Publicidade

Arquivo da Categoria Aberto da Austrália

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016 Aberto da Austrália, Rafael Nadal, Rio Open, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 01:24

O coração do fã.

Compartilhe: Twitter

Imagino como ficam cabeças e corações dos organizadores de um torneio como o Rio Open no sábado, dia em que se joga as semifinais de simples e duplas.

 

Eles foram dormir na sexta-feira com Nadal vivo na chave, assim como Dominic Thiem, o tenista mais quente no evento, após vencer Buenos Aires e dar uma coça no Ferrer, sendo uma jovem e quase desconhecida promessa, dono de um tênis vistoso e um vigor impar. Se pouco fosse, tinham ainda, na semi de duplas, os dois tenistas brasileiros que mais alegrias tem ofertado aos fãs locais – Bruno Soares e Marcelo Melo.
No final do sábado seus piores pesadelos tinham se tornado realidade – estavam todos fora do torneio. E, lógico, junto com seus sonhos os do público, pois tudo que os organizadores querem é ver os sonhos do público realizados.
A perda de uns são, muitas vezes, o ganho de outros. Assim sendo, Cuevas e Pella devem ser dois tenistas bem contentes com suas participaçoes no Rio Open.
Especialmente o argentino Pella (o outro também o é, apesar de jogar pelo Uruguai), que esteve com um dos pés fora do evento logo na 1a rodada, contra Isner. Só passou porque foi muito forte mentalmente, para derrotar o corta físico americano sacador.
Cuevas, apesar do respeito adquirido, ficou na lista negra dos fãs locais, que queriam mais uma oportunidade de assistir Rafael Nadal. Ficaram na mão, o que causou os mais diversos comentários, por parte de entendidos e praticantes locais do tênis, sobre o tema que Nadal não é mais o mesmo. Bem, não é mesmo. Agora nos resta descobrir o que ainda é. Mas isso é assunto para outra hora.
Se é pra falar de frustrações, tive a oportunidade de acompanhar na Quadra 1, a quadra “gostosa” do evento, pela proximidade que nos coloca dos jogadores, a derrota dos brasileiros Soares/Melo para os espanhóis nas semis das duplas. O público, mais do que frustrado ficou intrigado como o #1 do ranking, em parceria com o campeão do Aberto da Austrália, foram eliminados por dois “desconhecidos”. Pois é, acontece.
Talvez até porque, aos meus olhos, quadras de saibro à altura do mar não exatamente a praia favorita dos mineiros. Eles não tem a munheca para colocar uma pimenta nas bolas como, por exemplo, fizeram os espanhóis, além de seus serviços não serem tão fortes para fazer a bola machucar na altura do mar. Questão de estilo; eles tem mil e uma outras qualidades que funcionam melhores com pisos e circunstâncias mais rápidas. Como quase sempre acontece nas duplas, o jogo foi decidido em detalhes, uma ou duas bolas que se fossem a favor deles a história seria diferente. Mas as duplas são cruéis nesse aspecto – não perdoam.
Nada disso apaga o sucesso do torneio. Cada ano que passa fico mais fã do Rio Open. É um belo evento, bem organizado, que faz um esforço para que seu público seja bem recebido e tenha um espetáculo condizente com suas expectativas – uma responsabilidade nem sempre abraçada em terras brasileiras, não importa o tipo de evento.

Autor: Tags: ,

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016 Aberto da Austrália, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer | 12:54

Com licença.

Compartilhe: Twitter

O esperado confronto entre Federer vs Djokovic não fugiu do esperado, e aqui adiantado, cenário, nem ofereceu muito em termos de drama. Na verdade, o melhor do jogo foi a excelência que Djoko mostrou nos dois primeiros sets, considerando um oponente do gabarito de Roger Federer.
Este ainda tentou ficar no jogo, vencendo o 3o set, após leve tirada de pé por parte de Djoko, algo até esperado em partida de 5 sets, o que mostra que basta leves detalhes para um jogo entre esses cachorrões mudar de cenário. No 4o set Djoko ficou esperto novamente e Federer teve que se dobrar ao melhor momento do oponente.
A cada dia que passa fica, e ficará, mais difícil defender o subjetivo titulo de GOAT para Roger Federer. O tenista agora tem desempenho negativo com dois de seus contemporâneos – Nadal e Djokovic – e dificilmente conseguirá reverter isso até o final de sua carreira. Contra Djoko a idade corre contra, contra Nadal uma diferença muito grande (11×23) para ser virada.
A outra semi, entre Raonic e Murray deve, espera-se, oferecer mais dramaticidade, a cor que realmente entretêm o público. Mas considerando o perfil psicológico de ambos eu nao colocaria dinheiro nisso. Mas só pelo conflito de estilos técnicos já vale a pena assistir.
Mesmo às 6.30. Ligo a TV sem sair da cama, deixo com o som bem baixo, o bastante para ouvir o placar, se assim quiser, e os aplausos mais altos, quando merecidos, e assim redobrar minha atenção. Abraço minha mulher, tomo goles de água gasificada e fico brincando com minha consciência, ou a falta dela, alternando Tênis com Sonhos, até sentir que já faz sentido sair da cama e ir tomar meu café da manhã. E logo estarei na quadra para testar minha inspiração. É verão cá, como lá, o dia está lindo e adoro o esporte. Com licença.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016 Aberto da Austrália, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer | 13:44

Patatipatatá

Compartilhe: Twitter

Então o Milos Raonic furou a chave dos semifinalistas no AO. Não sei o que Wawrinka, Nadal e companhia têm a dizer a respeito. Pelo menos não é como a chave feminina, onde em um lado da chave deu o esperado, Serena(1) e Radwanska(4) e do outro a zebra correu solta com Kerber (7) e Konta (47).

Raonic está no radar dos GS há pelo menos um ano, sem conseguir materializar-se. Andou procurando ajuda fora das quadras para encontrar o diferencial. Fora aquela manga que usa no braço direito – supostamente para manter o braço aquecido?! tás brincando? – agora decidiu usar uma proteção bucal 24hs por dia. Diz que isso está ajudando na tensão mental, no pescoço, ombros e costas. Está tão feliz com o resultado que imagina que será algo para sempre. Bem, para sempre não sei, pelo menos enquanto o cara estiver com o tezão de vencer, imprenscindível para quem se dispõe a usar aquilo, só tirando, diz ele, para comer (e beijar??). O cara confessa que está tendo que aprender a falar e por enquanto fica no inevitável patatipatatá, o que deve ser um tormento, pelo menos para quem ouve.

Como tenista não faz minha cabeça; nunca admirei jogadores dependentes de um grande saque. Mas ele está na semifinal e com certeza deve estar fazendo outras coisas bem também. Diz que está investindo bastante tempo de seus treinos junto à rede para melhorar o voleio, instintos e colocação junto à rede. Pelo menos é algo de quem tem visão, e isso credito ao ex Ljubicic que fez a pré temporada com ele, e nao Carlos Moya, seu novo coach desde janeiro. Qualquer cara com um saque daqueles e dificuldades de movimentação tem que chegar rápido à rede e, vital, saber o que fazer por lá. Talvez devesse contratar o Carlos Kirmayr, que sabe do metier muuuuito mais do que o Moya.

Agora Raonic enfrenta Murray, que ainda não está na sua melhor forma mental (será que um dia estará?), mas adora devolver saque e que lhe ofereçam um alvo junto à rede. É o típico e interessante confronto de estilos. Eles jogam só na 6a feira.

Do outro lado da chave, o esperado confronto Djoko vs Federer. Quem não quer vê-lo? O jogo será 5a feira às 19.30h lá, 6.30h quinta feira aqui, o que quer dizer que jogam sem o calor do sol, o que quer dizer uma boa vantagem para Djokovic, ou mais preciso, uma desvantagem para Federer.

É um jogo para ser decidido nos dois primeiros sets. Se Djoko começar bem deve levar. Se Federer começar se impondo terá que prestar atenção até o fim, porque o outro tem tênis, cabeça, coração e físico para virar.
Em quem o caro leitor faz sua aposta? Tudo indica para uma vitória do servio. Mas todos vão torcer pelo suíço.

C´ést la vie.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 19 de janeiro de 2016 Aberto da Austrália, Porque o Tênis., Rafael Nadal, Tênis Masculino | 19:19

Findáveis mágicas

Compartilhe: Twitter

Porque El Rafa nao ganha mais os jogos que antes ganhava? A derrota, na 1a rodada, para Verdasco não podia ser mais exemplar. Em 2009, os dois se enfrentaram na semifinal do AO, em uma das mais partidas mais emocionantes que já assisti, com vitória do Animal, na bacia das almas, no 5o set. Para Rafa, foi mais uma de suas infindáveis mágicas vitórias – em seguida bateu Federer na final, em outra partidaça de 5 sets, levando o suíço às lágrimas. Quanto a Verdasco, tenho certeza que o cara nunca mais dormiu em paz – até esta madrugada.

Desta vez a história foi diferente. Na hora da onça beber água quem cresceu foi Verdasco e nao Nadal. E essa é a grande questão. Porque Rafa nao ganha mais essas partidas?

Desaprender não é o caso. Contusões também não acredito. O cara sempre jogou com dores e agora não está pior do que muitas vezes já esteve. Os outros melhoraram? Alguns sim, outros não, mas ninguém, a não ser Djokovic, o bastante para ser essa a diferença.

Ainda no 1o set, minha mulher, que é fã do rapaz, amuou e profetizou – ele vai perder. Não pus fé. Não vai não, eu disse. Bem, em breve ela deve começar escrever no Blog.

A derrota foi mais uma daquelas que, apesar de mais de 4hs de jogo, muita correria, pontos incríveis e golpes fantásticos teve um ponto onde tudo foi decidido. São aqueles pontos que quem conhece sabe, na hora, vai marcar na carne e tirar o sono de alguém. Quinto set, Nadal já liderando 2×0, e ainda com um break point no saque do Verdasco. Esse fica insano e começa a cuspir aces – três nos quatro pontos seguintes. Busca o game e mantêm o seu jogando como um possesso. Nao, desta vez não, pensou, não vou perder outra vez desse cara no 5o set na Austrália. No way, Jose. E assim foi.

E porque Rafa agora perde, não só seis games seguidos no 5o set, como esses jogos? Porque ele perde esses pontos, esses games? Antes, esses eram sua marca registrada. Na hora da decisão ele sempre encontrava a solução, sempre conseguia levantar o padrão, bombar a Confiatrix como nenhum outro. No more, Rafito.

Tenho em casa um livro do Gustavo Kuerten, assinado e com dedicatória. Nesta, ele fala sobre algo que eu disse a ele, quando ainda começando sua carreira profissional, que foi catar lá em sua memória, sobre o bem mais precioso que o tenista tem – sua confiança. Como uma flor, deve ser regada todo dia, cuida-la e, assim mesmo, se corre o risco de perde-la. Ele diz que sempre regou sua flor. Em algum lugar, em alguma quebrada da vida, numa esquina das dificuldades, Rafael Nadal se descuidou da sua. Ela ainda é viçosa, linda e exuberante como poucas no esporte, mas não é mais aquela que nos fascinava por sua exclusividade, raridade, algo nunca dantes vista por este que lhes escreve. Nesta vida nada é permanente, nem a confiança do cara mais forte mentalmente que já tive o prazer de assistir.

Autor: Tags:

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016 Aberto da Austrália, Novak Djokovic, Roger Federer, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino | 15:03

Melange do 1o dia

Compartilhe: Twitter

Pelo menos a Wozniacki merece um Post, algo que a ridícula Hantuchova, que perdeu 0 e 2 da Kuznetsova, que foi uma bela tenista e ainda se mantém, nao leva de jeito algum. A anoréxica da Eslovaquia decidiu, a muito tempo, que preferia sair com as pernas de fora na internet e revistas do que usar seu talento para jogar tenis. É tão fora da real que tentou trabalhar com o Larry Passos! Ela ia desistir no primeiro treino – isso se ele não decidisse antes.

 

Federer e Djokovic nem precisaram suar para ganhar. Foi um bom treino para ambos.

 

A Serena passou com alguma dificuldade pela argentina/italiana Giorgi. As duas estão peladinhas na internet, o que prova que na internet tem para todos os gostos e o tênis feminino mudou muuuito nos últimos anos.

 

Kristina Pliskova passou por uma decadente Stosur. As gêmeas Pliskova sempre me derrubam. São vitelinas e idênticas. A irmã Karolina tem melhor ranking e mais resultados e é mais bagaceira. Krystina é mais introvertida, mas tem mais tênis do que acredita. Porém, imagino, deve achar a irmã, com quem joga duplas, bem melhor e não consegue sair da sombra desta. Karolyna usa duas enormes tatuagens – uma no braço e outra na coxa. Provavelmente para se diferenciar da irmã. Além disso, uma foi ser destra e a outra, Krystina, canhota. As minas tem quase 1.90 e pernas sem dó.

 

A Errani, que era cabeça 17 também rodou na 1a rodada. Mas para essa eu tiro o chapéu. Só de pensar que a baixinha italiana chegou à final de Roland Garros eu já penso em rever meus conceitos sobre papai noel.

 

O Paire, o maior fantasmaço do circuito, que também era #17 (alooou papai noel!) também perdeu em três sets na 1a rodada. O adversário, Noah Rubin, é #328 do ranking!! Deve ter jogado tudo na inexistente direita do fantasma.

 

A Bensic, que um dia foi uma equilibrada adversária da Bia Maia, hoje é #12 do mundo já foi pra 2a rodada.

 

O Almagro, um talentoso doidinho, bateu o Bennetteau em 4 sets, no que deve ter sido um bom jogo. O espanhol, que esteve para abandonar as quadras, vai estar no Brasil Open.

 

O Coric, que muitos acreditam vá ser um cachorrao de 1a linha, perdeu rapidinho para o espanhol Ramos-Vinolas.

 

O Dodig perdeu na 1a rodada das simples – desejo inconfessável de Marcelo Melo em um GS. O ruim é que o cara, do jeito que vai, terá que jogar qualy em alguns torneios, o que pode mexer na dupla do Marcelo.

 

A Mladenovic bateu a Cibulkova. E eu nao vi o jogo…

 

O Sam Querry ainda joga tênis. Mas também perdeu.

 

A Teliana perdeu em dois sets para a Niculescu. Será que ela jogou na direita ou na esquerda da romena?

 

Autor: Tags:

Aberto da Austrália, Tênis Feminino | 14:02

De mal a pior

Compartilhe: Twitter

“Você pode enganar todas as pessoas por algum tempo e algumas pessoas todo o tempo. Mas nao pode enganar todos o tempo todo”. É claro que a célebre frase de Lincoln tinha a ver com a política de seus tempos e nada a ver com o tênis e Caroline Wozniack, que perdeu na 1a rodada do AO para a cazaque Putintseva.

 

A simpática e sorridente dinamarquesa já foi #1 do ranking, assim como a Safina, e isso diz algo a respeito do ranking feminino. Só que uma hora a realidade chutou a porta e aí o bode sentou na sala. Ou foi o pai dela??

 

Quando se tornou #1 do ranking fazia duas coisas na vida: batia todas as bolas cruzadas e tirava fotos rindo à toa. O joguinho dela sempre foi limitado e medroso, algo que eu dizia do início e me criticavam por conta. Sei! Bem, a minha mulher gosta dela, então vou parar por aqui.

 

Ela tentou algumas mudanças, alguns novos técnicos, mas nunca abriu mão da presença do pai que, segundo todos os técnicos, era quem impedia o progresso. O fato é que perdeu a confiança; as adversárias progrediram e ela estacionou.

 

Uma estatística explica bem o que Lincoln dizia: Desde 2011 sua participação no Aberto da Austrália foi: semifinal, quartas, oitavas, terceira rodada, segunda e primeira! Só espero que não chegue em 2017 perdendo na última do qualy.

 

Autor: Tags:

domingo, 13 de dezembro de 2015 Aberto da Austrália, Copa Davis, História, Olimpíadas, Porque o Tênis., Roland Garros, Tênis Brasileiro, Tênis Feminino, Tênis Masculino, US Open, Wimbledon | 22:03

O Tênis brasileiro no Jornal Nacional

Compartilhe: Twitter

Semana agitada no tênis brasileiro, especialmente fora dos torneios. Em uma semana o Jornal Nacional apresentou duas matérias sobre o tênis no Brasil, ambas bem positivas e sem ter Gustavo Kuerten como tema.

A primeira falou sobre o sucesso de Marcelo Melo, que fechou a temporada como o primeiro da ranking mundial, um feito extremamente positivo para nosso tênis. Marcelo soube aproveitar o declínio natural dos irmaos Brian, que dominaram o circuito nos últimos anos, mas nao venceram nenhum GS na temporada, para se instalar no topo do ranking. Para isso, teve que se preparar ainda melhor do que nas outras temporadas, negociar bem com seu parceiro titular, que teve um ano bem ruim nas simples, o que deve ter lhe causado algum estresse, manter a qualidade quando longe do mesmo e aproveitar as oportunidades que soube criar. Sim, porque uma coisa é criar as oportunidades, outra é ter a confiança e o gabarito de cacifa-las na hora da onça beber água que é quando os games, os sets, as partidas, os títulos e uma temporada sao definidas. Ter esse sucesso reconhecido em rede nacional para todos o Brasil ver deve ter sido bem gratificante para o Girafa.

A segunda, isso sem minha memória nao está a falhar, foi sobre a inauguração do Centro Olímpico de Tênis no Rio de Janeiro, novamente por uma luz positiva. Especialmente quando colocaram lá o caco de que a CBT herdará o complexo, após as Olimpíadas, uma das principais reivindicações da entidade e que faz todo o sentido. Aliás, deveriam, nao só colocar nas maos da entidade, que é quem tem o know-how para tal, como também desponibilizar uma verba para fazer o Centro – que deve, entre outras coisas abrigar o principal centro de treinamento do país – funcionar em seu dia a dia. Com um complexo igual ao de poucos eventos no planeta, a CBT terá a tarefa de nao só formar tenistas, como encontrar o melhor uso para tal local de outras formas, inclusive abrigar torneios, a Fed Cup e Copa Davis. O que me deixou um tanto encanado foi ter lido hoje que a CBT está negociando para se desfazer de seu torneio da WTA – nao sei a razao para tal passo.

O curioso na entrevista do JN, veio por conta da nossa tenista #1, Teliana Pereira, lamentar que o piso duro, o do Centro Olímpico, nao é o que mais lhe convém – ela quase que só joga no saibro. Até aí ela defendia o seu estilo e suas limitações. O que me trouxe um sorriso ao rosto foi a sua afirmação que o piso duro seria positivo aos duplistas Melo e Soares, que nao escolhem piso e, quase caí para trás, à Thomas Bellucci. Que torneios do Belo a nossa melhor tenista tem acompanhado?

Nao pode deixar de ser mencionado, e aplaudido, a decisão de escolherem o nome de Maria Esther Bueno para a Quadra Central do complexo. Afinal a tenista tem vários títulos de Grand Slam a mais do que Gustavo Kuerten ou qualquer outro brasileiro. Mas a minha cabecinha ficou pensando: porque nao fizeram como os americanos, que deram o nome de Billie Jean King ao complexo onde é jogado o Aberto dos EUA e à Quadra Central o de Arthur Ashe? Por aqui poderiam entao dar à Central o nome de Gustavo Kuerten, também um grande ídolo nacional. Ou será que pensam em fazer o inverso dos americanos em algum momento futuro? Vale lembrar que na Austrália nao deram o nome de um tenista ao complexo, e sim às duas quadras principais – Rod Laver e Margareth Court – em Roland Garros deram o nome de um aviador ao complexo e o de um cartola à Quadra Central e em Wimbledon eles nem pensam em uma ou outra idéia – e sendo como sao, dariam a Fred Perry antes de dar a Murray.

Autor: Tags:

terça-feira, 24 de novembro de 2015 Aberto da Austrália, História, Masters, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer, Roland Garros, Tênis Masculino | 10:29

O melhor

Compartilhe: Twitter

Nao teve choro nem vela em Londres. Novak Djokovic engoliu seus adversários como se fosse a baleia branca e nao ofereceu chances a ninguém. Alias, ainda se deu ao luxo de colocar um gostinho na boca de muita gente, ao perder, em dois sets, para Roger Federer na fase de qualificaçao. A conversa naquele dia foi se Roger havia jogado muito ou Novak jogado nada. O fato é que na hora da onça beber água o servio mostrou que atualmente ele é o cara sem muitas discussoes.

Djokovic tornou-se o primeiro tenista na história a vencer o Masters quatro vezes seguidas, um feito a se aplaudir em Londres ou qualquer outro lugar. O rapaz se concretizou como o melhor jogador do mundo e ficou a um passo de conquistar o seu Grand Slam particular ao vencer o Aberto da Austrália, Wimbledon e US Open, deixando escapar Roland Garros na ultima partida do torneio, quando era o favorito. A rapaziada deve estar aliviada que o suíço tenha conseguido a surpresa, porque nem Federer nem Rafa nem outro por aí vao conquistar os quatro maiores eventos na mesma temporada nos próximos anos. A nao ser que Novak o faça.

Outro feito importante para Novak é que nessa semana ele igualou o seu H2H com ambos rivais. Com Federer 22×22 e com Rafa 23×23. No futuro as chances sao que ele terá um H2H positivo com ambos, que sao considerados os “maiores”. E aí, como ficará essa história? Nadal nunca teve a pretensão, só mantinha seu H2H positivo contra o suíço GOAT e ficava na longe dessa conversa. Federer, mesmo sutilmente e silenciosamente, sempre encorajou. Agora vem o servio também para pousar na sua sopa. Por outro lado, aos 34 anos é um assombro tenistico e nao existe jogador que chegue aos seus pés junto ao coração dos torcedores em todo o planeta.

Autor: Tags:

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015 Aberto da Austrália | 18:29

Doeu?

Compartilhe: Twitter

Recebi uma provocação do Andre Sá via twitter. O rapaz quer saber o que acho sobre as “milongadas” do sérvio Djokovic na final. Nao escrevi ainda sobre a final e aproveito o cutucao para me mexer.

Vou escrever sobre as milongas sérvias, mas deixou claro que nao acredito que seja por isso que o servio venceu. Quando muito foi por isso que o MalaMurray perdeu; mas aí sao outros quinhentos.

Os dois primeiros sets fizeram promessas que o jogo nao pode cumprir. Até porque entraríamos em uma possível final de sete horas, algo sem precedentes. Os dois tenistas jogaram o fino do tênis, em nível de competitividade, atleticismo e técnica raramente visto. Digno de uma final e de nossas expectativas. Pensei em dar um pulo na piscina após o TB para dar aquele “bom dia”, mas conheço o meu gado. Esperei os primeiros games do 3o set para ver para onde a coisa iria.

Nenhuma surpresa Djoko perder um pouco a concentraçao por instantes, após deixar escapar um 2o set disputadíssimo onde teve suas chances, e junto perder o seu serviço. O estranho foi o que aconteceu em seguida. Todo mundo, menos aquela fanática torcedora do Djoko, sabe que o rapaz adooora dar umas milongadas. Muito antes de nós sabe o Murray, que o conhece desde os 12 anos. Por isso a surpresa do escocês cair no velho truque “ops, senti alguma coisa e quase caí no chão como um aleijado, mas daqui a dois games vou sair correndo, dar porrada para todos os lados e te pegar desprevinido para virar o jogo”. O pior é que ele faz essa encenaçao tao mal que chega a ser ridículo hilário. Só continua por que alguns ainda caem.

De verdade o Murray se distraiu com as macaquices do rapaz, segundo declarou, mais de uma vez, na entrevista após ser perguntado de várias maneiras pela imprensa. Sempre sem ser agressivo ou incriminatório. Nao que ele achasse que o cara estava contundido ou morrendo. Simplesmente deve ter pensado; esse cara vai tentar novamente essa baixaria? É, o cara tentou, você piscou, se distraiu, perdeu a vantagem, se enfureceu em ser tao patinho e nao conseguiu voltar ao mesmo nível de concentração. Adios título em Melbourne.

A imprensa pegou no pé do rapaz que, como sempre, se fez de morto e surpreso: quem eu?? Passei mal, essas coisas acontecem etc.

Convenhamos. A atitude é tao pueril – esse truque se faz no infantil ou na 4a classe e aquele pessoal já nao está mais caindo. Atrapalha? Sim, mas também nao é nada assimmmm. Até Kuerten pedia atendimentos a fisioterapeutas em momentos cruciais de Roland Garros ( e nao me refiro após ele ter tido a contusao que, com certeza, doia muito), mas sem apelar para “mancadas” e cara de quase desmaio. As baixarias que McEnroe, Connors e outros eram bem piores e cafajestes. Insisto, o Murray perdeu o jogo porque se enfureceu por ter caído como patinho, perdido a concentraçao e a vantagem de 2×0 no início do 3o set.

A partir daquele momento Djoko nao “sentiu” mais nada, e nem precisou. O outro se auto flagelou até o fim da partida como se tivesse 12 anos e ele jogou como o melhor do mundo. Isso nao quer dizer que Djoko nao chamasse o fisioterapeuta se a coisa nao funcionasse logo de cara e entao fizesse cara de quem iriam morrer em dois minutos enquanto ficasse deitado na quadra. Ou pedido para ir ao vestiário “se alongar”, ou retocar a maquiagem como as garotas cansam de fazer.

É isso aí Andre. Ja ví, já vimos, isso antes, por parte do Djoko e de outros, e outras, também. Nao é, nem de perto, das piores coisas que alguém pode aprontar em quadra. É idiota e assim deveria ser tratado. Ignora e aproveita para fazer mais uns games em cima do cara, ou pergunta, bem alto e com um sorriso cínico no rosto, se o cara vai morrer agora ou mais tarde. O resto é uma bobagem que um verdadeiro campeao nao se permitiria cair em uma final de GS, e, quiçá, segundo o padrao ético da pessoa, algo que um campeao também nao recorreria para vencer.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 Aberto da Austrália | 14:04

O ex.

Compartilhe: Twitter

Bem, graças à SKY, hoje podemos gravar programas e assistir quando quisermos – e sem comerciais!. Por isso devo assistir algo da partida pelas semis entre Berdich e Murray. Um confronto que promete. À parte da rivalidade, no bom sentido, entre ambos, e a disputa direta pelo ranking – Murray é #6 e Berdich #7 – os dois atualmente tem um crucial detalhe a mais a considerar. Pelo menos assim pensa o resto do mundo.

No ano passado, quando Murray anunciou a contrataçao de Amelie Mauresmo como técnica – e só podia ser ele, que adora ter a mae nas arquibancadas, a faze-lo (quanto será que a mae teve a ver com a decisao??) o seu circulo íntimo nao gostou nada. E chiaram. Em um primeiro momento Andy conseguiu contornar a situaçao. Mas nao durou.

Primeiro foi-se o preparador físico – aquele careca que sempre estava por perto – e em Novembro, após uma longa conversa, foi-se Daniel Valverdu, ex colega de treino na Espanha e que ficou cinco anos a seu lado como hitting partner (o cara que o aquece, treina com o tenista, come com o tenista e só, espero, nao dorme com o tenista – as mulheres top só treinam com eles, e nunca entre elas). O venezuelano se dava super bem com Ivan Lendl, com quem foi esperto o bastante para aprender. Mas o relacionamento com Mauresmo nao vingou e os dois acharam melhor a separaçao.

Meados de Dezembro Berdich descartou seu antigo técnico e o preparador físico. Contratou um preparador croata e Valverdu. Com a mudança radical, e na temporada que completará 30 anos, já devia estar pensando em dar um upgrade na carreira. Também chacoalhou a árvore.

Um detalhe – e isso já é lógica minha e nao um fato que eu tenha lido ou ouvido.

Nao é grande segredo que Berdich esticava um olho na direçao de Lendl, seu conterrâneo, desde de que este abandonou o barco de Murray. Deve ter insistido quando decidiu fazer e reviravolta na carreira. Lendl nao quer saber de viajar mais. É bem possível que Berdich tenha ouvido de Lendl que Dani Valverdu era o cara. Vale lembrar que o técnico declarou, mais de uma vez, a importância de Daniel no seu trabalho e na carreira de Murray e que tinha gostado muito de trabalhar com ele, Dani. Berdich comprou a idéia.

A vitória de Berdich sobre Nadal, que teve lá seus petelecos táticos, mostra o dedo de Valverdu. Na sua ultima entrevista no AO, Murray teve que responder a várias perguntas sobre o assunto. Se esquivou, dizendo que enfrentaria Berdich e nao o ex-técnico. Nao foi nem um pouco indelicado com o rapaz.

Mas deixou seu cutucao: disse que se Daniel sabe bastante de seu jogo, ele sabe o que Dani pensa do jogo de Berdich; “porque ele me disse”. Ouch

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última