Publicidade

segunda-feira, 26 de setembro de 2011 Tênis Brasileiro, Tênis Masculino | 14:21

Final mineira

Compartilhe: Twitter

Não sei os detalhes do porque os mineiros Andre Sá e Marcelo Melo deixaram de jogar duplas juntos. Mas não é nada raro uma dupla se desfazer. As razões podem ser múltiplas, tanto amenas como bravas. Pelo o que sei a dos mineirinhos foi numa boa, fazendo jus à fama do estado, mais um ajuste de carreiras do que qualquer outra coisa.

Como qualquer relacionamento, o de duplistas pode se esvaziar com o tempo. Boa parte das vezes o que dá liga é o relacionamento fora das quadras. O que segura é a continuação desse relacionamento e os bons resultados. Já vi dupla ser desfeita porque os resultados minguaram, assim como já vi dupla no auge do sucesso terminar por conta de desavenças fora das quadras. Sá e Melo vinham tendo razoável sucesso – foram às semis de Wimbledon em 2007 e venceram 5 ATP Tour – e continuam amigos fora das quadras. Mas às vezes as ambições e planos não casam. Apertam-se as mãos e bola pra frente.

Hoje em dia as duplas tendem a ser mais perenes – pelo menos é a idéia. Antigamente, quando os singlistas eram também os duplistas, as de maior sucesso eram perenes, mas existiam também as de ocasião, conforme a disponibilidade dos tenistas nos eventos. Hoje, a maioria das duplas é de “duplistas” que sequer jogam simples; esse pessoal tende a buscar um parceiro fixo e desenhar seus calendários juntos. Alguns ajustes são feitos na bacia das almas para melhor acomodar rankings – essa é sempre uma hora punk para o pessoal que está no limbo.

É óbvio que a maioria é de tenistas do mesmo país, com uma história comum. Faz mais sentido no quesito relacionamento pessoal – dupla hindu-paquistanesa está aí para ser a boa exceção.

Não tenho a certeza que foi a primeira vez que os dois mineiros se enfrentaram após a separação. Quase tenho a certeza que foi a primeira em uma final – especialmente no ATP Tour. Quando vi que se enfrentariam fiquei imaginando o clima e a disputa que haveria. Por mais que sejam bons amigos, deve ter havido uma vontadinha a mais de vencer esta partida. Se há uma rivalidade saudável até em partidas de pangas, porque não haveria entre os cachorrões?

Na final de Metz, André Sá se emparceirou com Jamie Murray, irmão de Andy, e Marcelo, que vem jogando com outro mineiro Bruno Soares, jogou com o checo Dlouhi. Sá e parceiro venceram em dois sets. Mas aposto que os amigos de belohorizonte foram jantar juntos para comemorar os resultados.

Andre Sá e Marcelo Melo do mesmo lado da quadra.

Autor: Tags: ,