Publicidade

Arquivo de março, 2010

domingo, 7 de março de 2010 Tênis Masculino | 16:21

Seguro viejo

Compartilhe: Twitter

E os suecos caíram na milonga Argentina. Em uma vitória anunciada, assim que Nalbandian iniciou a encenação de chegar em cima da hora para o confronto, os suecos pagaram o preço de ser um time de um homem só. Pelo seu lado, a Argentina mantêm a tradição de grandes times de Copa Davis, mantendo a mais injusta escrita da competição ao continuar sem um título.

Nalbandian mais uma vez prova que a competição continua muito viva, pelo menos no coração daqueles tenistas que tem como prioridade jogar por seu país.

O jovem Leonardo Mayer expos a fragilidade do segundo tenista sueco ao vencer o kamikaze Johansson sem maiores dramas, o que deixou o time argentino bem vivo para o segundo dia.

Zeballos aguentou o tranco ao lidar com a pressão nas duplas, ponto que ficara claro então decidiria o confronto. Mais uma vez a Suécia sentiu falta de um tenista a altura do confronto, o que não tira o brilho da vitória da dupla Argentina, já que Nalbandian tem mais cojones do que o Soderling qualquer dia da semana.

No sábado, após a dupla, eu mencionei à minha mulher que Tito Vasquez chamaria Mayer e Nalbandian e teria o seguinte dialogo: Leonardo, pode ir lá, jogar a vontade, enfia a mão na bola e dá uma canseira no boludo Robin,  porque, de qualquer maneira, depois El Pança entra em quadra e ganha de quem tiver do outro lado da rede; o pizzaiolo ou o kamikaze. Certo, Pança? Ao que o cordobes retrucaria: seguro viejo, tranquillo.

Autor: Tags: , , ,

sábado, 6 de março de 2010 Copa Davis, Tênis Masculino | 23:20

Peggy Sue

Compartilhe: Twitter

Acabei de assistir Peggy Sue got married do Francis Copolla, onde, para variar, a Sofia faz uma ponta no filme do pai. Com um professor desses tinha que aprender. O tema do filme sempre me emocionou. Quem ficar curioso descubra. Até por isso, às vezes fico pensando a idade de algum dos meus leitores. Até algum tempo atrás a Folha de São Paulo tinha o hábito de colocar a idade das pessoas – poderia ser assim para quem comentasse no blog.

Alguns – e suspeito que devam ser da mais tenra idade – comentam que odeiam acompanhar as partidas pela internet. Se irritam porque a imagem não é das melhores. Considerando que não há transmissão pela TV e que alguns anos atrás era impossível acompanhar os confrontos da Copa Davis, a não ser que se estivesse de corpo presente, acho que ter as imagens de uma partida realizada em Belgrado, na tela do meu computador, simplesmente inacreditável bom para ser verdade.

Foi a segunda vez que acompanhei partidas pela internet. Não se preocupem os reclamentos, eu também preferia assistir em HD no telão. Mas como não tem, achei maravilhoso acompanhar as emoções das duplas entre americanos e sérvios, com a vitória dos primeiros. Infelizmente para eles o sonho deve acabar na próxima partida, entre Djoko e Isner.

Entre os vários detalhes que me interessaram e chamaram a atenção, um deles sobressaiu e, sem duvida, decidiu a partida.

Terceiro set, um set a um, tie-break, set point para os sérvios e Bryan sacando. Naquele momento os sérvios já haviam tido cerca de 5 set points e não conseguiam fechar. Brian saca forte, Tipsarevic responde forte na paralela, Isner faz golpe de vista, a bola cai em cima da linha, os sérvios comemoram e o estádio vem abaixo. Ops, um minuto!!

Pascal Maria, árbitro francês e um dos mais experientes do circuito desce da cadeira, olha a marca, confirma a bola como boa e dá o ponto para os americanos. Espere um instante, leia novamente e veja se isso faz sentido!?

Se foi boa e o Isner fez golpe de vista e a bola caiu na linha, por que ponto dos americanos?

O que aconteceu foi que no instante em que Tipsarevic rebateu, seu parceiro, Zimonijc, levantou o dedo assinalando a bola como fora. Com isso, o ábitro fez, das duas uma; considerou que o movimento de Zimonijc atrapalhou a dupla americana ou que com o movimento de levantar o dedo o sérvio interrompeu o ponto, alegando que a bola havia sido fora, e com isso assumiu a responsabilidade da chamada.

A confusão foi grande e a coragem do árbitro maior ainda. Após as reclamações e as vaias, os sérvios perderam a concentração, o set, o set seguinte, sendo que até aquele momento não haviam quebrado o saque dos adversários nenhuma vez, e a partida. Um ponto, no meio do confronto, e a decisão do árbitro tira a dupla da casa do jogo e muda o panorama da partida e do confronto. Sem a internet eu nunca teria acompanhado e sequer imaginado. Às vezes agradeço por ter vivido uma realidade distinta para usufruir a que hoje desfruto. Peggy Sue descobriu isso ao desmaiar.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 4 de março de 2010 Copa Davis, Tênis Masculino | 16:57

Fim de semana com Davis

Compartilhe: Twitter

Esta é uma das mais divertidas semanas da temporada. A não ser que você não goste de Copa Davis. E se não gosta azar seu. Jogos não vão faltar. O que talvez falte, além de um confronto envolvendo o Brasil, seja um televisionamento por aqui. No site da SporTV e da Bandsport não diz nada sobre Davis. A ESPN eu sei que não mostra. Alguém pode me ajudar?

Abaixo, um breve olhar sobre os confrontos do Grupo Mundial que têm um pouco de tudo.

EUA x Sérvia – O Tipsarevic ficou de fora das simples e entrou o Troicki, que enfrenta o Isner. É a chance dos americanos não caírem para a 2ª divisão, o que será um escadalo por lá. Mas se o sérvio vencer, bye bye gringos. Em seguida Djoko encara Querrey, que vai jogar como quem não tem nada a perder, o que é sempre perigoso em um cara com a mão pesada. O confronto está nas mãos do Djoko, que tem que vencer toda a vez que entrar em quadra. Pressão.

A Espanha recebe a Suíça sem Federer. Aliás, o Chiudinelli falou o que ninguém quer falar; que o Federer devia ajudar o país na Copa Davis. Por enquanto não vi réplica do número 1. O confronto abre com Wawrinka x Almagro, o que pode ser uma chance dos suíços saírem na frente. Mas depois, com o Chiudinelli e o Ferrer em quadra, o bicho pega. Se o bonitão estivesse jogando a vitória seria dos suíços, já que o outro bonitão não joga. A Espanha só perde se o Wawrinka desembestar total, algo tão improvável de acontecer como os suíços devolverem o dinheiro roubado lá depositado.

A Rússia recebe a Índia para mais um massacre. Talvez, para salvar a pátria, os hindus vençam as duplas, com Paes e Bhupathi. O resto é tão fácil que o Davydenko arrumou uma contusão. Os russos vão de Andreev, Youzhny e depois muita balalaika, vodkas e loiras.

A Argentina vai a Suécia. Vão jogar na quadra dura e rápida, sem o Nalbandian, pelo menos no 1º dia. Vão de Leonardo Mayer e Eduardo Schwank e descobrir com quantos paus se faz um drakkar. Os suecos têm o bem humorado Soderling e ressuscitaram o viking Joachiam Johanson e o pizzaiolo Vincinguerra. Por enquanto joga o primeiro. Vamos ver se o Nalbandian entra nas duplas ou mesmo no 3º dia. Jogo durissimo para os hermanos.

A Croácia recebe o Equador. O Equador? É, ganhou do Brasil, em Porto Alegre. Mas o ex-capitão jura que foi uma vitória moral. Infelizmente a FIT não reconhece. Os croatas têm o Karlovic, o Cilic, o piso e o público. Os equatorianos têm os irmãos Lapentti. Lá vem o Equador para baixo de novo.

Os checos vão a Bree, na Bélgica. Chegam com Stepanek e Berdich, finalistas no ano passado. Confrontam os irmãos Rochus e talentoso e inconstante Xavier Malisse. Os checos são favoritos, mas este é típico confronto de Davis que pode ir para qualquer lugar. Vai saber o que se passa pela cabeça e o coração dos belgas.

Os alemães atravessam a Linha Maginot, invadem a França e desta vez devem se dar mal. Os galos têm Tsonga e Monfils nas simples e Llodra e Benneteau para qualquer dúvida. Os alemães vão de Kohlschreiber e Becker, o Benjamin, não o Boris. Monfils e Kohlschreiber abrem o confronto. Uma vitória do mano francês sacramenta a vitória.

O ultimo confronto é entre o Chile e Israel. Já escrevi sobre a partida e a nossa torcida fica, por mais de uma razão, pelo hermanos del norte.

Com quantos paus se faz um drakkar? Resposta este fim de semana em Estocolmo.

Autor: Tags:

quarta-feira, 3 de março de 2010 Copa Davis, Tênis Masculino | 19:57

Bem vindos.

Compartilhe: Twitter

Se o confronto de Chile x Israel chama a atenção por conta da tragédia e das emoções, o confronto entre Sérvia x EUA chama a atenção por outras razões.

Os americanos, os maiores vencedores da centenária competição, vivem um dos piores momentos de sua história tenistica e terá que enfrentar um país que tem o atual numero 2 do mundo, um dos melhores duplistas do circuito, um tenista encardido como o segundo singlista e uma tremenda vontade de chutar o traseiro americano. Esse negócio de malhar americano em casa na Copa Davis é uma das coisas mais divertidas que há – e os caras querem acabar com essa possibilidade.

Cheirando a coisa de longe, Andy Roddick pediu para supervisionar uma nova seção de fotos de sua amada de bikini e se recusou a brincar desta vez. O Blake, outro que vinha jogando, quando soube que o confronto seria na terra entrou em coma.

Sobrou para os gigantes Isner e Querrey e o arroz de festa irmãos Bryan, que não renegam uma Copa Davis. A imprensa americana finge que não é com eles e não publicam uma linha sobre o confronto. Para eles só vale se for para vencer. Mas, os tempos da superioridade americana já eram.

O piso será o saibro, o que deve estar causando pesadelos vermelhos nos corações de Isner e Querrey. Que sina. Ter que enviar dois tenistas que dependem de seus serviços para vencerem. Um pretzel durinho para quem adivinhar qual será a velocidade da quadra.

Não acredito que a SporTV vá mostrar esse confronto. Então só vamos poder acompanhar o placar, a não ser que alguém descole um daqueles sites para assistirmos direto de Belgrado.

Tão interessante quanto acompanhar os martírios americanos, será ver como Djokovic lidará com a pressão de vencer em casa. Pois dele o povão não esperará uma boa participação – só vitórias contam.

Além disso, Tipasarevic, que vem jogando bem, gosta mesmo é de jogar nas quadras duras. No saibro também sofre. Há a chance do Troicki jogar, mas aí saberemos que um dos dois acima tremeu. A dupla terá Zimonjic em quadra com alguém.

O que não deve falhar será a torcida sérvia. Vamos ouvir cantorias, aplausos e muita vibração. Boas e ruins. Até porque muita gente que estará nas arquibancadas foi gente que esteve nas ruas desviando de bombas que os aviões americanos jogaram dez anos atrás.

belgrade-bombingbaelgrado2

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 2 de março de 2010 Copa Davis, Tênis Masculino | 21:01

Hay jogo

Compartilhe: Twitter

Ao que tudo indica o Chile vai hospedar o confronto de Copa Davis contra Israel neste fim de semana, apesar dos problemas inerentes da catástrofe que abala o nosso país vizinho.

A decisão final foi da FIT, já que a federação chilena preferia adiar. Como pimenta na boca alheia é refresco, os gringos não querem saber de negociação. Suspeito que se fosse em Londres a decisão seria outra.

A única mudança negociada, até agora, é que não haverá o jantar de confraternização e haverá um minuto de silencio antes das partidas. Além disso, qualquer outra atividades paralelas estão suspensas.

O confronto acontece em Coquimbo, cidade de 350 mil habitantes no norte do país, onde o impacto do terremoto foi menor. A organização já havia vendido cerca de 40% dos ingressos antes da tragédia, o que evidencia que as expectativas eram ótimas. De lá para cá as vendas pararam, mas pode haver mais nos dias das partidas. Gonzales já pediu para sair de Indian Wells, pois quer ficar no Chile.

Os israelenses não se manifestaram oficialmente nem de um jeito nem de outro. Dizem que a FIT teria negociado um jato particular para levar os israelenses até o Chile, junto com os árbitros, já que os vôos comerciais estão suspensos. Os tenistas chilenos têm chegados por rotas alternativas, já que Santiago segue sem aeroporto.

Há também a possibilidade de os jogos começarem somente no sábado e se estenderem até segunda-feira, por conta do atraso da chegada e da ambientação dos tenistas.

O confronto deve acontecer cercado de controvérsias. Muitos são a favor da realização, mas muitos são contra. No site do El Mercurio, 43% votam a favor da suspensão e 57% contra. Os chilenos, por jogar em casa, são os favoritos. Resta saber como estarão corações e mentes de integrantes de ambos os times, sem esquecer do público. Com certeza deve ser um confronto emocionante, por mais de um aspecto.

coquimbo

Coquimbo, sede da partida Chile x Israel.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 1 de março de 2010 Tênis Masculino | 13:00

Ernestão

Compartilhe: Twitter

Uma conquista bem vinda este fim de semana foi a do “Ernestão” Gulbis, um letão de apenas 21 anos, uma promessa que, quiça e aos poucos, torna-se realidade. O rapaz venceu o Torneio de Delray Beach, batendo o gigantão Ivo Karlovic na final.

Digo bem vinda porque Ernestão é um tenista talentoso e dono de um tênis extremamente perigoso. Mais perigoso do que seu tênis só mesmo sua cabeça, uma daquelas capazes de destruir qualquer carreira.

Gulbis é de família rica; seu pai é produtor de cinema, acredito que entre outras coisas, porque, também acredito, só produzir cinema na Letônia não vai deixar ninguém tão rico. Na verdade, o pai trabalha com finanças, não me pergunte o que é isso, e a mãe sim é atriz. O casal é separado desde de que Ernestão era Ernestinho, que viveu com a mãe. O seu avô e seu pai foram grandes jogadores de basquete, uma cultura bem forte no país, o que explica as habilidades atléticas do filhinho/netinho. O temperamento artistico, e instável, herdou da mãe, uma mulher bonita e interessante – vejam este interessante link, de um filme em que ele, aos 6 anos, estrelou com ela: http://www.youtube.com/watch?v=p6aB2V4eG20

O filho, ciente do talento e da conta bancária, é um daqueles tenistas que parece querer não querendo. Algo que ajuda um tenista talentoso e habilidoso até certo ponto, mas também inviabiliza a carreira a partir desse ponto crucial. Esse é o estigma que o Ernestão está querendo quebrar, o que é raro, mas acontece.

Para fazê-lo contratou o argentino Hernan Gumy, um argentino com perfil carioca, o que de certa maneira traduz a orientação do comprometimento do rapaz. Gumy é um tremendo boa praça que foi contratado pelo Safin, que não iria contratar ninguém que fosse enquadrá-lo, e pelo Gustavo Kuerten, numa época de rejeição a Larry Passos e seu estilo sargentão.

De qualquer maneira a dupla está se entendendo e, melhor, fazendo o Ernestão se entender com a equação talento/responsabilidade, duas forças tão repelente quando o positivo/negativo.

De qualquer forma, como já deixei claro em outras ocasiões, a minha torcida é pelo tênis – e quanto mais talento dentro das linhas da quadra melhor.

Gulbis_Toronto_Masters_2008Ernestão Gulbis – talento e temperamento em quadra.milena_ernests-diena

                                      Ernestinho e a mãe, Milena

Autor: Tags: , ,