Publicidade

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014 Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 10:48

Calote

Compartilhe: Twitter

Novak Djokovic nao deve aparecer pelo Brasil tao cedo para jogar uma exibiçao. A nao ser que receba, como às vezes é exigido, dinheiro adiantado. Geralmente o adiantado é pedido quando o contratante nao tem crédito na praça, ou por ser desconhecido ou por ter manchas no passado. Como aos olhos de Djoko nem seu amigo Petkovic, que lhe apresentou o negócio, nem o Governo do Rio de Janeiro, o pagador, pertenciam a essas condiçoes, o rapaz veio de boa fé – até certo ponto, 60% – bater uma bolinha com Gustavo Kuerten na cidade maravilhosa. Na verdade veio depois de receber cerca de 40% do combinado – nao me perguntem quanto porque ninguém diz, só imagino que nao era pouco. O resto nao viu até hoje.

Bater uma bolinha é o máximo que se pode dizer da exibiçao com o nosso melhor tenista que padecia de contusao dolorida e suas consequentes limitaçoes. Mas como os dois dominam a comunicaçao e transbordam no charme, o público adorou. Teve também passeios pela Rocinha e fotos em áreas carentes. Agora chega a público, através da coluna do Ancelmo Goes, e nada acontece por acaso, que o sérvio tomou um calote de cerca de 60% do combinado.

Quem puxar pela memória lembrará que o Governo do Rio, através de sua Secretaria de Esporte e Lazer, também tinha assinado um contrato com a ATP para colocar o nome do Rio na rede do Masters Finals por três anos. Fazia parte das intençoes do Rio em trazer o Finals para o Rio. Depois de um ano a marca sumiu da rede e a ATP andou chiando pelos corredores pela quebra do compromisso. As chances do Finals no Rio foram para o brejo, a segunda vez que isso acontece (a primeira quando no ultimo instante foram para Lisboa após negociaçoes fracassadas com o Governo de Sao Paulo).

Gustavo Kuerten publicou no twitter sua indignaçao com o calote e a “falta de ética” por parte do Governo do Rio de Janeiro; mas nao nos informou se também levou o cano, ou nao, no negócio.

Quanto ao Governo do Rio de Janeiro, diz que deve, nao nega e paga nao diz quando.

Autor: Tags: