sítio. Aqui no Rio, lá no Jockey, eu quero milk-shake de chocolate. Tem gente que é do açaí, eu sou do milk shake! Minhas dietas e health food eu administro, e bem, em outras áreas. Tem assuntos culinários que têm mais a ver com o emocional do que com a nutriçao.

Nadal é Nadal, e fim de história. O espanhol nao está jogando nem uma pequena parte do que joga. Mas e pra ganhar dele? Aí sao outros quinhentos, bem caros quando você está do outro lado da rede. Ontem, o jovem espanhol que o enfrentou entrou bem briefado pelo técnico – o veterano Duarte, que trabalhou com o Corretja. É interessante assistir esses jogos porque se enxerga como os “colegas”, que conhecem bem a fera, enxergam a tática para enfrenta-lo.

O jogo foi equilibrado, especialmente no 1o set. Mas como já havia sido com Bellucci, o equilíbrio foi só até o Animal “entrar” no jogo. Mas diferença ficou clara em um game em particular. No 2×2 o Busta quebrou a fera e foi sacar para confirmar a quebra. Esse foi o game do jogo. Àquela altura Nadal estava jogando batatinhas, deixando a maior parte das bolas muito curtas, enquanto o adversário se esbaldava. Naquele game nao jogou tao melhor ainda, mas o oponente foi apresentado à famosa “garra nadal”. Rafa sabia que tinha que voltar ao set naquele game, pra nao deixar o inimigo acreditar e crescer. Muitas vantagens depois, de ambos os lados, Nadal conseguiu a quebra e colocou o trem nos trilhos. Entao, foi só um questao de games.

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última