Publicidade

Arquivo de novembro, 2015

domingo, 29 de novembro de 2015 Copa Davis, História, Olimpíadas, Porque o Tênis., Tênis Masculino, Wimbledon | 22:48

Sir Murray

Compartilhe: Twitter

E a profecia se realizou. Anos atrás eu escrevia no Blog que Andy Murray era um dos maiores talentos do circuito e que um dia suas habilidades iram se materializar. Lembro que uma legião escrevia que eu nao sabia do que estava falando e outras barbaridades – eram épocas que o tênis estava dominado pelo FeDal e o blog um tanto mais infestado de sofasistas delirantes do que eu gostaria. Os que acreditavam em Murray eram tao poucos que cabiam em uma Romi Isetta, segundo o Barao, um dos nossos fiéis leitores. Ça va!

Sendo quem é – Murray adora fazer o fácil, pelo menos para ele, ficar difícil, o escocês tem tido uma carreira aquém da que poderia ter. Falta aquela serenidade que o grande tenista tem face as agruras do circuito e do jogo de tênis em si. Mas, devidamente motivado o rapaz é um perigo e tem tenis para bater qualquer um . O duro nao é convencer a todos nós, seus fas, nem mesmo os incrédulos, de suas capacidades. O duro é ele mesmo se convencer.

Imagino, porque adivinho nao sou, que após os britânicos bateram os americanos na 1a rodada, com uma surpreendente participação do fantasmao James Ward, que na ocasião bateu o Isner na quadra dura coberta, Andy deu uma bela olhada na chave e viu ali a chance de uma vida. Considerou a inspiração de Ward e a ascendência de seu irmão nas duplas. Mesmo assim, a conta só fechava mesmo se ele ganhasse todos os jogos. Para isso se tornar realidade teria que deixar a viadagem de lado, as reclamações nos vestiários e concentrar em uma única coisa: ganhar jogos. E assim foi.

Fez algumas mágicas pelo caminho, especialmente nas duplas, com o irmão que nao é nenhuma brastemp, mas se vira, mas na final esteve bem pesadinho – O Bruno Soares vai suar na sua nova parceria! Nas simples, pelos resultados e pelo o que vi neste fim semana, impecável

No seu caminho ao título, algo que os britânicos nao saboreavam a 79 anos, Andy perdeu somente dois sets nas simples e venceu 24. E teve pela frente adversários como Tsonga, Simon, Isner, Tomic e o viajante Kokinnakis. Traçou todos com facilidade. E aos sábados tinha que carregar o irmão. Algumas dessas vitória pode-se chamar de heróicas, como sobre os australianos Hewitt e Groth, no 5o set, Mahut e Tsonga em 4 sets. Interessante que Andy nao jogou contra os irmaos Bryan, após Ward sacramentar os 2×0 no 1o dia. Os irmaos fecharam a temporada invictos, assim como Andy nas simples.

Vencer a Copa Davis praticamente sozinho é tarefas para poucos. Alguns conseguiam faze-lo em um ou outro confronto. É algo que sobrou para Gustavo Kuerten muitas vezes, já que nunca teve um singlista a sua altura. Pelo menos nas duplas, ele tinha Jaime Oncins, que na maioria das vezes era quem carregava tecnicamente a dupla, com Gustavo contribuindo com seu fortíssimo emocional, bons saques, boas devoluções e sua confiança, o que já é de ótimo tamanho.

Hoje Murray cravou seu nome na história do esporte britânico. O cara agora venceu o torneio de Wimbledon, a medalha de ouro olímpica, conquistada em Londres e a Copa Davis. Se nao é já deveria ser Sir. Se deram o nome do morrinho de grama para o Henman (Hill), aquele estádio sem nome no All England ficaria melhor com seu nome.

Infelizmente nao vi outras partidas dos britânicos na temporada – adoraria ter visto a dupla contra os australianos. Tudo entre australianos e britânicos é pessoal. Groth é um tremendo sacador e bom voleador e Hewitt um ótimo duplista (excelentes devoluçoes e bons voleios). Além de que era a derradeira chance de Hewitt vencer a Davis. 6/4 no 5o set também em Glasgow.

Talvez Andy se de ao trabalho de rever algumas de suas partidas na Copa Davis. Poderia se inspirar em seu um tenista melhor, algo que necessariamente passaria por ser uma pessoa melhor resolvida, mais focada em suas qualidades do que em seus possíveis erros, algo a que todos tenistas estão expostos. No fim do dia, o grande tenista é um grande administrado de dificuldades e crises, que aparecem a cada game e devem ser lidadas e solucionadas da melhor e menos dolorida maneira, algo que o rapaz tem dificuldades em fazer. Murray tem todas as ferramentas para ser o melhor, basta entrar na viagem certa, algo que Djoko, Nadale Federer sao mestres. A temporada da Davis mostrou que tal tarefa está à seu alcance, mesmo mentalmente, seu calcanhar de aquiles. Ele queria muito vencer Wimbledon, as Olimpíadas e a Copa Davis, de longe os mais importantes títulos que um tenista britânico pode almejar. Agora tem que decidir se quer algo mais. Especialmente ser Grande.

Autor: Tags:

sexta-feira, 27 de novembro de 2015 Sem categoria | 10:51

Começou a Davis

Compartilhe: Twitter

Respondendo às dúvidas sobre o porque o Darcis nao está jogando. Uma possibilidade seria o seguinte: o Darcis nao joga hoje e descansa. Joga a duplas, que nao é cansativo fisicamente, só mentalmente. E entra para jogar, como #2 em um possível e decisivo quinto jogo. Nesse cenário, menos cansado do que se jogasse três dias seguidos.

No entanto, durante a cerimônia de abertura deram um close up no rosto do Darvis e o cara estava congelado. Vai saber, se eles nao sabem algo que nós nao sabemos.

Aliás, muito bem bolado, e ficou muito legal, a maneira como “desceram as cortinas” para iniciarem a cerimônia e mostrarem todos em quadra. Começou bem.

Primeiro jogo: Gofin x Edmund. E o primeiro game durou 11 minutos!

Segundo jogo: Murray x Bemelmans

Autor: Tags:

quinta-feira, 26 de novembro de 2015 Copa Davis, Tênis Masculino | 13:10

Quem joga a final da Davis

Compartilhe: Twitter

Surpresas na escolha dos tenista de ambos os times na final da Copa Davis? Os belgas deixaram Steve Darcis, 31 anos, experiencia em Davis e 84 do ranking, de fora e escolheram Ruben Bemelmans, 27 anos, 108 no ranking a quem nunca vi jogar – o cara joga mais Challengers.

Os ingleses nao tinham lá muitas opções, mas tinham que fazer uma escolha. Escolheram Kyle Edmund, 20 anos e 100 do mundo. O penúltimo evento do rapaz foi em um Challenger no saibro de Buenos Aires, quando bateu, entre outros, o brasileiro Ghem e os argentinos Zebbalos e Berlocq, na final. Deve ter dado uma confiança no rapaz, especialmente se tiver que jogar a quinta e decisiva partida contra o Bemelmans ou o Darcis para decidir quem fica com o caneco.

Os numero 1 dos países, sao, of course, Andy Murray, numero 2 e David “baby face” Goffin, numero 16. Esses só se encontram na 1a partida de domingo. Antes disso muita água vai rolar em Ghent.

O primeiro dia, amanha, deve terminar empatado com a vitória dos favoritos. O segundo dia, deve, a princípio, ter a vitória dos irmaos Murray. Sendo assim a partida Murray x Goffin seria de vida ou morte para os belgas. E os coadjuvantes decidiriam – isso sim seria uma final empolgante.

Autor: Tags:

quarta-feira, 25 de novembro de 2015 Copa Davis, História, Tênis Masculino | 10:21

Suando em Ghent

Compartilhe: Twitter

É óbvio que os horríveis recentes acontecimentos em Paris, e suas repercussões na Bélgica, estarão nas mentes de todos os envolvidos na final da Copa Davis entre a Gra Bretanha e a Bélgica neste final de semana. Os belgas por serem os anfitriões, sabendo que as células que atacaram Paris tinham fortes conexões no país e os britânicos por estarem envolvidos na guerra com o País Islâmico.

Nos bastidores as negociações foram intensas e chegou a ser cogitado no mínimo a mudança de local. Após muita conversa e garantias dos belgas, que montarão um mega esquema de segurança o evento segue. Por alguma sorte ele nao acontece em Bruxelas e sim na charmosa e pequena cidade de Ghent.

Murray foi perguntado e nao se omitiu de responder às questões a respeito. Confessa que é algo que esteve na mente de todo o time nos últimos dias e se realmente final deveria acontecer como programado. Mas acredita que as garantias foram dadas e os britânicos encarregados do assunto, provavelmente incluso as forças de segurança do país, deram o aval e o plano seguiu. Murray, assim como outros membros chegaram a Ghent em vôo particular e tem se restringindo ao hotel e ao local do confronto.

Sao esperados 1000 torcedores britânicos para a final da Davis. E para eles Murray também tinha uma mensagem. Cumpram todas as orientações de segurança oferecidas pelos organizadores e policiais. Acrescentou que ele entenderia se alguns deles decidissem ficar em casa e acompanhar pela TV.

O evento – a Copa Davis – já é tenso per si. Por ser uma final inédita de Copa Davis, fica ainda mais tenso. Sao dois país que caíram ali, pode-se dizer correndo o risco de alguma injustiça, de para quedas. Dificilmente, nas próximas décadas, terão chance igual de vitória. Todos se sentem pressionados pela possibilidade. Os affairs extra quadra colocarao uma pitada extra na mente de todos e irá aumentar a pressão de cada tenista nas partidas.

Só de curiosidade; nos meus tempos de Copa Davis tivemos que enfrentar algumas situações de alguma maneira semelhante. Na Argentina nos anos setenta, chegamos a ser parados na rua por uma blitz do exército, quando nos trataram, pode-se dizer, nada elegantemente. Encanaram com a vasta cabeleira de Carlos Kirmayr e chegamos a ter nosso quarto do hotel invadido pela polícia a procura só eles sabem do que. Em Lima tivemos uma partida interrompida por um estrondo enorme em um prédio próximo que deixou o estádio lotado totalmente mudo – as pessoas nao se mexiam nem falavam, parecia uma missa. Durante toda nossa estadia estivemos acompanhados por soldados armados de metralhadoras – inclusive nas portas dos quartos durante a noite. Só nos locomovíamos em três carros com homens armados e nós no carro do meio – uma kombi. Isso sem mencionar agressões físicas e ameaças de morte que recebemos em outros locais. Bem, eu ainda estou aqui para contar e no final do domingo espero que tudo esteja na santa paz em Ghent e possamos curtir mais uma final desse espetacular competiçao.

Autor: Tags:

terça-feira, 24 de novembro de 2015 Aberto da Austrália, História, Masters, Novak Djokovic, Rafael Nadal, Roger Federer, Roland Garros, Tênis Masculino | 10:29

O melhor

Compartilhe: Twitter

Nao teve choro nem vela em Londres. Novak Djokovic engoliu seus adversários como se fosse a baleia branca e nao ofereceu chances a ninguém. Alias, ainda se deu ao luxo de colocar um gostinho na boca de muita gente, ao perder, em dois sets, para Roger Federer na fase de qualificaçao. A conversa naquele dia foi se Roger havia jogado muito ou Novak jogado nada. O fato é que na hora da onça beber água o servio mostrou que atualmente ele é o cara sem muitas discussoes.

Djokovic tornou-se o primeiro tenista na história a vencer o Masters quatro vezes seguidas, um feito a se aplaudir em Londres ou qualquer outro lugar. O rapaz se concretizou como o melhor jogador do mundo e ficou a um passo de conquistar o seu Grand Slam particular ao vencer o Aberto da Austrália, Wimbledon e US Open, deixando escapar Roland Garros na ultima partida do torneio, quando era o favorito. A rapaziada deve estar aliviada que o suíço tenha conseguido a surpresa, porque nem Federer nem Rafa nem outro por aí vao conquistar os quatro maiores eventos na mesma temporada nos próximos anos. A nao ser que Novak o faça.

Outro feito importante para Novak é que nessa semana ele igualou o seu H2H com ambos rivais. Com Federer 22×22 e com Rafa 23×23. No futuro as chances sao que ele terá um H2H positivo com ambos, que sao considerados os “maiores”. E aí, como ficará essa história? Nadal nunca teve a pretensão, só mantinha seu H2H positivo contra o suíço GOAT e ficava na longe dessa conversa. Federer, mesmo sutilmente e silenciosamente, sempre encorajou. Agora vem o servio também para pousar na sua sopa. Por outro lado, aos 34 anos é um assombro tenistico e nao existe jogador que chegue aos seus pés junto ao coração dos torcedores em todo o planeta.

Autor: Tags:

terça-feira, 17 de novembro de 2015 Masters, Rafael Nadal, Tênis Masculino | 11:28

Acordando sofrendo

Compartilhe: Twitter

Duas coisas dá para se ter certeza.

Wawrinka é um tenista com talentos e habilidades, dono de um tênis clássico, vistoso e muito eficiente. Mas é um tenista instável, já foi beeem mais, a ponto de ser donos de dois títulos em Grand Slam. Mas a perseverança e garra nao sao seus parceiros incondicionais.

A segunda coisa é que Rafael Nadal nao é aquela brastemp técnica, apesar de ter um dos melhores golpes do tênis – seu forehand. Mas tem o maior poderio mental e emocional que já vi em uma quadra de tênis e olhem que vejo quadras de tênis há décadas. Às vezes penso o que seria acordar de manha e a primeira coisa que entraria em minha mente seria o fato que naquele dia eu teria que enfrentar o Animal em uma quadra de tênis – terrível. Acho que foi assim que Wawrinka acordou ontem antes da tunda que levou. Pelo menos pareceu.

Autor: Tags:

segunda-feira, 16 de novembro de 2015 Copa Davis, História, Masters, Tênis Masculino | 12:39

Fogo Cruzado

Compartilhe: Twitter

Nao se pode dizer que Andy Murray seja um estranho a fogo cruzado, uma das situaçoes mais desagradáveis de se viver. É só lembrar que sua vida foi e será marcada pela tragédia na sua escola em Dunblane, Escócia, quando 16 crianças foram assassinadas e ele estava a poucos passos de onde tudo ocorreu.

Desta vez a situaçao é bem mais amena, mas nao deixa de ser bicuda, considerando a carreira e o momento desta para o britanico. Ele está a um palmo de terminar a temporada como #2 do ranking. Basta o Federer nao elvar o título e ele ganhar dois jogos em Londres.

Parece mais simples do que é. Sem nenhum título nos Grand Slams, que é onde realmente importa para os cachorroes, ele está a tres vitórias na Belgica para conquistar a Copa Davis desta temporada. Algo bem factível, considerado a “força” do time belga.

Para ficar claro as prioridades, Andy, após Paris, voltou a Londres para treinar nas quadras de saibro do Queens Club. E assim foi até este fim de semana.

Hoje ele estréia contra Ferrer, um casca de ferida que viave dos vacilos alheios.

Para piorar sua sinuca de bico, ele pode garantir o #2 do ranking em frente a seu publico, algo sempre mais contundente. Mas é bom lembrar que ele nunca foi além das semis no Masters londrino.

Como a cabeça do rapaz já é complicada sem fogo cruzado, fica difícil prever o que ele fará e como será seu empenho e performance em Londres.

vale dizer que ser #2 é importante e deve valer muita grana em seus contratos – o ranking que vale para os contratos é sempre o do fim da temporada – mas nao terá o mesmo peso de um titulo de Copa Davis, algo que a Gra Bretanha nao conquista desde 1936. Ou seja, ele definitivamente colocará seu nome em ouro sendo o primeiro britanico a ganhar Wimbledon e Copa Davis desde Fred Perry quase 70 anos atrás.

Convenhamos que quanto ele melhor for em Londres pior será sua preparacao para a Belgica – tanto pelo desgaste como, mais importante, pela falta de treino no saibro, que nunca foi seu piso preferido.

Como ele irá equacionar tudo isso em sua mente determinará a qualidade de sua participacao em Londres e, bem mais importante, pelo menos pra ele e os britanicos, afetará a chance, que, pelo andar da carruagem, pode demorar outros 70 anos para surgir para a Gran Bretanha de ganhar a Copa Davis, algo que eles ganharam nove vezes até 1936.

Autor: Tags:

quarta-feira, 11 de novembro de 2015 História, Masters, Tênis Masculino | 15:01

O Masters homenageia a história

Compartilhe: Twitter

Reverenciando o passado, algo que sempre diz boas coisas sobre qualquer cultura, a ATP decidiu nomear os grupos do ATP World Tour Finals com nomes de tenistas que marcaram a história do evento. Assim, ao invés de Grupo A, no evento de simples, teremos Grupo Stan Smith, vencedor do primeiro Masters, realizado em Tókio em 1970 – desde entao havia uma tentativa de agitar o tenis masculino japonês, algo que só se tornou realidade com a chegada de Kei Nishikori, que estará presente. Na época o torneio teve somente seis jogadores, no sistema round-robin de um contra todos.

O Grupo B será o Grupo Ilie Nastase, homenageando um atleta carismático, manhoso, bad boy e com um talento da estirpe de Roger Federer. O romeno Nastase venceu o evento em 1971, 72, 73 e 75, em uma época de nomes como Stan Smith, Arthur Ashe, Jimmy Connors, Rascoe Tanner, Vitas Gerulatis e, nos primeiros anos, ainda pegando o fim das carreiras de Laver, Rosewall e Newcombe – atentem, quase todos americanos e australianos crescidos em quadras super rápidas, piso que imperava na época junto com o estilo saque/rede.

Seguindo a recente formato das duplas serem jogadas no mesmo local e data das simples, os grupos também receberam nomes de grandes duplistas. O Grupo A será Ashe/Smith, vencedores do primeiro evento – percebam que Stan Smith fez barba e cabelo em Tokio. O Grupo B recebe uma homenagem ainda mais marcante. McEnroe/Fleming, uma dupla que, nos seus respectivos auges, pegaria os Bryans e faria-os dançar o twist de trás pra frente. Eles venceram o Masters SETE anos consecutivos – lembrando que ao mesmo tempo McEnroe venceu as simples do Masters três vezes e enquanto teve 71 títulos de duplas, brigava pelo topo do ranking em simples, onde teve 77 títulos. Uma pena que eu nao era amigo do cara na época, pois teria uma chance de faturar um título também! A melhor dupla do mundo entao era ele e mais um.

O Barclay ATP World Tour Finals, que começou como “Masters”, e teve teve diferentes nome nos últimos 45 anos, começa no Domingo. É jogado no maravilhoso “O2 Arena” em Londres e deve ser transmitido no Brasil pela SporTV.

Autor: Tags: , , , , ,