Publicidade

quarta-feira, 23 de maio de 2012 Minhas aventuras | 12:01

Círculos

Compartilhe: Twitter

Aproveitando a pergunta de alguns leitores e amigos, informo que minha parceria com a ESPN terminou após o Aberto da Austrália. Foram 15 anos como representante do Tênis dentro de um canal que começou como uma grande aventura e da maneira mais modesta. Fui convidado por José Trajano, com quem tinha trabalhado anteriormente e que saiu da direção do canal no fim do ano passado. Foi uma excelente experiência e um belo aprendizado.

Logo no início ajudei a produzir o Jornal do Tênis, onde eu tinha a minha “coluna”, um programa semanal que foi ao ar quando assumi os custos totais da produção, custo que corri atrás vendendo cotas do programa. Felizmente, mesmo sendo na infância da TV a cabo, nunca perdi dinheiro, pelo contrário, algo do qual me orgulho.

Naquela época – pré Gustavo Kuerten – a ESPN ainda tinha os direitos dos Master Series, que veio a perder para a SporTV. Durante alguns anos, editei e comentei os jogos dos MS, que eram passados em tape e não tinham a mesma audiência e a repercussão atual.

Após sete anos de JT, surgiram conflitos sobre o comercial, decidi não arcar mais com os custos e o programa JT eventualmente saiu do ar. Voltou há uns dois anos, acredito.

Após anos viajando – como treinador e depois como colunista do Jornal da Tarde e Estadão, para onde fui graças ao convite do amigo e jornalista Edu Carvalho – em 2005, decidi viajar menos e passei a comentar os Grand Slams no canal, sempre dos estúdios no Sumaré, bairro paulistano. Nesse período encarei também Olimpíadas, torneios menores, exibições e comentários na internet. Abracei todos com gusto e dedicação. Essa foi a realidade até o Aberto da Austrália deste ano.

Agora, com alegria e uma pitada de ansiedade, vou mergulhar nas infindáveis alternativas que a vida oferece, escolhendo as que me trarão maiores felicidade, que é meu motto de vida para o resto dos meus dias.

Sobre o assunto, o Paulo Coelho, entre outros, tem uma colocação mais óbvia. Mas fico com a de Rainer Rilke:

Vivo minha vida em círculos cada vez maiores

Que se estendem sobre as coisas

Talvez não possa acabar o último

Mas quero tentar.

Autor: Tags: