Publicidade

Arquivo da Categoria Tênis Brasileiro

segunda-feira, 6 de junho de 2016 Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 17:59

Roland Garros – os finalmente.

Compartilhe: Twitter

A venezuelana/espanhola Muguruza entrou no meu radar aos 18 anos, no Aberto de Miami, quando, graças a um convite, na 1a rodada eliminou a Vera Zvonareva, que aliás sumiu. A moça ótimos golpes – parece saída de um livro de ensino – e tem um corpo perfeito para jogar tênis. E vem fazendo ótimo uso de tal presente de Deus. Já é a #2 do mundo e seria uma surpresa se parar por aí.

Mugu perdeu o 1o set em Roland Garros, para uma menina (Schmedeliova) que vi no juvenil dois ou três anos atrás bater uma brasileira, virou o jogo, engatou uma quarta e ninguém mais segurou. Jogou de igual para igual, inclusive na pancadaria, com a Serena. A americana jogou o seu melhor? Não. Mas os créditos vão para a nova campeã que soube administrar o emocional e soltar seus golpes, inclusive, e especialmente, nos momentos tensos, o que conteve os ímpetos williamsnianos. Não foi fácil sacar para o título, depois de perder 3 ou 4 match points no game anterior. Ela vai lembrar para sempre lembrar do game, em especial a incerteza da decisão do último ponto – nada como ter boas memórias para o resto da vida. Fechou como uma verdadeira campeã, o que não é para qualquer uma.

Antes da final masculina havia um certo suspense sobre o resultado. Murray vinha de um título em Roma e jogando bem nas ultimas partidas em RG. Mas, importante para entender a final, jogou pedrinhas nas duas primeiras rodadas, passando por extremas dificuldades onde não deveria.

Djoko estava determinado a vencer este ano. Fez marketagem nas duas semanas. Só faltou entrar em quadra com a melancia. O cara adora causar, mas é pouco criativo. Desenhar o coração após a vitória, a marca registrada de Gustavo Kuerten, mesmo “pedindo autorização” (não achei que o Guga ficou lá muito feliz com a farsa) foi de muito pouca criatividade. Na pior das hipóteses deveria ter se atido a “jogar coração” com os boleiros, como fez nos outros jogos. Enfim, o público comprou e, pela primeira vez, torceu por ele em uma final de Grand Slam. O que já não era sem tempo!

O jogo foi aquém das expectativas – pelo menos as minhas. Final nervosa, tensa, com ambos jogando abaixo do que sabem. Não é incomum, mas esperávamos mais.

Murray aproveitou a surpreendente paralisação, mental e técnica de Djokovic, para crescer e vencer o primeiro set com categoria e coragem.
A partir do início do 2o set Murray foi para alguma longínqua galáxia. Voltou a ser o MurrayMarrento, pensando na morte da bezerra, falando barbaridades entre os pontos, dava para ver a cara de mau humor do presidente de Wimbledon, o inglês Philip Brook, sentado na 1a fila e ouvindo as ladainhas da baixo calão do escocês, ao invés de focar em vencer o título. Durante quase três sets foi nulo. Dava pena. Quase raiva. Djoko, mesmo hesitando, foi entrando em jogo, mais pelos erros do outro do que por sua determinação. Só foi se soltar, e ser o que é, no 4o set, quando abriu uma grande vantagem e ficou claro que o Murray entregara para o Lord.

O escocês (britânico só quando ganha!) só voltou a jogar com desprendimento, porque aquilo não é coragem, quando ficou claro que iria perder o jogo – no 2-5 do quarto. Sem mais nada a perder voltou a atacar e incomodar. Mas aí não conta, mané. O certo é fazer isso quando ainda tem jogo! Mesmo assim, Djoko, que ainda assim não estava tão certo das coisas, quase vê sua vaquinha francesa trotar para o brejo. Fechou no apagar das luzes, quando o jogo se complicava novamente.

Mas o fato é que fechou e ganhou. E isso que conta. Hoje e pelos próximos 1000 anos. Depois eu não sei.

Mas não vamos esquecer um detalhes très important. O cara venceu, com o título, quatro grand slams seguidos, o que já é um feito de se tirar o boné (alguém ainda tira o chapéu?). Federer e Nadal devem estar aumentando as rezas, vendo o servio se aproximar de seus recordes. Quanto a nós, os mortais, temos é que levantar as mãos aos céus. Temos em atividade três tenistas com mais de 10 títulos de Grand Slam, algo inédito na história. Fica a pergunta. Isso é bom porque temos três atletas diferenciados, ou ruim porque não temos variações e renovações? Vocês escolhem.

A cobertura da Band Sports

Pela primeira vez tive a oportunidade de acompanhar, durante a quinzena, a cobertura da Band Sports. É um grande diferencial para os fãs ter uma TV que abraça o evento com empenho, algo que vem acontecendo mais e mais no Brasil, e a BS fez isso com galhardia. Me senti como se lá estivesse. Existem as restrições de não terem as opções de mais canais, e mostrar mais quadras, e de algumas escolhas por conta de tal restrição. Com certeza fazem as escolhas com as melhores das intenções. A opção de mostrar programas de comentários, ao invés de um jogo em sua integra (ou perto disso), à noite, quando a maioria das pessoas pode acompanhar é algo que tem mais de um ponto de vista. Acho o formato de pelo menos um quadro com comentários de entendidos cobrindo o dia de jogos imprescindível. Mas a noite é longa. Gostei da dupla principal Flávio Saretta e Oliveira Andrade. O Saretta conhece o esporte. Oliveira tem uma voz agradável, cultura e narra com elegância, sem atropelar ou querer ser o dono do pedaço. Sua elegância transpirou para o parceiro que está mais focado em comentar o que conhece do que falar bobagens. A dupla funciona e agrega ao evento para quem acompanha.

Autor: Tags:

segunda-feira, 9 de maio de 2016 Masters 1000, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer, Roland Garros, Tênis Brasileiro | 17:39

Roma: o termômetro

Compartilhe: Twitter

O Aberto de Roma é o melhor termômetro do que pode acontecer em Roland Garros. Melhor do que Madrid, onde a quadra é ligeiramente mais rápida do que será em Paris, por conta da altitude. Mesmo assim, não deu para ver nada que pudesse mudar o prognóstico de este próximo Roland Garros deve ser mesmo de Novak Djokovic. Deve mesmo?

 

 

Acredito que Roma dirá. Os tenistas que têm se dado melhor nas últimas semanas, além de Novak são Nadal, Murray, Nishikori, Monfils e, ali por fora, mas sempre dentro, Fededer. Tem o Wawrinka, mas este é muito mais perigoso correndo por fora, como no ano passado, do que defendendo seu título.

 

 

Tem outros, mas alguém acredita que tenistas como Kirgyos, que está melhorando, e Raonic, que também melhorou, mas ambos são mais material para Wimbledon do que RG. E os dois se enfrentam na 2a rodada!

 

 

Bem, vocês perceberam que não listei Tsonga, #7 do mundo. Desde o Rio Open não o considero mais como um tenista sério.

 

 

E porque Roma é importante?

 

 

Porque é a última chance de alguém adquirir a confiança necessária para vencer um Grand Slam. Além de as condições serem semelhantes a Paris. Na semana seguinte, quando acontecem Nice e Genebra, é só para tenistas que não tem altas pretensões em Paris. Jogar lá em cima durante três semanas não acontece – só em milagres. E eles acontecem cada vez mais raramente.

 

 

Mas se alguém ainda acredita neles, não perca outro jogo da 2a rodada, entre Fededer e o garoto Zverev; um perigo armado de uma raquete.

 

 

Por isso, vamos ficar atentos ao que cada dos cachorrões trás para as quadras no quintal do Papa, que talvez seja bom de milagres.

 

 

Depois disso é tomar conta do corpo, cuidar da confiança adquirida, comer bem e bem acompanhado, curtir curtos passeios para descontrair sem perder o foco.

 

 

Eu deixei para último um outro possível milagre. Este reservado para os amigos franceses, que não conseguem um título em casa desde Noah no início dos anos 80. Monfils tem tênis para ganhar Paris. Mas tem cabeça pra isso? Até hoje tem deixado claro que não. Sua derrota para Thomaz Bellucci hoje o coloca na contra mão de tudo que escrevi acima. Mas o cara é doido! Mas ainda acho que é a melhor aposta para quem quer quebrar a banca em Paris.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 12 de abril de 2016 Copa Davis, História, Juvenis, Roger Federer, Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 00:49

Ganha/Ganha

Compartilhe: Twitter

Este ultimo fim de semana tivemos, pelo segundo ano, o Rendez-Vous à Roland Garros, uma parceria da FFT e a CBT, onde o vencedor do evento aqui realizado disputa, em Paris, às vésperas de Roland Garros, um torneio para o direito de jogar a chave juvenil do torneio.

 
No ano passado, o brasileiro Gabriel Decamps venceu aqui e em Paris. Ganhou o direito de entrar na chave juvenil, chegou às oitavas e perdeu para Taylor Fritz, que já está fazendo estragos entre os profissionais.

 
Desta vez o vencedor foi o paulista Lucas Koelle, um jovem que tive a oportunidade de presenciar em quadra em algumas oportunidades de treino. Uma jóia rara. É um atleta que o treinador não precisa ficar convencendo a fazer o necessário em quadra. Vem com a cabeça e corações prontos para o trabalho, talvez a principal qualidade que um juvenil pode trazer para os treinamentos. Infelizmente, a maioria acredita que possa ser a “habilidade”, a “esperteza”, a atitude do “sei tudo”, “qualidades” que jovens nessa idade acreditam ter de sobra e que, quase sempre, não passa de um delírio.

 

 

Lucas vem investindo na carreira, procurando maneiras de progredir, talvez nem sempre da maneira ideal. Porém sem alterar sua postura em quadra, o que conta muito. Morou uma época nos EUA. Tem disputado eventos aqui e no exterior. Chegou agora a #50 do ranking mundial juvenil.

 

O que me chamou a atenção, na conquista que lhe carimbou o passaporte para Paris, foi outra coisa. Fiquei sabendo que ele tinha, pouco antes, após muito pensar, aceito o convite para estudar e jogar em Harvard, uma das mais prestigiosas universidades do mundo.

 

Eu conversara com ele, pouco antes da virada do ano, na casa de amigo comum, sobre o assunto. Então estava intransigente na decisão de não aceitar o convite e se dedicar à carreira tempo integral.

 

Conversou com mais pessoas – o pai é um alto executivo e a mãe fez estudos em Harvard também – e mudou seus planos.

 
Chegou à conclusão que ir para Boston era uma situação de ganha/ganha. O mais difícil é ser aceito em tal universidade. Com eles insistindo no convite fica ainda melhor. Afinal ali poderá a enfrentar adversários competitivos, no circuito profissional, além de poder eventualmente participar de torneios de transiçao, enquanto faz seus progressos acadêmicos. Nesse ambiente de ganha/ganha poderá também, se vier a ser o caso, mudar de idéia e partir para outra.

 
A decisão já lhe trouxe a tranquilidade necessária para vencer o torneio Rendez-Vous à Roland Garros sem perder um set. Sua mãe confessa que nunca o tinha visto tão sereno em quadra.

 
Um dos raciocínios de Koelle foi sobre a idade dos tenistas na atualidade – estão atingindo seus melhores momentos aos 27 anos. Na verdade, não é novidade. Essa é mesmo a idade em que os tenistas equilibram sua parte técnica, emocional, física e flertam com seus ápices.

 
Até os anos 50 eles ficavam um tempo no amadorismo – que incluía os atuais Grand Slams – e depois seguiam para o profissionalismo, que era para poucos, bons e amantes incondicionais do tênis.

 

Nos anos 60 e 70 era padrão os tenistas irem primeiro para as universidades americanas e só depois entrarem no circuito profissional. Mc Enroe foi para Stanford já em 1978, quando ganhou o torneio nacional universitário. Seu irmão Patrick, se graduou 10 anos depois na mesma escola. No final dos anos 80 ainda havia vários bons tenistas que foram à universidade antes de se tornarem profissional. James Blake, quase um contemporâneo, também esteve em Harvard, o que pode ter influenciado Koelle.

 

Mesmo antes do ultimo fim de semana Lucas Koelle admitiu estar tranquilo com a decisão. Nesta 6a feira, vai a Boston, a convite da escola, conhecer melhor o local e as pessoas. Volta de vez em Agosto, quando começa o ano letivo. Até lá vai jogar em Paris e, quem sabe, ampliar ainda mais suas conquistas no tênis.

 

Por enquanto é um tenista que assume uma caminho diferente de muitos que tem como prioridade a carreira profissional. No fim da época juvenil os tenistas se vêem frente a frente à difícil decisão; continuar seus estudos em uma universidade americana, onde é ofertado a oportunidade de seguir competindo e fazer seus estudos, ou abraçar de vez, com bônus ou ônus, a carreira profissional e encarar a famosa e difícil transição, quando raramente, em especial os brasileiros, por força cultural, se tem a parte emocional pronta para o que vem pela frente. Uma ida a uma faculdade lhe compra um tempo que, atualmente, já não é tão crítico.

 
Se nos anos recentes o jovem começava a carreira aos 19 anos e a abandonava aos 30, agora, com o preparo físico no atual patamar, pode pensar em começar aos 22, com um diploma debaixo do braço, e jogar até 34 anos, como Federer, por exemplo, está a fazer com qualidade.

rg taça sp

Autor: Tags:

segunda-feira, 28 de março de 2016 Masters 1000, Roger Federer, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 13:03

Administrando

Compartilhe: Twitter

Cheguei na quadra 2 o jogo estava começando. Dei uma panorama na quadra e me surpreendi. De um lado a dupla do brasileiro Marcelo Melo e seu parceiro croata Ivan Dodig. Do outro “A Besta” Mirny e seu parceiro Treat Huey, um baixinho filipino-americano que tem mais pinta de ser um boleiro mais velho do que um tenista profissional. O jeito dele simplesmente não bate com o resto dos tenistas, especialmente tendo a “Besta” Mirny de 1.96cm como parceiro.

 
Mas foi só o cara começar a jogar para meu queixo ir caindo. Mãos rápidas, pulso forte, pancadas dos dois lados e um estilingue para sacar. Ele deve ter dado mais de 10 aces no Dodig no centro da quadra. Isso porque o croata já sabia que iria lá e assim mesmo a bola passava por ele como um F1.

 
Nas devoluções o cara acelera dos dois lados e sabe bem onde meter as bolas. Na rede é um abílio. Esteve alguns patamares acima de seus colegas de quadra no quesito. E quem se atreveu a desafia-lo no quadradinho se deu mal. Bem mal.

 
Além disso, tem ótimo posicionamento, cruzando como saci junto à rede. Ali, novamente, levou Dodig à loucura. Cruzava muito, esticando seu braço para um voleio de forehand. Ali também o Dodig sabia que o cara iria e não conseguiu fazer muito – essa bola acabou sendo crucial no resultado final.

 
A “Besta” já tem 38 anos, nao tem mais o mesmo vigor físico de quando fez a memorável partida contra Gustavo Kuerten em 2001, no US Open, onde liderava por 2×0 e o catarina “encontrou” uma maneira de virar o jogo que levou os brasileiros presentes ao delírio. Mesmo assim, ainda se vira nas duplas, apesar que era o elo frágil da dupla, que não conseguiu ser explorado pelos adversários.

 
Talvez porque Dodig não estava 100% fisicamente, com a perna direita enrijecida na altura da coxa. Talvez porque a dupla de Melo não conseguiu tirar proveito dos melhores resultados que têm dentro do bolso. Talvez porque, em momento crucial no 2o set, Dodig acertou uma bolada na nuca do parceiro que o nocauteou. Talvez porque o tal de Huey estava em dia inspirado e foi, de longe, o melhor em quadra, dando um verdadeiro show de habilidades e de como se joga uma dupla bem jogada no estilo antigo.

 
De qualquer jeito, o felipino e o bielorusso estão na 3a rodada e Marcelo, que esteve focado e compenetrado, sabendo da importância da partida, já que agora não é mais o 1o do mundo – perde a posição para o parceiro de Bruno Soares, Jamie Murray, que também já estão fora do torneio, por meros 5 pontos, algo que evitaria com a vitória ontem.

 
No fim do jogo fiquei pensando porque não ouço falar mais do tal filipino/americano. Descobri que já ganhou sete títulos nas duplas, com quatro parceiros diferentes. É daqueles que muda bastante de parceiro. O porque não sei.

 
Mas, com certeza, se soubesse administrar melhor a carreira poderia ter ainda melhor resultados. Poderia perguntar umas dicas no assunto para Marcelo e Bruno, que têm sido ótimos no quesito. Isso prova que o circuito de duplas é extremamente competitivo e é necessário saber administrar fora das quadras também – a escolha, e manutenção, do parceiro um quesito fundamental!

 
Huey desistiu das simples ainda jovem – foi tenista universitário – porque achou que seria medíocre como singlista e poderia se dar melhor como duplista; um denominador comum nas carreiras dos duplistas.

 
De qualquer maneira fica a lembrança. Se algum dia os leitores tiverem a oportunidade de assistir o rapaz jogar vão ver como se joga bem duplas sem ter a pinta de quem o faz. Um tenista muito rápido, com ótimas mãos, muita habilidade, que sabe tanto bater como tratar uma bolinha carinhosamente. Uma avis rara que merece ser vista porque é um animal em extinção.

 
Ontem tivemos dois jogos ótimos. A vitória de Gilles Simon sobre Marin Cilic, onde a paciência e regularidade mais uma vez se sobrepôs sobre o ataque, em um conflito sempre interessante de assistir, e a surpreendente vitória do francês de 22 anos, Lucas Pouille, tenista talentoso, com bons golpes de ambos os lados, voleios melhores do que o padrão atual, em um saque que incomoda sobre o operário David Ferrer. Um all around que está crescendo no circuito e que ainda vai dar o que falar. Talvez não seja um Federer, mas, aos poucos vai conseguir vitórias como a de ontem, melhorar seu ranking e, se souber administrar, deixar de ser uma surpresa e passar a ser um dos cachorrões.

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 27 de março de 2016 Rafael Nadal, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 13:06

Errando no processo

Compartilhe: Twitter

A chamada diária dos jogos é um processo difícil e que exige muita experiência por parte dos responsáveis. Não vou entrar nos detalhes, mas acreditem, é um verdadeiro quebra cabeça, especialmente nos primeiros dias do evento, quando tenistas estão envolvidos em chaves de simples e duplas, uma das maiores dores de cabeça do trabalho.

 
Na verdade, deve ser a única hora que os organizadores dão graças a Deus pelo fato de existirem mais e mais os tais especialistas de duplas; os que nunca jogam simples. Sim, porque se existe um fulano que os organizadores não gostam são os “especialistas” de duplas – mas isso é uma outra história, porque na hora de se fazer a chamada eles ajudam.

 
Pelo simples fato de que não apresentam o conflito, como o singlista que joga as duplas. Já imaginaram um jogo de duplas com os quatro neguinhos ainda envolvidos nas simples? Imaginem uns míseros seis jogos desses em um dia e temos 24 tenistas atravancando a chamada. Lembrem que um tenista que está nas duas chaves só pode jogar duplas após jogar suas simples. Por isso, invariavelmente as duplas são no fim do dia, a não ser que envolva quatro tenistas que não jogam simples – pelo menos naquele dia.

 
O fato é que mesmo com a sistematização do trabalho das “chamadas”, o pessoal ainda come uma bolas que não estão no cenário mais óbvio. Um exemplo foi o caso de ontem, na partida de duplas que reuniu Bruno Soares e Jamie Murray x Ram e Klaasen. Nenhum dos quatro envolvidos nas simples (Ram perdeu por WO na 2a rodada das simples?!).

 
A partida envolvia a dupla cabeça de chave #3 e campeã do ultima Grand Slam, além de envolver um tenista brasileiro em um evento repleto de brasileiros ávidos por assistir um conterrâneo, além de envolver um americano (Ram) e um tenista brigando para se tornar #1 do mundo (Murray). Será que alguém do “Comitê das Chamadas” lembrou desses detalhes. Podem apostar que não!

 
O jogo foi colocado na quadra 9, a mais acanhada do local, com uma arquibancada modesta que não fez frente sequer aos brasileiros que lá apareceram. Logo no início do jogo estava formada a confusão, com boa parte dos fãs se frustrando e, eventualmente, desistindo de assistir a partida. Vários (eu entre eles) apelaram para subir nos últimos degraus da quadra 2, que é vizinha da quadra 9 (não me perguntem a lógica disso).

 

Pior ainda foi, após tanto esforço e frustraçao, ver o brasileiro perder. A dupla não jogos bem, não aproveitou o fato de ter ganho o 1o set e não aproveitou a torcida. Aliás, ninguém em quadra jogo muito bem. Foi um jogo estranho, onde nem Murray se salvou – o cara, que vinha sendo o melhor em quadra, deu uma boa tremida no apagar das luzes.

 
Para completar o negro dia para nossas cores, após a derrota de Thomaz Bellucci, que desistiu da partida contra Misha Kukushikin (que tem um torcedor que fica gritando o nome dele a partida inteira), após esta ir para o 3o set, ainda tivemos o mesmo Bellucci entrando em quadra, já à noite, perdendo as duplas em parceria com Andre Sá, contra o ex de Bruno, Alex Paya e outro. Thomas não mostrava nenhum sinal de problemas físicos, a razão pela qual abandonou a partida.

 
O mais bizarro dessa partida é que Thomaz e Andre entraram como lucky losers, com o abandono de Marco Baghdatis e Michael Venus, que desistiram de jogar – talvez pela surra que o primeiro tomou do MalaKirgyos.

 
Bizarro porque originalmente Andre Sá se inscreveu em Miami com seu parceiro Guccionni, com quem não conseguiu entrar na chave, por conta do ranking. Mas a regra permitiu que ele e Thomaz se inscrevessem diariamente como “alternativos” e assim fossem chamados para entrar em quadra na desistência da dupla original.

 
Não acompanhei, mas imagino que tal “chamada” criou uma situação. Bellucci tinha abandonado sua partida de simples horas antes e, normalmente, ele (e ninguém) não jogaria uma partida de duplas logo depois. Mas já era noite (o dia tinha sido de um sol terrível e a noite estava bem gostosa) e o parceiro um amigo e um dos tenistas mais gostados do circuito.

 
Thomaz foi para o sacrifício e, em nenhum momento, mostrou corpo mole ou falta de interesse. Na verdade, achei Andre, um excelente duplista, mais incomodado com a circunstância e jogando abaixo de seu padrão.

 
Mas o sábado já estava escrito como ruim para os fãs brasileiros. Ahh, antes que eu esqueça. Rafa Nadal também abandonou, no início do 3o set de sua partida de simples, por conta de ter, como Bellucci, passado mal, com tonturas e mal estar. Talvez Belo tenha, em companhia tão digna, se sentido menos mal de ter se sentido mal.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 24 de março de 2016 História, Novak Djokovic, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 14:23

Rainha da cocada

Compartilhe: Twitter

Para nós brasileiros o Aberto de Miami é uma festa. Ainda não me faz sentir como Ernst nos anos 20 em Paris, mas dá bem para o gasto. Da porta de entrada já começo a encontrar amigos.

 

Logo de cara foi Patricio Rodriguez, tenista chileno que foi técnico durante a época que também fui e me auxiliou durante dois eventos de Copa Davis jogados, ambos, em Porto Alegre. Pessoa finíssima com quem tive muitas conversas e alegrias no passado. Para quem nao sabe, foi treinador de Jose Luiz Clerc, Nicolas Lappentti, Nicolas Massu, Andres Gomes e Jaime Izaga, entre outros. Boa parte de seus ganhos ele colocava em vinhas no Chile e não tinha a menor cerimônia em se declarar apoiador de Pinochet. Hoje, aos 77 anos, mora em Key Biscayne na companhia de sua filha de 10 anos. Adoro o cara.

 

Quando cheguei ao clube fui logo informado que Billie J. King e Novak Djokovic tinha acabado de dar suas entrevistas a pauta, premiaçao para homens e mulheres. Mais de três horas depois não tinham disponibilizado as transcrições delas. Eu falei que o assunto iria transbordar para este evento…

 

Enquanto esperava pra ver se as conseguia, sentei na Quadra Central e foi sorteado com o jogo entre a mascarada perigueti Eugenie Bouchard e a checa Lucie Hradecka. O samba do crioulo doido na Central.

 

Bouchard é uma jovem que dois anos trás acreditava piamente que seria a #1 do mundo em meses e teve boa parte da comunidade tenistica acreditando nisso. Quando se achou a rainha da cocada branquela despediu a técnica francesa Tauziat, que lhe ensinou a ser agressiva e não a paparra que era antes e o técnico Nick Saviano que lhe deu a confiança necessária para chegar às semis da Austrália e Roland Garros e à final de Wimbledon em 2014, aos 19/20 anos.

 

Bem, a partir de 2015 a moça ficou mais preocupada em postar fotos de biquini do que em ganhar partidas de tênis. Seu ranking despencou de #5 para #50. Hoje é notícia por entrar na justiça contra a USTA por um tombo que tomou no vastiário do US Open, perder jogos, trocar de técnicos, fazer biquinho em quadra e jogar de baby doll.

 

A Hradecka é conhecida por bater com as duas maos dos dois lados – a esquerda dela é ótima – e jogar bem duplas. O resultado do jogo foi 6/4 3/6 6/2 para a checa. Quando acabou o 2o set eu nao aguentava mais, virei para o amigo Sylvio Bastos, me referindo ao público, ao Ray Moore, ao Djoko, à Billie King etc e desabafei: para esse jogo as pessoas deveriam receber e não pagar para ver. O Sardonico Bastos virou pra mim e cutucou; escreve isso! Esse cara quer me complicar…

Autor: Tags:

segunda-feira, 21 de março de 2016 Tênis Brasileiro, Tênis Feminino | 13:39

Na primeira

Compartilhe: Twitter

A Lei de Murphy ataca mais uma vez. Nao sei qual a probabilidade matemática para o caso – algum leitor matemático se arrisca? – mas, na melhor da hipóteses é uma curiosidade. Duas brasileiras, Teliana Pereira e Bia Maia, na chave de 48 tenistas do Torneio de Miami são sorteadas para se enfrentarem na 1a rodada.

 

As duas são parceiras dentro das quadras e amigas fora, mas na hora da onça beber água é cada uma por si e Deus por ambas. Teliana tem mais volume de jogo e mais experiência, mas não tem muito gosto pelo piso duro. Bia gosta de jogar em cima da linha e tem habilidades que Teliana, mais forte e rápida, não tem. A pernambucana é a favorita e Bia não terá responsabilidade. Resta ver como cada uma delas irá reagir emocionalmente, que é o que determina a vitória em tais circunstâncias.

 

Podemos também olhar pelo lado do meio copo cheio. Uma brasileira estará na 2a rodada do Aberto de Miami. E enfrentará então a cabeça 16, Ana Ivanovic. Eu estarei lá para conferir – na 1a fila.

Autor: Tags: , ,

domingo, 20 de março de 2016 Masters 1000, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 17:21

O Aberto de Miami – o favorito dos brasileiros

Compartilhe: Twitter

Não fui a Indian Wells, mas vou a Miami. Tinha me prometido que iria para a California este ano. Nao funcionou, mas funcionou Florida. Esse negócio da California ser lá do outro lado e a Florida aqui deste lado faz muita diferença na disposição de encarar um avião. Bem, pelo menos não estamos no radar do Trump. Por enquanto.

 

Miami é um belíssimo torneio, com todas vantagens de ser na Florida, começando pela acima mencionada. Mas, pelo o que ouço, o novo Indian Wells é espetacular também. Ainda vou ter que comparar.

 

Na verdade, fui aos primeiros torneios tanto em Indian Wells como em Miami, nos idos anos oitenta. Indian Wells começou nos anos setenta, em Tucson e imediatamente depois na área de Palm Springs – Rancho Mirage e La Quinta – até encontrar seu lar em Indian Wells. Estive na primeira edição deste, acompanhando os tenistas Luiz Mattar e Cassio Motta. Miami começou nos anos 80 em Delray Beach. Em 1987 Butch Buchholz, ex tenista, ex presidente da ATP e fundador do evento o trouxe para Crandon Park em Key Biscayne.

 

Frequentei o torneio muitos anos, como técnico e depois como cronista para o Jornal da Tarde e O Estado, ESPN-BRASIL e meu blog. É incrível o quanto ele foi mudando. Não foi uma daquelas coisas que nasceu pronta. Pelo contrário. Foi se desenvolvendo, adquirindo personalidade, cativando, melhorando, como torneio de tênis e evento de entretenimento esportivo, que são coisas paralelas, mas não são a mesma coisa. O recente Aberto do Brasil, realizado no Clube Pinheiros, e o anterior, realizado no Ibirapuera, oferecem uma medida do que escrevo. O Rio Open já nasceu evento e tem agora a responsabilidade de se manter ou se reinventar.

 

O Miami Open sempre foi o torneio de tênis favorito dos fãs brasileiros. Especialmente pela primeira questão que ofereci – a geográfica. Mas se fosse só isso o pessoal não o abraçaria. Não por outra razão, atualmente o principal patrocinador do torneio é uma empresa brasileira – o Banco Itau – o que não deixa de ser um dado interessante para nós.

 

Nos anos 2013 e 2015 o torneio sofreu um pouquinho com a ausência de Roger Federer, talvez causada por um conflito entre o tenista e a empresa que é dona do torneio, a IMG, que é parceira também do Rio Open e que por anos administrou sua carreira.

 

As arestas foram aparadas e Roger volta a Miami, um torneio que nunca foi de seus grandes favoritos, talvez por ser um dos mais “lentos” do circuito. Mesmo assim, ele foi três vezes à final, vencendo duas; a ultima 10 anos atrás.

 

Mas é uma ótima notícia que volte às quadras de Crandon Park. Como está com 34 anos, imagino que não que deixar nenhuma situação não acertada para trás, no que faz muito bem, em especial com seus fãs, que são muitos em qualquer lugar, inclusive Miami.

 

Não estará na sua melhor forma – recém passou por uma cirurgia no menisco de um dos joelhos e por isso perdeu Indian Wells. Mas estará “fresh” e cheio de amor para dar. Um tenista com suas características – muito talento e habilidade – adora esse cenário; especialmente se ganhar uns dois jogos para pegar ritmo e confiança. O Miami Open promete, por mais de uma razão, Federer sendo uma delas. Mas há muitas outras. Em breve…

Autor: Tags:

sábado, 27 de fevereiro de 2016 Brasil Open, Olimpíadas, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 14:19

Yes, you can.

Compartilhe: Twitter

Ontem, sexta feira, foi um dia lindo no Brasil Open. Exatamente o que se espera, quando se espera coisas boas, de um evento tenístico. Todos os ingressos vendidos, publico lotando as quadras, inclusive as de treino, que, ao meu ver, merecem uma mini arquibancada, já que o publico adora ver essa informalidade nos tenistas, as alamedas repletas com pessoas transitando e atendendo às lojas instaladas na alameda principal do evento e, vital, brasileiros em quadra.

 

 

Sim, aí um dos diferencias de um evento realizado no Brasil: a presença de um dos nossos em quadra. E como à noite teríamos os mineirinho e a nova sensação em quadra, à procura por ingressos era insana. Tive inúmeros conhecidos ligando para ver se eu arrumava ingressos. Eu, que nada tenho a ver com o evento? Imaginem os que têm. E assim sofrem os que não se programam.

 

 

O outro lado da moeda é que olhando a chamada de hoje não encontramos mais nenhum dos nossos nas quadras. Os mineiros tiveram uma derrota inesperada. Thiago, um esperada.

 

 

Mas Thiago chegou a passar os dedos pela vitória. E aí nós vemos a diferença que faz a experiência, a quilometragem. Ele venceu o 1o set jogando melhor do que Cuevas. Começou o 2o quebrando e abrindo 2×0 e o uruguaio dando sinais que apitaria. Foi então que Thiago jogou o game que vai lhe tirar o sono e render boas conversas com o técnico.

 

 

Fez algo gritante de errado? Nao. Mas também nao fez o que precisava, que era jogar a pá da cal no cadáver que se prostrava do outro lado da rede. Jogou o game esperando que o outro se enterrasse sozinho. O outro não é jogador de futures ou challengers. É argentino/uruguaio, tem brios por baixo daquela carinha de coitado. Ficou no jogo. Thiago não se perdoou pelo vacilo e não foi mais o mesmo. A partir daquele game virou presa fácil para o comedor de canhotos.

 

 

Tudo isso faz parte do aprendizado e esta semana Monteiro aprendeu mais, em quadra, do que em toda a carreira. A principal delas, aquilo que virou mote do Obama: “Yes, you can!” Especialmente porque, além de ter um jogo redondo, tem brios, coragem, vontade, determinação e atitude em quadra, qualidades que lhe servirão para progredir no circuito e, importante para nós, cativar seus fas em casa. Que siga o trabalho e ouvindo aqueles que são responsáveis por seu progresso.

 

 

O porque do fracasso dos mineiros Melo e Soares? Não sei lhes dizer. Ainda não estão à vontade em quadra. Digo ainda porque para todos os brasileiros o importante agora é a participação deles no Rio 2016. Sim, eles tem altas chances de medalha, independentes dos resultados das duas ultimas semanas. Quanto a parte técnica já escrevi o porque, acredito, eles nao conseguiram render o que se esperava por aqui. Mas faltou algo mais e por isso ainda acho que deveriam jogar juntos antes das Olimpíadas. O mote de Obama também vale, totalmente, para eles. A dupla é uma entidade maior do que a individualidade, no caso. Eles precisam ganhar juntos para adquirirem a confiança para vencerem juntos. Catch 22!

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016 Brasil Open, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 13:44

De novo

Compartilhe: Twitter

De novo? Essa foi a colocação/exclamação de um amigo tenista meu quando me viu, logo após a derrota de Thomaz Bellucci no Brasil Open. A minha cara, assim como a dele, foi que não havia necessidade de se estender sobre o assunto.
O adversário do Belo foi um espanhol de 22 anos, #122 no ranking e tenista bem abaixo tecnicamente do brasileiro, sendo que este o trucidou no 1o set. E por que este perdeu? As chances são que eu escreveria algo que vocês já leram. De novo.

 
Do novo mesmo bom foi a vitória do Thiago Monteiro. Desta vez pegou um espanhol veterano, #72 no ranking. O garoto jogou bem, manteve o padrão que vem apresentando, na verdade mostrando mais confiança, e com isso mais qualidade, a cada partida que joga.

 
Apesar de começar perdendo o primeiro set, Thiago seguiu mostrando a atitude que vem cativando os fas brasileiros: garra, luta, determinação, foco e empatia com a torcida, qualidades que sempre fizeram parte do arsenal de tenistas brasileiros de sucesso. Pelo menos até recentemente.

 
Uma coisa que deu gosto foi ver a torcida se empolgar e participar, assim como já tinha feito contra Almagro. Comparando com o que havia acontecido pouco antes em quadra, quando a torcida se frustrava a cada vez que tentava motivar Thomaz e este respondia com o mais gelado dos ares.

 
Após a partida, conversei no lounge com o diretor e o dono do torneio. Hoje colocaram Thiago, que enfrenta o campeão do Rio Open, na 2a partida da noite, logo após a dupla dos mineiros Melo/Soares. Parece que o técnico de Cuevas, o ex-tenista argentino top 10 Alberto Mancini, reclamou bastante, já que ele queria que fosse o 1o jogo. Felizmente aqui é São Paulo e não Montevideo ou Buenos Aires e aqui quem manda não são eles.

 
Aliás, o leitor, garanto, não tem a menor idéia da queda de braço que é fazer a chamada a cada dia do torneio. Todos querem as coisas do seu jeito e que encaixem suas agendas. No frigir dos ovos, as pessoas que realmente decidem são o diretor do torneio, o supervisor e o representante dos jogadores (ATP). Se o bicho pegar, e o bicho pega, ganha a coalizão de forças e, na pior das hipóteses, quem for mais poderoso; o supervisor, que pode sempre tirar o ás da manga e dar uma cartada em todo mundo, ou o diretor, que se tiver muuuito prestígio.

 

O sentimento dos organizadores é que Thiago tem chances de bater Cuevas e, até, ir à final. Organizadores são otimistas por natureza. O que não se deve esquecer são dois detalhes. Cuevas é, ainda, mais tenista, mais rodado e mais confiante do que Thiago. Além de Thiago ser um canhoto, como eram todos os adversários que ele bateu no Rio e o que bateu na 1a rodada em Sao Paulo – o que é um recorde no circuito.

 
Por outro lado, após vencer o Rio Open, seu corpo começa a pedir descanso. Um vacilo e Thiago, que tem ótima postura e sangue nos olhos, coloca o pé na sua porta.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última