Publicidade

domingo, 27 de março de 2016 Rafael Nadal, Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 13:06

Errando no processo

Compartilhe: Twitter

A chamada diária dos jogos é um processo difícil e que exige muita experiência por parte dos responsáveis. Não vou entrar nos detalhes, mas acreditem, é um verdadeiro quebra cabeça, especialmente nos primeiros dias do evento, quando tenistas estão envolvidos em chaves de simples e duplas, uma das maiores dores de cabeça do trabalho.

 
Na verdade, deve ser a única hora que os organizadores dão graças a Deus pelo fato de existirem mais e mais os tais especialistas de duplas; os que nunca jogam simples. Sim, porque se existe um fulano que os organizadores não gostam são os “especialistas” de duplas – mas isso é uma outra história, porque na hora de se fazer a chamada eles ajudam.

 
Pelo simples fato de que não apresentam o conflito, como o singlista que joga as duplas. Já imaginaram um jogo de duplas com os quatro neguinhos ainda envolvidos nas simples? Imaginem uns míseros seis jogos desses em um dia e temos 24 tenistas atravancando a chamada. Lembrem que um tenista que está nas duas chaves só pode jogar duplas após jogar suas simples. Por isso, invariavelmente as duplas são no fim do dia, a não ser que envolva quatro tenistas que não jogam simples – pelo menos naquele dia.

 
O fato é que mesmo com a sistematização do trabalho das “chamadas”, o pessoal ainda come uma bolas que não estão no cenário mais óbvio. Um exemplo foi o caso de ontem, na partida de duplas que reuniu Bruno Soares e Jamie Murray x Ram e Klaasen. Nenhum dos quatro envolvidos nas simples (Ram perdeu por WO na 2a rodada das simples?!).

 
A partida envolvia a dupla cabeça de chave #3 e campeã do ultima Grand Slam, além de envolver um tenista brasileiro em um evento repleto de brasileiros ávidos por assistir um conterrâneo, além de envolver um americano (Ram) e um tenista brigando para se tornar #1 do mundo (Murray). Será que alguém do “Comitê das Chamadas” lembrou desses detalhes. Podem apostar que não!

 
O jogo foi colocado na quadra 9, a mais acanhada do local, com uma arquibancada modesta que não fez frente sequer aos brasileiros que lá apareceram. Logo no início do jogo estava formada a confusão, com boa parte dos fãs se frustrando e, eventualmente, desistindo de assistir a partida. Vários (eu entre eles) apelaram para subir nos últimos degraus da quadra 2, que é vizinha da quadra 9 (não me perguntem a lógica disso).

 

Pior ainda foi, após tanto esforço e frustraçao, ver o brasileiro perder. A dupla não jogos bem, não aproveitou o fato de ter ganho o 1o set e não aproveitou a torcida. Aliás, ninguém em quadra jogo muito bem. Foi um jogo estranho, onde nem Murray se salvou – o cara, que vinha sendo o melhor em quadra, deu uma boa tremida no apagar das luzes.

 
Para completar o negro dia para nossas cores, após a derrota de Thomaz Bellucci, que desistiu da partida contra Misha Kukushikin (que tem um torcedor que fica gritando o nome dele a partida inteira), após esta ir para o 3o set, ainda tivemos o mesmo Bellucci entrando em quadra, já à noite, perdendo as duplas em parceria com Andre Sá, contra o ex de Bruno, Alex Paya e outro. Thomas não mostrava nenhum sinal de problemas físicos, a razão pela qual abandonou a partida.

 
O mais bizarro dessa partida é que Thomaz e Andre entraram como lucky losers, com o abandono de Marco Baghdatis e Michael Venus, que desistiram de jogar – talvez pela surra que o primeiro tomou do MalaKirgyos.

 
Bizarro porque originalmente Andre Sá se inscreveu em Miami com seu parceiro Guccionni, com quem não conseguiu entrar na chave, por conta do ranking. Mas a regra permitiu que ele e Thomaz se inscrevessem diariamente como “alternativos” e assim fossem chamados para entrar em quadra na desistência da dupla original.

 
Não acompanhei, mas imagino que tal “chamada” criou uma situação. Bellucci tinha abandonado sua partida de simples horas antes e, normalmente, ele (e ninguém) não jogaria uma partida de duplas logo depois. Mas já era noite (o dia tinha sido de um sol terrível e a noite estava bem gostosa) e o parceiro um amigo e um dos tenistas mais gostados do circuito.

 
Thomaz foi para o sacrifício e, em nenhum momento, mostrou corpo mole ou falta de interesse. Na verdade, achei Andre, um excelente duplista, mais incomodado com a circunstância e jogando abaixo de seu padrão.

 
Mas o sábado já estava escrito como ruim para os fãs brasileiros. Ahh, antes que eu esqueça. Rafa Nadal também abandonou, no início do 3o set de sua partida de simples, por conta de ter, como Bellucci, passado mal, com tonturas e mal estar. Talvez Belo tenha, em companhia tão digna, se sentido menos mal de ter se sentido mal.

Autor: Tags: , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.